Apoiadores de Bolsonaro invadem prédios importantes do governo no Brasil


0

Apoiadores do ex-presidente de extrema direita, que se recusam a aceitar sua derrota eleitoral, invadem o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

Apoiadores do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enquanto as forças de segurança operam, do lado de fora do Congresso Nacional do Brasil em Brasília, Brasil, 8 de janeiro de 2023 [Adriano Machado/ Reuters]

Apoiadores do ex-presidente brasileiro de extrema-direita Jair Bolsonaro, que se recusam a aceitar sua derrota eleitoral, invadiram o palácio presidencial, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal na capital, Brasília.

Vídeos nas redes sociais mostraram apoiadores de Bolsonaro quebrando janelas e móveis nos prédios do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal no domingo. Eles subiram no telhado do prédio do Congresso, onde o Senado e a Câmara dos Deputados do Brasil realizam seus trabalhos legislativos, desfraldando uma faixa onde se lia “intervenção” e um aparente apelo aos militares brasileiros.

Imagens da TV Globo News também mostraram manifestantes circulando pelo palácio presidencial, muitos deles vestindo verde e amarelo – as cores da bandeira brasileira, que também passaram a simbolizar o governo Bolsonaro.

Um vídeo de mídia social mostrou uma multidão do lado de fora puxando um policial de seu cavalo e espancando-o no chão.

As forças de segurança usaram gás lacrimogêneo em um esforço para repelir os manifestantes, com a mídia local estimando que cerca de 3.000 pessoas estiveram envolvidas no incidente.

Brasil
Manifestantes, apoiadores do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro, invadem o prédio do Congresso Nacional em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023 [Eraldo Peres/AP Photo]

O cerco, que durou pouco mais de três horas, ocorre apenas uma semana após a posse do rival de esquerda de Bolsonaro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Respondendo à invasão, Lula declarou uma intervenção de segurança federal em Brasília que vigorará até o final do mês.

Em entrevista coletiva, ele culpou Bolsonaro e reclamou da falta de segurança na capital, dizendo que as autoridades permitiram que “fascistas” e “fanáticos” causassem estragos.

“Esses vândalos, que poderíamos chamar de nazistas fanáticos, stalinistas fanáticos… fascistas fanáticos, fizeram o que nunca foi feito na história deste país”, disse Lula, que estava em viagem oficial ao estado de São Paulo. “Todas essas pessoas que fizeram isso serão encontradas e serão punidas.”

Bolsonaro, que ainda não admitiu a derrota na votação de 30 de outubro e atualmente está no estado americano da Flórida, divulgou a falsa alegação de que o sistema de votação eletrônica do Brasil era propenso a fraudes, ajudando a alimentar protestos contra a vitória de Lula.

Apoiadores bloquearam estradas, incendiaram veículos e se reuniram do lado de fora de prédios militares pedindo a intervenção das forças armadas.

“Esse genocida… está incentivando isso nas redes sociais de Miami”, disse Lula, referindo-se a Bolsonaro. “Todo mundo sabe que tem vários discursos do ex-presidente incentivando isso.”

Bolsonaro ficou em silêncio por quase seis horas sobre o caos em Brasília antes de postar no Twitter que “repudia” as acusações de Lula contra ele.

O ex-presidente acrescentou que, embora as manifestações pacíficas façam parte da democracia, invadir e danificar prédios públicos “passa dos limites”. Ele não compareceu à posse de Lula.

Reportando do Rio de Janeiro, Monica Yanakiew, da Al Jazeera, observou que alguns apoiadores de Bolsonaro estavam acampados em Brasília desde a eleição.

“As pessoas deste acampamento e de outras partes marcharam em direção à praça de Brasília, chamada praça dos Três Poderes, porque nesta mesma praça você tem o Congresso, o palácio presidencial e o Supremo Tribunal Federal e eles entraram nos três prédios”, ela disse.

brasil
Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro vasculham papéis sobre uma mesa após invadirem o Palácio do Planalto, local de trabalho oficial do presidente, em Brasília, Brasil [Eraldo Peres/AP Photo]

“Eles entraram no STF, que consideram ser seu principal inimigo, porque dizem que o STF é tendencioso, e reconheceram uma eleição que dizem ser roubada”, disse Yanakiew, lembrando que o incidente ocorreu após a eleição de 1º de janeiro de Lula. inauguração, quando era menos provável que as autoridades esperassem tal cerco.

No entanto, ela acrescentou que a “grande questão” permanece: por que os manifestantes foram tão facilmente capazes de invadir as forças de segurança durante o incidente, que ocorreu quando legisladores, juízes e outros funcionários não estavam no local.

A invasão lembrou a invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro por partidários do ex-presidente Donald Trump, que assim como os partidários de Bolsonaro, também afirmaram sem provas que a eleição presidencial americana de 2020 foi “roubada”.

O presidente dos EUA, Joe Biden, descreveu a situação no Brasil como “ultrajante” e que espera continuar trabalhando com Lula.

“Condeno o atentado à democracia e à transferência pacífica do poder no Brasil. As instituições democráticas do Brasil têm todo o nosso apoio e a vontade do povo brasileiro não deve ser prejudicada”, disse Biden no Twitter.

Um homem agita a bandeira do Brasil enquanto apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do lado de fora do Congresso Nacional do Brasil em Brasília
Um homem agita a bandeira do Brasil enquanto apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso Nacional do Brasil em Brasília, Brasil [Adriano Machado/Reuters]

O professor de direito brasileiro Diego Amparo disse que, como Trump, Bolsonaro durante anos fomentou a desconfiança nas instituições governamentais.

“É o tipo de retórica que se viu não só no ciclo eleitoral, mas durante toda a presidência de Bolsonaro”, disse à Al Jazeera. “Portanto, este momento é realmente o símbolo concreto de vários anos tentando desacreditar as instituições políticas e judiciais do país.”

Ele acrescentou que muitas autoridades locais e membros das forças armadas mantêm laços com Bolsonaro, tornando a “situação muito complicada” para Lula e seu governo navegarem.

No Twitter, o ministro da Justiça do Brasil, Flavio Dino, disse: “Essa tentativa absurda de impor sua vontade pela força não prevalecerá”.

“O governo do Distrito Federal garantiu que haverá reforços. E as forças à nossa disposição estão trabalhando”, disse ele.

A presidente Rosa Weber e o ministro Alexandre de Moraes prometeram punir os “terroristas” que atacaram as instituições democráticas do país, enquanto os presidentes das duas casas do Congresso denunciaram publicamente os ataques.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse estar em contato permanente com o governador de Brasília, Ibaneis Rocha, e disse que todo o aparato policial foi mobilizado para controlar a situação.

Rocha disse mais tarde no Twitter que mais de 400 pessoas foram presas durante a invasão. Mas a polícia brasileira posteriormente revisou o número para 300.

Rocha disse que os presos “vão pagar pelos crimes cometidos”.

“Continuamos trabalhando para identificar todos os outros que participaram desses atos terroristas nesta tarde no Distrito Federal. Continuamos trabalhando para restaurar a ordem”, tuitou.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *