Tipos de estigma e etapas para eliminá-lo


0

Grupo de jovens adultos com tatuagens e joias usando patins sentados na escada conversando e rindo 1
MoMo Productions/Getty Images

O termo estigma teve origem na Grécia antiga, onde se referia a símbolos queimados na pele de pessoas escravizadas e pessoas julgadas como criminosas ou traidoras. Esses símbolos, ou estigmas, sugeriam que a pessoa era “manchada” e que outros deveriam evitá-la e evitá-la.

O sociólogo Erving Goffman reformulou o termo em 1963, dando-lhe seu significado moderno.

Em poucas palavras, o estigma refere-se a qualquer atitude negativa, preconceito ou crença falsa associada a características, circunstâncias ou sintomas de saúde específicos. A discriminação, um conceito relacionado, mas distinto, descreve como alguém o trata por causa desse estigma.

As características comumente estigmatizadas incluem:

  • idade
  • tamanho do corpo e outros aspectos da aparência física

  • saúde mental
  • orientação sexual
  • Status da moradia

Continue lendo para saber mais sobre os vários tipos de estigma que você pode encontrar e como lidar com isso em sua própria vida.

Tipos de estigma

Embora as pessoas possam estigmatizar quase qualquer característica, a National Alliance on Mental Illness (NAMI) categoriza o estigma em sete tipos principais:

estigma público

O estigma público descreve o sentimento abrangente que a sociedade tem sobre as pessoas com uma determinada característica. As atitudes da sociedade em relação a essas características podem aparecer na mídia, muitas vezes encorajando sutilmente percepções negativas ou apresentando estereótipos como fatos.

Aqui está um exemplo:

Você diz a um amigo que tem transtorno dissociativo de identidade (DID) e ele reage dizendo: “Uau. Isso é meio assustador. E se uma de suas ‘personalidades’ tentasse matar alguém? Você saberia sobre isso?

Sua compreensão (imprecisa) dessa condição de saúde mental, é claro, vem dos vários retratos da mídia de pessoas com DID que se envolvem em atos de violência.

Autoestigma

O autoestigma acontece quando você aceita o estigma público. Simplificando, você pode começar a considerar seus próprios traços ou sintomas “vergonhosos” e merecedores de críticas, ou acreditar que ganhou um julgamento negativo por causa deles.

Aqui está um exemplo:

Você pode se considerar fraco por ter transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), especialmente quando as pessoas em sua vida sugerem que você está exagerando em relação ao trauma que experimentou.

estigma percebido

O estigma percebido acontece quando você acredita (com ou sem razão) que as pessoas ao seu redor, ou a sociedade como um todo, o julgariam negativamente por ter uma determinada característica.

Aqui está um exemplo:

Você pode esconder sua coleção de bichos de pelúcia de seus amigos por medo de que eles o vejam como imaturo ou questionem seu interesse por brinquedos infantis.

Evitar rótulos

Evitar rótulos acontece quando você se distancia de um grupo estigmatizado. Você pode, por exemplo, negar publicamente ter uma característica específica ou rejeitar o tratamento para evitar um diagnóstico.

Aqui está um exemplo:

Você pode evitar receber tratamento para esquizofrenia porque teme que um diagnóstico custe a custódia de seus filhos.

estigma estrutural

O estigma estrutural refere-se a políticas institucionais baseadas em atitudes estigmatizantes. Os indivíduos que trabalham para essa instituição podem não ter nenhum preconceito contra você, mas o sistema opera de uma forma que o coloca em desvantagem.

Aqui está um exemplo:

Você se inscreve on-line para um novo emprego depois de passar um ano se recuperando do longo COVID-19. O software de contratação da empresa embaralha seu currículo para o fundo da pilha digital, quase garantindo que ninguém o revise, simplesmente porque os programadores presumiram que qualquer pessoa com uma grande lacuna de emprego não seria confiável.

estigma do profissional de saúde

O estigma do profissional de saúde ocorre quando a crença de um profissional de saúde em estereótipos raciais, de gênero ou outros atrapalha sua capacidade de fornecer cuidados eficazes.

Aqui está um exemplo:

Você procura um conselheiro para obter apoio para transtorno de personalidade esquiva. Mas eles acreditam que as pessoas com transtornos de personalidade não podem mudar seu comportamento, então se recusam a trabalhar com você apenas por causa do seu diagnóstico.

Na realidade, todos é capaz de mudar.

estigma associativo

O estigma associativo visa pessoas conectadas a alguém com uma característica específica. Você pode enfrentar críticas e julgamentos por escolher manter contato com uma pessoa que fez algo “errado” pelos padrões da sociedade.

Aqui está um exemplo:

Seus amigos podem acusá-lo de “possibilitar” o transtorno de uso de substâncias de seu irmão quando você decide apoiá-lo por meio de tratamento e recuperação, em vez de interromper todo o contato.

Qual é o impacto?

O estigma pode ter consequências a longo prazo para a saúde e para a saúde mental, incluindo:

Falta de acesso ao tratamento

Alguns pais podem resistir a ter um filho avaliado por problemas de saúde mental ou deficiências de neurodesenvolvimento ou evitar contar a uma criança sobre um diagnóstico porque:

  • Eles acreditam que um rótulo desencorajará seus filhos.
  • Eles querem proteger seus filhos do bullying.
  • Eles acham que os outros vão culpá-los pela condição de seus filhos.

A pesquisa sugere que os pais que não querem que seus filhos sejam “rotulados” têm menos probabilidade de ajudá-los a receber tratamento para seus sintomas.

No entanto, negar a uma criança os cuidados de que ela precisa provavelmente piorará sua saúde mental ao longo do tempo. Além do mais, a criança ainda pode sofrer estigma devido aos seus sintomas – e como não entende o porquê, pode se culpar pelos maus-tratos.

Riscos à segurança pessoal

Durante surtos de doenças infecciosas, cerca de 3 em 10 profissionais de saúde enfrentam estigma por sua profissão. Outros podem acusá-los de espalhar doenças ou tratá-los como perpetuamente “impuros”.

A pandemia de SARS-CoV-2 criou mais estigma do que a maioria dos surtos anteriores, com inúmeros relatos de profissionais de saúde sendo afastados, negados serviços públicos e até mesmo agredidos.

De acordo com um relatório de 2022 da American Hospital Association, 44% dos enfermeiros sofreram violência física, enquanto 68% sofreram abuso verbal.

Menor qualidade de atendimento

O estigma do profissional de saúde pode causar disparidades de tratamento como:

  • Gastar menos tempo em consultas
  • Oferecer menos educação sobre a lesão, doença ou outra condição de saúde da pessoa
  • Recusar exames diagnósticos ou medicamentos solicitados

Pessoas com mais peso corporal, por exemplo, muitas vezes sofrem discriminação e atendimento de baixa qualidade de profissionais de saúde que endossam o estigma do peso. Os médicos podem oferecer dicas e críticas sobre perda de peso, em vez de tratamento real para seus sintomas de saúde.

Da mesma forma, as pessoas que vivem com transtornos por uso de substâncias podem enfrentar discriminação de profissionais de saúde que vinculam o uso de substâncias a uma “falha de caráter” ou “falta de força de vontade” em vez de reconhecer o vício como uma condição grave de saúde mental.

Por que isso acontece?

Várias teorias tentaram explicar as causas potenciais do estigma. Esses incluem:

Teoria da rotulagem

As interações sociais são complicadas, então seu cérebro gosta de pegar atalhos quando pode. Estigmatizar certas características oferece uma maneira rápida de categorizar as pessoas como “boas” ou “más” sem aprender toda a sua história de vida.

Aqui, os traços estigmatizados normalmente dependem de valores culturais e dos membros que têm mais poder. Por exemplo, uma sociedade dirigida por introvertidos pode estigmatizar as pessoas que falam demais. Enquanto isso, uma sociedade liderada por extrovertidos pode estigmatizar aqueles que se mantêm isolados.

Teoria da identidade social

De acordo com a teoria da identidade social, as pessoas constroem suas identidades a partir dos grupos aos quais pertencem. Por exemplo, alguém que se identifica como Geração Z ou Baby Boomer pode desenhar características específicas, como ética de trabalho, parcimônia ou independência, com base na geração a que pertence.

Como regra geral, as pessoas podem perceber seu próprio grupo de forma mais favorável e atribuir estereótipos negativos a grupos rivais. Estigmatizar forasteiros serve a três funções:

  • A convicção de pertencer ao “melhor” grupo pode aumentar a auto-estima.
  • Isso ajuda a justificar o acúmulo de recursos como riqueza, poder ou status social.
  • Oferece uma desculpa para explorar grupos estigmatizados em busca de recursos adicionais.

Teoria da gestão do terror

A teoria da gestão do terror sugere que as pessoas estigmatizam sinais de doença ou infortúnio para acalmar seus próprios medos existenciais.

Digamos que você saia de um relacionamento abusivo. Algumas pessoas podem tentar culpá-lo, embora o abuso possa acontecer com qualquer um. Eles podem perguntar se você provocou seu ex-parceiro ou dizer que você nunca deveria ter começado a namorar com eles.

Essa reação pode acontecer, em parte, porque eles têm dificuldade em reconhecer a possibilidade assustadora de que seus entes queridos possam um dia magoá-los ou traí-los. eles. Sugerir que você de alguma forma causou seu próprio abuso permite que eles criem uma ficção confortável onde nunca enfrentarão o mesmo risco.

Como superar o estigma

Você pode fazer muito para ajudar a acabar com o estigma, embora o caminho para eliminá-lo possa depender de onde ele vem.

Se você encontrar alguém espalhando estigma, isso pode ajudar a:

  • Encontrar comunidade: A vergonha geralmente prospera na solidão. Se você se conectar com outras pessoas que tiveram uma experiência semelhante, poderá descobrir que elas podem oferecer apoio emocional e validação.
  • Chame o viés: O estigma costuma estar entretecido em normas culturais e as pessoas podem espalhá-lo sem perceber o impacto prejudicial de suas ações. Apontar o viés, no entanto, muitas vezes leva as pessoas a repensar suas suposições. Nem todo mundo pode mudar de ideia, mas mesmo a rejeição do estigma por uma pessoa pode enfraquecer seu poder cultural.
  • Divulgue seu próprio status: Se você se sentir seguro ao fazê-lo, considere compartilhar sua própria experiência com o estigma. As pessoas que caluniam ou criticam estranhos abstratos podem parar para pensar duas vezes sobre declarações que prejudicam alguém que conhecem e de quem cuidam. A partir daí, eles podem considerar como suas palavras afetam os outros.

Se você quiser evitar a propagação do estigma, pode ajudar:

  • Considere sua linguagem: As palavras carregam muitas nuances emocionais além de sua definição de dicionário. Por exemplo, chamar alguém de “viciado, “alcoólatra” ou “suicida” pode levar os outros a percebê-lo negativamente. Em vez disso, você pode optar por uma linguagem neutra, como “Eles têm um distúrbio de uso de substâncias” ou “Eles tiveram pensamentos suicidas”.
  • Eduque-se: A pesquisa sobre o estigma da saúde mental sugere que saber mais sobre uma determinada condição pode ajudar a minimizar as crenças estigmatizantes. Ler narrativas em primeira mão de pessoas reais pode oferecer uma visão única sobre como viver com condições específicas, como transtorno bipolar ou bulimia nervosa. O mesmo vale para condições de saúde estigmatizadas, como herpes genital.

Se você deseja superar as atitudes estigmatizantes que tem sobre si mesmo, pode ser útil:

  • Pratique a autocompaixão: Quando você começar a se criticar, tente resistir a essa negatividade, afirmando-se. Por exemplo, em vez de se repreender por não se casar tão rápido quanto seus amigos, lembre-se de que seu status de relacionamento não tem nada a ver com seu valor como pessoa.
  • Trabalhe com um terapeuta: Um terapeuta pode oferecer aceitação incondicional para ajudar a combater uma narrativa de vergonha e culpa. A autobondade pode surgir mais facilmente quando alguém o trata primeiro como digno de bondade.

Veja como encontrar o terapeuta certo para você.

A linha de fundo

O estigma é uma marca metafórica de vergonha que a sociedade muitas vezes atribui a pessoas com certas características. Quando o estigma se espalha sem controle, pode afetar qualquer coisa, desde sua segurança pessoal até a qualidade de seus cuidados médicos.

Ao enfrentar o estigma, pode ser útil lembrar que nada mais é do que um julgamento social, não um fato objetivo. Resumindo, o estigma não define você, seu valor ou a qualidade de sua vida.


Emily Swaim é escritora e editora freelancer especializada em psicologia. Ela é bacharel em inglês pelo Kenyon College e mestre em redação pelo California College of the Arts. Em 2021, ela recebeu a certificação do Conselho de Editores em Ciências da Vida (BELS). Você pode encontrar mais de seu trabalho em GoodTherapy, Verywell, Investopedia, Vox e Insider. Encontre-a em Twitter e LinkedIn.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *