Você está preocupado ou ansioso? Aqui está como saber.


0
Design by Alexis Lira

"Você se preocupa demais." Quantas vezes alguém lhe disse isso?

Se você é um dos 40 milhões de americanos que vivem com ansiedade, há uma boa chance de ouvir essas quatro palavras com frequência.

Embora a preocupação faça parte da ansiedade, certamente não é a mesma coisa. E confundir os dois pode levar à frustração das pessoas que têm ansiedade.

Então, como você diz a diferença? Aqui estão sete maneiras pelas quais a preocupação e a ansiedade são diferentes.

1. Preocupação significa que você controla a intensidade e a duração da sua preocupação. Com ansiedade, não é tão fácil.

Todos nós nos preocupamos em algum momento, e a maioria de nós se preocupa diariamente. Segundo a psicóloga clínica Danielle Forshee, Psy.D, aqueles que se preocupam – ou seja, todo mundo – podem controlar a intensidade e a duração de seus pensamentos de preocupação.

"Por exemplo, alguém que se preocupa pode ser desviado para outra tarefa e esquecer seus pensamentos de preocupação", explica Forshee. Mas alguém com ansiedade pode ter dificuldade para mudar sua atenção de uma tarefa para outra, o que faz com que os pensamentos de preocupação os consumam.

2. A preocupação pode causar tensão física leve (e temporária). A ansiedade causa reações físicas mais intensas.

Quando você se preocupa, tende a experimentar uma tensão física generalizada. Forshee diz que geralmente é muito curto em comparação com alguém que tem ansiedade.

"Alguém que tem ansiedade tende a experimentar um número significativamente maior de sintomas físicos, incluindo dores de cabeça, tensão generalizada, aperto no peito e tremores", acrescenta ela.

3. A preocupação leva a pensamentos que você normalmente pode manter em perspectiva. A ansiedade pode fazer você pensar no "pior cenário".

Forshee diz que definir essa diferença não se refere a pensamentos realistas versus irrealistas porque, geralmente, pessoas que têm preocupação ou ansiedade podem alternar entre pensamentos realistas e irrealistas.

"A diferença que define é o fato de que aqueles com ansiedade explodem coisas fora de proporção com muito mais frequência e com muito mais intensidade do que alguém que está lutando com pensamentos preocupados com alguma coisa", diz Forshee.

Aqueles que têm ansiedade têm dificuldade em se livrar desses pensamentos catastróficos.

4. Eventos reais causam preocupação. A mente cria ansiedade.

Quando você se preocupa, normalmente pensa em um evento real que está ocorrendo ou está ocorrendo. Mas quando você lida com ansiedade, tende a se concentrar demais em eventos ou idéias que sua mente cria.

Por exemplo, alguém pode se preocupar com o cônjuge enquanto está subindo uma escada, pois pode cair e se machucar. Mas uma pessoa ansiosa, explica Natalie Moore, LMFT, pode acordar sentindo uma sensação iminente de desgraça de que seu cônjuge vai morrer e não tem ideia de onde essa noção vem.

5. Preocupe-se com fluxos e refluxos. A ansiedade permanece e afeta sua qualidade de vida.

Para muitas pessoas, a preocupação vai e vem e os resultados não afetam sua vida diária. Mas Moore diz que a ansiedade causa desconforto mais frequente e intenso, o suficiente para afetar sua qualidade de vida.

6. A preocupação pode ser produtiva. A ansiedade pode ser debilitante.

"A preocupação pode ser produtiva se gerar soluções para problemas reais", explica Nicki Nance, PhD, psicoterapeuta licenciado e professor associado de serviços humanos e psicologia no Beacon College.

De fato, Moore diz que uma certa quantidade de preocupação é completamente normal e realmente necessária para que os humanos protejam sua própria segurança e a segurança dos entes queridos. No entanto, a preocupação excessiva que geralmente acompanha a ansiedade pode ser prejudicial se impedir que você cumpra responsabilidades ou interfira nos relacionamentos.

7. A preocupação não precisa ser tratada. Mas a ansiedade pode se beneficiar da ajuda profissional.

Como a preocupação faz parte de nossas vidas diárias, normalmente é um sentimento que podemos controlar sem procurar ajuda profissional. Mas gerenciar ansiedade intensa e persistente geralmente requer a ajuda de um profissional de saúde mental.

Se você ou alguém que você conhece tem preocupações com um transtorno de ansiedade, é importante que você procure ajuda profissional. Converse com um médico ou outro profissional de saúde sobre as opções de tratamento para ajudar a gerenciar os sintomas de ansiedade.


Sara Lindberg, BS, M.Ed, é uma escritora freelancer de saúde e fitness. Ela é bacharel em ciências do exercício e possui mestrado em aconselhamento. Ela passou a vida educando as pessoas sobre a importância da saúde, bem-estar, mentalidade e saúde mental. Ela é especialista na conexão mente-corpo, com foco em como nosso bem-estar mental e emocional afeta nossa aptidão física e saúde.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format