Paquistão reabre fronteira com o Afeganistão após tiroteio


0

A passagem de chaves em Chaman foi reaberta uma semana depois que um atirador afegão matou um guarda de segurança paquistanês no local.

Pessoas do Afeganistão cruzam para o Paquistão no ponto de passagem do ‘Portão da Amizade’, na cidade fronteiriça Paquistão-Afeganistão de Chaman, Paquistão [File: Saeed Ali Achakzai/Reuters]

Islamabad, Paquistão – O Paquistão reabriu uma importante passagem de fronteira com o vizinho Afeganistão uma semana depois que um atirador afegão matou um guarda de segurança paquistanês no local, forçando o fechamento da passagem.

Shehzad Zehri, funcionário de Chaman, cidade fronteiriça na província do Baluchistão, no sudoeste, confirmou a reabertura à Al Jazeera na segunda-feira.

“O impasse acabou e a mobilidade entre os dois países foi retomada para todos os efeitos, tanto pedonais como comerciais”, disse.

Funcionários disseram à Al Jazeera que a decisão de reabrir a passagem de fronteira de Chaman – também conhecida como Portão da Amizade – foi tomada em uma reunião entre autoridades paquistanesas e afegãs no domingo.

Abdul Hameed Zehri, outro oficial em Chaman, disse que as autoridades afegãs lamentaram o incidente da semana passada e garantiram ação.

A fronteira de Chaman, situada a cerca de 120 km (74 milhas) a noroeste da capital provincial do Paquistão, Quetta, é uma das passagens de fronteira mais movimentadas entre os dois países e é usada por milhares de pessoas todos os dias.

A passagem foi fechada em 13 de novembro, quando um soldado paquistanês postado na fronteira foi alvejado. Houve uma breve troca de tiros entre os dois exércitos após o incidente.

Imran Kakar, ex-presidente da Câmara de Comércio de Chaman, que esteve presente na reunião de domingo, disse que as conversas ocorreram em um “ambiente amigável”.

Kakar disse que a comunidade empresarial local espera que tais incidentes não prejudiquem o sustento de milhares de comerciantes que usam a travessia.

“Ambos os países são afetados. As pessoas são afetadas. As empresas são afetadas. Essas questões só devem ser resolvidas por meio do diálogo e garantir que o comércio não pare”, disse ele à Al Jazeera.

Em um comunicado na semana passada, o governo do Talibã no Afeganistão condenou o incidente e ordenou a formação de um comitê de investigação para investigá-lo.

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, rejeitou na sexta-feira as alegações da mídia paquistanesa de que o agressor era um membro das forças de fronteira afegãs.

Desde a aquisição de Cabul no ano passado, o Talibã afegão mantém uma relação difícil com Islamabad.

O Paquistão acusa o Afeganistão de fornecer refúgio seguro a grupos armados, acusação negada pelo Talibã.

O Paquistão estava entre um punhado de nações a reconhecer o primeiro governo talibã quando chegou ao poder no Afeganistão no final dos anos 1990.

Mas o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Bilawal Bhutto-Zardari, em entrevista coletiva na sexta-feira, disse que seu governo não reconhecerá o governo talibã até que um consenso internacional seja alcançado.

“No que diz respeito ao reconhecimento oficial, o Paquistão não gostaria de fazer um voo solo e prefere prosseguir com esse processo com consenso internacional”, disse ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *