China defende posição de guerra da Ucrânia e pretende aprofundar laços com a Rússia


0

Ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, defende posição chinesa na guerra da Ucrânia e elogia melhora ‘histórica’ nas relações com os países árabes.

O ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, defendeu a posição da China sobre a guerra na Ucrânia e sugeriu que aprofundaria os laços com a Rússia no próximo ano, ao saudar os “avanços históricos” nas relações sino-árabe.

Falando por vídeo em uma conferência na capital chinesa, Wang no domingo também culpou os Estados Unidos pela deterioração nas relações entre as duas maiores economias do mundo, dizendo que Pequim “rejeitou firmemente” a “política errônea para a China” de Washington.

A China recuou contra a pressão ocidental sobre comércio, tecnologia, direitos humanos e suas reivindicações por uma ampla faixa do Pacífico Ocidental, acusando os EUA de intimidação.

Sua recusa em condenar a invasão da Ucrânia e se juntar a outros na imposição de sanções à Rússia enfraqueceu ainda mais os laços e alimentou uma divisão emergente com grande parte da Europa.

“No que diz respeito à crise na Ucrânia, temos consistentemente defendido os princípios fundamentais de objetividade e imparcialidade, sem favorecer um lado ou outro, sem colocar lenha na fogueira, e menos ainda buscando ganhos egoístas com a situação”, disse Wang, segundo o jornal. um texto oficial de suas observações.

Ele acrescentou que a China “aprofundará a confiança mútua estratégica e a cooperação mutuamente benéfica” com a Rússia. Navios de guerra dos dois países realizaram exercícios navais conjuntos no Mar da China Oriental na semana passada.

Wang disse que o comércio bilateral entre os dois países está se aproximando da meta de US$ 200 bilhões “em um ritmo mais rápido”, acrescentando que grandes projetos de investimento estão em andamento.

‘Futuro compartilhado’

Citando a recente viagem do presidente Xi Jinping à Arábia Saudita, onde participou da primeira Cúpula China-Estados Árabes e da Cúpula de Cooperação China-Golfo, Wang disse que a China e os países árabes “chegaram a um consenso sobre a construção de uma comunidade China-Árabe mais próxima com um futuro compartilhado”.

Durante a visita, Xi assinou vários acordos de parceria estratégica e econômica e disse que a China continuará importando grandes quantidades de petróleo dos países do Golfo e expandirá as importações de gás natural liquefeito.

Xi está pressionando a indústria chinesa a se tornar mais autossuficiente, mas Wang reconheceu em seu discurso que a experiência mostrou “que a China e os Estados Unidos não podem dissociar ou cortar as cadeias de suprimentos”.

Ele disse que a China se esforçaria para trazer as relações com os EUA de volta ao curso, dizendo que eles caíram porque “os Estados Unidos continuaram teimosamente a ver a China como seu principal concorrente e se engajar em bloqueio, repressão e provocação flagrantes contra a China”.

Wang e o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, conversaram por telefone no final da semana passada.

O Departamento de Estado disse que Blinken discutiu a necessidade de administrar o relacionamento EUA-China com responsabilidade e levantou preocupações sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia e as ameaças que ela representa para a segurança global e a estabilidade econômica.

Wang acusou os EUA de “bullying unilateral” e disse que a China continuará a desempenhar um papel construtivo na resolução da crise na Ucrânia à sua maneira, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da China.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *