Transmissão sexual de HIV e outras DSTs: o que afeta o risco?


0

visão global

Seja uma pessoa fazendo sexo com um novo parceiro ou com vários novos parceiros, é natural que você tenha dúvidas sobre o risco de contrair ou transmitir o HIV durante o sexo. Ter perguntas sobre outras infecções sexualmente transmissíveis (DSTs) também é comum.

As DSTs podem passar entre parceiros durante qualquer tipo de atividade sexual. É possível ter uma DST, incluindo o HIV, e não apresentar sintomas.

É por isso que fazer o teste para HIV e outras DSTs é tão importante. Mesmo que uma DST não tenha sintomas imediatos, pode levar a sérios problemas de saúde se não for tratada.

Aqui estão sete coisas que todos precisam saber sobre como o HIV e outras DSTs podem ser transmitidas durante o sexo e que tipos de atividades podem afetar o risco.

Algumas atividades sexuais têm maior risco de transmissão do HIV

Uma pessoa só pode transmitir o HIV se já tiver o vírus e sua carga viral não for suprimida pelo medicamento.

Apenas alguns tipos de fluidos corporais podem transmitir o HIV. Especificamente, esses fluidos corporais são sangue, sêmen, fluido vaginal, fluido anal e leite materno. O HIV pode potencialmente ser transmitido durante atividades sexuais que envolvem esses fluidos.

No entanto, certos tipos de sexo representam um risco maior de transmissão do HIV.

É mais provável que o HIV seja transmitido durante o sexo anal do que outros tipos de sexo, porque o revestimento do ânus é propenso a rasgões e lágrimas. Isso facilita para o HIV encontrar um ponto de entrada no corpo.

O HIV também pode ser transmitido durante o sexo vaginal. A vagina é menos propensa a rasgos e lágrimas do que o ânus, mas o HIV ainda pode ser transmitido dessa maneira.

O sexo oral é geralmente considerado uma atividade de baixo risco para a transmissão do HIV. Ainda é possível que o HIV seja transmitido dessa maneira, principalmente se uma pessoa tiver feridas ou cortes na boca ou nos órgãos genitais.

Para todos os tipos de sexo, o uso de preservativos – ou, quando aplicável, de barragens dentárias – reduz drasticamente o risco de transmissão do HIV.

Certos medicamentos podem prevenir a transmissão do HIV

A exposição acidental ao HIV durante o sexo pode acontecer. Se isso acontecer, é importante entrar em contato com um médico o mais rápido possível.

Dentro de 72 horas da exposição potencial ao HIV, um profissional de saúde pode prescrever um tipo de medicamento chamado profilaxia pós-exposição (PEP). A PEP é um tratamento anti-retroviral que pode ajudar a reduzir o risco de contrair o HIV após uma exposição. A PEP geralmente consiste em 3 medicamentos diferentes ativos contra o HIV combinados em 2 pílulas e geralmente é tomado por 4 semanas.

Para qualquer pessoa com risco aumentado de HIV, a profilaxia pré-exposição (PrEP) pode ser uma opção. A PrEP é um medicamento diário que reduz bastante o risco de contrair o HIV.

Por exemplo, EUA diretrizes federais declaram que a PrEP deve ser considerada para qualquer pessoa que seja HIV negativa e que tenha um relacionamento sexual contínuo com um parceiro que seja HIV positivo. A PrEP também pode ser considerada para algumas pessoas que não estão em um relacionamento mutuamente monogâmico com um parceiro que recentemente testou negativo para o HIV.

Um profissional de saúde pode discutir como a PrEP funciona e quem pode se beneficiar.

Há um "período de janela" para o teste de HIV

O "período da janela" para o teste de HIV refere-se ao tempo entre a exposição de uma pessoa ao vírus e o momento em que um teste de HIV irá detectar o vírus. Esse período de janela é diferente dependendo do corpo de um indivíduo e do tipo de teste usado.

Em geral, o período da janela é tipicamente de 10 dias a 3 meses. No entanto, mesmo que uma pessoa teste negativo para o HIV em 1 mês, seu médico provavelmente recomendará outro teste em 3 meses se essa pessoa tiver uma exposição recente ou permanecer em risco aumentado para o HIV.

Com mais parceiros, o risco de HIV ou outras DSTs pode aumentar

De acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças, o risco de contrair o HIV pode aumentar com o número de parceiros sexuais que uma pessoa possui. Isso ocorre porque quanto mais parceiros sexuais uma pessoa tiver na vida, maior a probabilidade de ela ter um parceiro HIV positivo e cuja carga viral não seja suprimida.

Da mesma forma, o risco de contrair outras DSTs – como herpes, sífilis, gonorréia e clamídia – também pode aumentar.

O teste regular de HIV e DST pode ajudar a minimizar esse risco. Faça o teste antes e depois de cada novo parceiro sexual. Peça a qualquer novo parceiro sexual que faça o mesmo.

Algumas DSTs podem ser transmitidas pelo contato pele a pele

O uso de preservativos ou barragens dentárias durante o sexo reduz o risco de transmissão do HIV e outras DSTs. Isso ocorre porque essas barreiras ajudam a impedir a troca de fluidos corporais que podem transportar o HIV, outros vírus e bactérias.

O HIV não pode ser transmitido por contato pele a pele. No entanto, outros tipos de DSTs podem se espalhar dessa maneira.

As únicas ISTs que podem ser transmitidas através do contato pele a pele são:

  • herpes
  • vírus do papiloma humano (HPV)
  • sífilis

Preservativos e barragens dentárias ainda ajudam a reduzir o risco de transmissão dessas DSTs. Isso ocorre em parte porque as barreiras ajudam a minimizar o contato com a pele. Mas preservativos e barragens dentárias não podem eliminar completamente o risco dessas DSTs.

Um profissional de saúde pode discutir opções para ajudar a reduzir o risco de contrair essas DSTs e como agendar testes regulares de DSTs.

Algumas ISTs podem não apresentar sintomas

Certas DSTs não apresentam sintomas imediatos ou podem não ter sintomas em algumas pessoas. Por exemplo, o vírus do papiloma humano (HPV), clamídia e gonorréia geralmente não apresentam sintomas imediatamente. Isso significa que eles podem ficar sem diagnóstico por um longo tempo, o que pode aumentar o risco de complicações dessas condições.

Se não forem tratadas, as ISTs podem levar a problemas médicos sérios. Em alguns casos, as ISTs não tratadas podem causar infertilidade, danos a órgãos como coração e rins, complicações na gravidez e câncer, entre outras condições.

Os testes para quase todas as DSTs estão disponíveis com uma visita a um profissional de saúde ou uma visita a uma clínica de saúde sexual.

Medidas preventivas reduzem o risco de transmissão de HIV e DST

Tomar medidas preventivas pode reduzir o risco de transmissão do HIV e outras DSTs. É importante:

  • Faça o teste regularmente para HIV e outras DSTs. Todos devem ser testados pelo menos uma vez na vida e, em seguida, anualmente ou mais frequentemente, se houver risco aumentado.
  • Use preservativos ou barragens dentárias durante qualquer tipo de sexo onde possam ser trocados fluidos corporais específicos – sêmen, fluido vaginal, anal, leite materno ou sangue. Isso inclui sexo anal, sexo oral, sexo vaginal e potencialmente outras atividades sexuais.
  • Use lubrificantes à base de água ou silicone para que seja menos provável que um preservativo se quebre. Não use lubrificantes que contenham óleo de bebê, loção ou vaselina, pois podem danificar os preservativos.
  • Aprenda a usar preservativos e barragens dentárias. Você pode perguntar a um profissional de saúde ou seguir este guia útil sobre preservativos.
  • Se um preservativo ou outro método de barreira quebrar ou escorregar durante o sexo, consulte um profissional de saúde. Se houver uma chance acidental de exposição ao HIV, vá em 72 horas e pergunte se a PPE é uma opção.
  • Seja aberto com os profissionais de saúde sobre a história e práticas sexuais. Eles podem discutir formas realistas de reduzir o risco de DSTs, incluindo opções como PrEP, a vacina contra o HPV e as vacinas contra hepatite A e B.

Muitas pessoas se perguntam com que frequência precisam fazer o teste de HIV e outras DSTs. Isso depende de muitos fatores, incluindo práticas sexuais individuais. É importante que todos encontrem um profissional de saúde que os ajude a se sentir à vontade para falar sobre saúde sexual.

Por exemplo, às vezes as pessoas não usam preservativos ou outras barreiras durante o sexo com novos parceiros que não foram testados recentemente. Nesses casos, um profissional de saúde pode sugerir testes mais frequentes para HIV e outras DSTs.

Para algumas pessoas, fazer o teste a cada 3 meses pode ser a melhor abordagem. Para outros, testes anuais ou menos frequentes podem ser suficientes.

O takeaway

É possível tomar medidas que ajudam a impedir que o HIV e outras DST sejam transmitidas. O uso consistente de preservativos e barragens dentárias pode reduzir o risco de transmissão.

Também é importante fazer o teste para HIV e outras DSTs. Um profissional de saúde pode fornecer conselhos individualizados sobre a frequência com que faz sentido fazer o teste. É melhor fazer o teste antes e depois de cada novo parceiro sexual.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format