Rússia e Ucrânia intensificam alerta militar com exercícios de combate


0

O aumento da atividade militar segue semanas de tensão crescente que aumentaram o risco de guerra.

Um caça a jato da Força Aérea Ucraniana decola durante um exercício na região de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, em 23 de novembro de 2021 [Air Force Command of Ukrainian Armed Forces/Handout via Reuters]

A Rússia realizou simulações militares no Mar Negro, ao sul da Ucrânia, e disse que precisava melhorar a prontidão de combate de suas forças convencionais e nucleares devido ao aumento da atividade da Otan perto de suas fronteiras.

A Ucrânia, que com seu aliado, os Estados Unidos, disse acreditar que a Rússia pode estar preparando uma invasão, encenou exercícios próprios perto da fronteira com a Bielo-Rússia.

O aumento da atividade militar em ambos os lados segue semanas de tensão crescente que aumentaram o risco de guerra entre os dois vizinhos, embora a Rússia negue intenções agressivas e fontes de inteligência ocidentais tenham dito à agência de notícias Reuters que não consideram nenhuma invasão iminente.

Os EUA e a OTAN sinalizaram seu apoio à Ucrânia de maneiras que Moscou considera provocativas, incluindo por meio de manobras de navios de guerra neste mês no Mar Negro e a entrega de barcos de patrulha dos EUA à marinha ucraniana.

A secretária de Relações Exteriores britânica, Liz Truss, disse à Reuters na quarta-feira que seria “um grave erro da Rússia” atacar a Ucrânia.

Os caças e navios russos praticaram repelir ataques aéreos a bases navais e responder com ataques aéreos durante exercícios militares na quarta-feira no Mar Negro, informou a agência de notícias Interfax.

Separadamente, a agência de notícias citou o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, dizendo que a necessidade de a Rússia desenvolver ainda mais suas forças armadas foi ditada “pelas complicadas condições militares e políticas no mundo e pela crescente atividade dos países da OTAN próximos às fronteiras da Rússia”.

Ele disse que aumentar as capacidades das forças armadas, apoiar a prontidão de combate das forças nucleares e fortalecer o potencial de dissuasão não nuclear estão entre as prioridades.

Na terça-feira, Shoigu reclamou que os bombardeiros americanos ensaiaram um ataque nuclear contra a Rússia de duas direções diferentes no início deste mês e reclamaram que os aviões haviam chegado muito perto da fronteira russa, simulações que o Pentágono disse ter aderido aos protocolos internacionais.

‘Operação especial’ ucraniana

A Ucrânia realizou na quarta-feira o que chamou de “operação especial” na fronteira com a Bielo-Rússia, incluindo exercícios de drones e exercícios militares para unidades antitanque e aerotransportadas.

O país enviou 8.500 soldados extras para sua fronteira com a Bielo-Rússia, dizendo que teme ser arrastado para a crise migratória, que viu a União Europeia acusar Minsk de transportar pessoas do Oriente Médio e empurrá-las para entrar na vizinha Polônia. Bielo-Rússia nega fomentar a crise.

Kiev também teme que a fronteira com a Bielo-Rússia, um aliado russo próximo, possa ser usada pela Rússia para encenar um ataque militar.

O chefe da inteligência militar da Ucrânia disse ao jornal Military Times neste fim de semana que a Rússia tinha mais de 92.000 soldados concentrados ao redor das fronteiras da Ucrânia e se preparava para um ataque no final de janeiro ou início de fevereiro.

Moscou rejeitou tais sugestões como inflamadas, disse que não estava ameaçando ninguém e defendeu seu direito de posicionar suas tropas como deseja.

Fontes de inteligência, diplomatas e analistas dizem que Moscou pode estar usando a escalada da tensão com a Ucrânia como parte de uma estratégia mais ampla para exercer pressão na Europa, inclusive apoiando a Bielo-Rússia na crise migratória e usando sua influência como principal fornecedor de gás do continente para pressionar por aprovação regulatória rápida de seu novo gasoduto Nord Stream 2 para a Alemanha.

“Parece … mais como mais uma peça de influência coercitiva que os russos estão acumulando nesta situação estratégica na Europa Oriental”, disse Samir Puri, um pesquisador sênior em guerra híbrida no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

“Pode muito bem ter valor apenas nisso, em vez de ter que ser seguido por uma invasão em grande escala, o que seria politicamente desastroso para Putin.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format