Novo governo de Israel revela plano para enfraquecer a Suprema Corte


0

O novo ministro da Justiça quer restringir o poder do tribunal superior, uma medida que os críticos dizem que prejudicaria a democracia.

O ministro da Justiça do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou os planos do novo governo para reformar a Suprema Corte [File: Atef Safadi/Pool Photo/AP]

O ministro da Justiça do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou um plano para reformar o sistema judicial do país e enfraquecer a Suprema Corte do país.

Críticos acusaram o governo de declarar guerra ao judiciário, dizendo que o plano anunciado na quarta-feira derrubará o sistema de freios e contrapesos de Israel e minará as instituições democráticas ao dar poder absoluto à coalizão de maior direita na história de Israel.

O ministro da Justiça, Yariv Levin, confidente de Netanyahu e crítico de longa data da Suprema Corte, apresentou seu plano um dia antes de os juízes debaterem uma nova lei controversa na quinta-feira que permite que um político condenado por crimes fiscais sirva como ministro do Gabinete.

“Chegou a hora de agir”, disse Levin sobre seu plano de reformular o tribunal.

Suas propostas pedem uma série de mudanças radicais com o objetivo de restringir os poderes da Suprema Corte de Israel, inclusive permitindo que os legisladores aprovem leis que o tribunal derrubou e efetivamente considerou inconstitucionais.

Levin estabeleceu uma lei que capacitaria o parlamento de 120 assentos do país, ou Knesset, a anular as decisões da Suprema Corte com uma maioria simples de 61 votos. Ele também propôs que os políticos desempenhem um papel maior na nomeação dos juízes da Suprema Corte e que os ministros indiquem seus próprios assessores jurídicos, em vez de usar profissionais independentes.

Os aliados ultraortodoxos e ultranacionalistas de Netanyahu também disseram que esperam anular as decisões da Suprema Corte que proíbem postos avançados israelenses em terras palestinas privadas na Cisjordânia ocupada. Eles também procurariam permitir a detenção prolongada de requerentes de asilo africanos e oficializar a exclusão dos ultraortodoxos do serviço militar obrigatório do país.

Levin argumentou que a fé do público no sistema judicial caiu para um mínimo histórico e disse que planeja restaurar o poder para as autoridades eleitas, que agora está nas mãos do que ele e seus partidários consideram juízes excessivamente intervencionistas.

“Essas reformas fortalecerão o sistema judicial e restaurarão a confiança do público nele”, disse Levin em comunicado televisionado.

“Pessoas em quem não votamos decidem por nós”, disse ele, referindo-se ao tribunal.

“Isso não é democracia.”

Em um discurso na quarta-feira antes do anúncio de Levin, Netanyahu pareceu apoiar seu ministro da Justiça prometendo “implementar reformas que garantirão o equilíbrio adequado entre os três ramos do governo”.

Desde que foi indiciado por acusações de corrupção, Netanyahu fez campanha contra o sistema judicial. Ele nega todas as acusações, dizendo que é vítima de uma caça às bruxas orquestrada por uma mídia hostil, polícia e promotores.

Levin disse que seu plano de reformular a Suprema Corte “não está relacionado de forma alguma” ao julgamento de Netanyahu.

crítica feroz

A reforma planejada já atraiu críticas ferozes do procurador-geral de Israel e da oposição política, embora não esteja claro se eles serão capazes de impedir o avanço do governo de extrema-direita.

Yair Lapid, ex-primeiro-ministro e chefe da oposição, disse que vai lutar contra as mudanças “de todas as formas possíveis”.

Pesquisas de opinião recentes do Instituto de Democracia de Israel descobriram que a maioria dos entrevistados acredita que a Suprema Corte deveria ter o poder de derrubar leis que conflitem com as Leis Básicas de Israel, que servem como uma espécie de constituição.

“Será uma democracia oca”, disse Amir Fuchs, pesquisador sênior do think-tank Instituto de Democracia de Israel, sobre as mudanças propostas.

“Quando o governo tiver o poder final, ele usará esse poder não apenas para questões de direitos LGBTQ e requerentes de asilo, mas também para eleições e liberdade de expressão e tudo o que quiser”, disse Fuchs.

“Já estamos em uma situação muito frágil quando falamos de direitos humanos e nossos fundamentos constitucionais porque quase não temos freios e contrapesos.”

Como parte das negociações para formar o atual governo, o parlamento de Israel mudou no mês passado uma lei para permitir que alguém condenado e em liberdade condicional sirva como ministro do Gabinete.

Isso abriu o caminho para Aryeh Deri, líder do partido ultraortodoxo Shas, servir por meio mandato como ministro da Saúde e Assuntos Interiores, antes de se tornar ministro das Finanças. Ele também ocupará o cargo de vice-primeiro-ministro. Deri foi condenado por fraude fiscal e recebeu pena suspensa no ano passado.

Na quinta-feira, espera-se que a Suprema Corte ouça petições contra Aryeh Deri servindo como ministro.

A procuradora-geral Gali Baharav-Miara, um dos principais alvos do novo governo, declarou sua oposição à nomeação ministerial. Baharav-Miara foi nomeado pelo governo anterior, que se opõe veementemente ao governo de Netanyahu.

Os aliados de Netanyahu apresentaram a ideia de dividir o cargo de procurador-geral em três funções, incluindo duas que seriam nomeações políticas.

Isso diluiria a autoridade do atual procurador-geral, ao mesmo tempo em que abriria a porta para Netanyahu instalar alguém mais favorável a descartar as acusações contra ele.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *