‘Simplesmente a melhor’: Cantora Tina Turner morre aos 83 anos


0

A cantora de What’s Love Got to Do with It, que ganhou oito prêmios Grammy, morreu na Suíça após uma longa doença.

Cantora Tina Turner na noite de encerramento de sua turnê Twenty Four Seven na arena Arrowhead Pond em Anaheim, Califórnia, 6 de dezembro de 2000 [Rose Prouser/Reuters]

Tina Turner, a cantora americana que deixou uma comunidade agrícola e um relacionamento abusivo para se tornar uma das maiores cantoras de todos os tempos, morreu aos 83 anos.

Ela morreu pacificamente na quarta-feira após uma longa doença em sua casa em Kusnacht, perto de Zurique, na Suíça, disse seu representante.

Turner começou sua carreira na década de 1950, durante os primeiros anos do rock and roll e evoluiu para um fenômeno da MTV.

Interactive_TinaTurner_Obit_May25_2023
(Al Jazeera)

No vídeo de sua música no topo das paradas, What’s Love Got to Do with It, no qual ela chamou o amor de “emoção de segunda mão”, Turner sintetizou o estilo dos anos 1980 enquanto desfilava pelas ruas da cidade de Nova York com seu cabelo loiro espetado, usando uma jaqueta jeans curta, minissaia e salto agulha.

Com seu gosto pela experimentação musical e baladas contundentes, Turner combinava perfeitamente com uma paisagem pop dos anos 1980, na qual os fãs de música valorizavam sons produzidos eletronicamente e desprezavam o idealismo da era hippie.

Apelidada de “Rainha do Rock ‘n’ Roll”, Turner ganhou seis de seus oito prêmios Grammy na década de 1980.

Nina Turner
Tina Turner e Mick Jagger no Hall da Fama do Rock and Roll em Nova York, 18 de janeiro de 1989 [Stringer/Reuters]

A década a viu colocar uma dúzia de canções no Top 40, incluindo, Male típico, The Best, Private Dancer, e, Better Be Good to Me. Seu show de 1988 no Rio de Janeiro atraiu 180.000 pessoas, que continua sendo uma das maiores audiências de shows para qualquer artista.

Até então, Turner estava livre de seu casamento com o guitarrista Ike Turner por uma década.

A superestrela foi sincera sobre o abuso que sofreu de seu ex-marido durante sua parceria conjugal e musical nas décadas de 1960 e 1970. Ela descreveu olhos machucados, lábios quebrados, mandíbula quebrada e outros ferimentos que a levaram repetidamente ao pronto-socorro.

“A história de Tina não é de vitimização, mas de incrível triunfo”, escreveu a cantora Janet Jackson sobre Turner, em uma edição da Rolling Stone que colocou Turner em 63º lugar em uma lista dos 100 melhores artistas de todos os tempos.

“Ela se transformou em uma sensação internacional – uma potência elegante”, disse Jackson.

Em 1985, Turner deu uma virada ficcional em sua reputação de sobrevivente. Ela interpretou a líder implacável de um posto avançado em um deserto nuclear, atuando ao lado de Mel Gibson na terceira parcela da franquia Mad Max, Mad Max Beyond Thunderdome.

A maioria dos sucessos de Turner foi escrita por outros, mas ela os animou com uma voz que o crítico musical do New York Times, Jon Pareles, chamou de “um dos instrumentos mais peculiares do pop”.

“Tem três níveis, com um registro nasal baixo, um miado cortante e um registro agudo tão surpreendentemente claro que soa como um falsete”, escreveu Pareles em uma crítica de concerto de 1987.

Ela nasceu Anna Mae Bullock em 26 de novembro de 1939, na comunidade rural de Nutbush, no Tennessee, que ela descreveu em sua canção de 1973, Nutbush City Limits, como uma “pequena comunidade tranquila, uma cidade de um cavalo”.

Seu pai trabalhava como feitor em uma fazenda e sua mãe deixou a família quando a cantora tinha 11 anos, de acordo com o livro de memórias de 2018 da cantora, My Love Story. Quando adolescente, ela se mudou para St Louis para se juntar à mãe.

Tina Turner
Tina Turner em show em Colônia, Alemanha, em 14 de janeiro de 2009 [Hermann J Knippertz/AP Photo]

Ike Turner, cuja música de 1951, Rocket 88, costuma ser considerada o primeiro disco de rock and roll, a descobriu aos 17 anos, quando ela pegou o microfone para cantar em seu show em St Louis.

O líder da banda mais tarde gravou um hit, A Fool In Love, com sua protegida e deu a ela o nome artístico de Tina Turner, antes de os dois se casarem em Tijuana, no México.

Turner deixou seu marido Ike uma noite em 1976 em uma parada de turnê em Dallas depois que ele a espancou durante um passeio de carro e ela revidou, de acordo com suas memórias. O divórcio foi finalizado em 1978.

O Hall da Fama do Rock & Roll introduziu Ike e Tina Turner em 1991, chamando-os de “uma das apresentações ao vivo mais formidáveis ​​da história”. Ike Turner morreu em 2007.

Depois de deixar o marido, Turner passou anos lutando para recuperar os holofotes, lançando álbuns solo e singles que fracassaram e se apresentando em conferências corporativas.

Em 1980, ela conheceu seu novo empresário, Roger Davies – um executivo musical australiano que a administrou por três décadas. Isso a levou a um solo número 1 – O que o amor tem a ver com isso – e, em 1984, seu álbum, Private Dancer, a colocou no topo das paradas.

Private Dancer tornou-se o maior álbum de Turner, a pedra angular de uma carreira que a levou a vender mais de 200 milhões de discos no total.

Em 1985, Turner conheceu o executivo musical alemão Erwin Bach, que se tornou seu parceiro de longa data e, em 1988, ela se mudou para Londres, iniciando uma residência de décadas na Europa. Ela lançou dois álbuns de estúdio na década de 1990 que venderam bem, especialmente na Europa, gravou a música tema do filme de James Bond de 1995, GoldenEye, e realizou uma turnê mundial de sucesso em 2008 e 2009.

Depois disso, ela se aposentou do show business. Ela se casou com Bach, renunciando à cidadania americana e tornando-se cidadã suíça.

Ela lutou contra vários problemas de saúde após se aposentar e, em 2018, enfrentou uma tragédia familiar, quando seu filho mais velho, Craig, tirou a própria vida aos 59 anos em Los Angeles. Seu filho mais novo, Ronnie, morreu em dezembro de 2022.

Ela deixa Bach e dois filhos de Ike que ela adotou.

Fãs, celebridades e políticos prestaram homenagem ao falecido cantor na quarta-feira. “Ela era simplesmente a melhor”, escreveu a congressista americana Jennifer McClellan no Twitter.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, chamou a morte de Turner de “notícia incrivelmente triste” e uma “perda enorme” para os fãs e para a indústria da música. “A música dela viverá, continuará a viver”, disse ela.

O presidente dos EUA, Joe Biden, também pesou para lembrar o ícone da música.

“Além de ser um talento único em uma geração que mudou a música americana para sempre, a força pessoal de Tina era notável”, disse ele em um comunicado da Casa Branca. “Superando adversidades e até abusos, ela construiu uma carreira para sempre e uma vida e um legado inteiramente dela.”

O cantor canadense Bryan Adams também elogiou Turner. “Serei eternamente grato pelo tempo que passamos juntos em turnê, no estúdio e como amigos. Obrigado por ser a inspiração para milhões de pessoas em todo o mundo por falar a sua verdade e nos dar o dom da sua voz”, escreveu ele em um post nas redes sociais.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *