Rússia anuncia isenções da mobilização de guerra na Ucrânia


0

Trabalhadores de TI, banqueiros e jornalistas estão entre os profissionais a serem excluídos do projeto, diz o Ministério da Defesa.

Putin está procurando recrutar 300.000 soldados adicionais para reforçar as forças armadas da Rússia na Ucrânia [File: Alexander Ermochenko/Reuters]

A Rússia disse que está isentando alguns banqueiros, trabalhadores de TI e jornalistas de serem convocados para o exército para servir na Ucrânia sob a “mobilização parcial” anunciada pelo presidente Vladimir Putin, enquanto homens fugiam em massa pela fronteira para evitar o recrutamento.

O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse na quarta-feira que a Rússia buscaria convocar 300.000 soldados adicionais para reforçar suas forças armadas na Ucrânia.

O Ministério da Defesa da Rússia anunciou na sexta-feira que alguns funcionários que trabalham em indústrias criticamente importantes seriam excluídos do projeto em uma tentativa de “garantir o trabalho de indústrias de alta tecnologia específicas, bem como o sistema financeiro da Rússia”.

As exceções se aplicam a alguns trabalhadores de TI, trabalhadores de telecomunicações, profissionais de finanças, bem como alguns funcionários de meios de comunicação de massa “sistemicamente importantes” e fornecedores interdependentes, incluindo mídia registrada e emissoras.

A Rússia classifica os principais empregadores e empresas principais em setores definidos como “sistemicamente importantes” se atingirem certos limites em termos de número de funcionários, receita ou pagamentos anuais de impostos.

A classificação permite que as empresas obtenham benefícios especiais do Kremlin, como empréstimos garantidos pelo governo, resgates e investimentos estatais, vistos mais recentemente durante a pandemia do COVID-19.

Entre os meios de comunicação anteriormente classificados como tal estão uma série de canais de TV estatais, estações de rádio, agências de notícias e jornais, bem como alguns dos poucos meios de comunicação privados da Rússia.

O Ministério da Defesa disse que os chefes das empresas devem elaborar listas de seus funcionários que atendem aos critérios e podem ser excluídos do projeto.

O banco central da Rússia saudou a medida de excluir alguns profissionais financeiros da convocação e disse que alguns de seus funcionários atendem aos critérios relevantes.

“Os funcionários que estão engajados em áreas críticas permanecerão em seus cargos para que o sistema financeiro possa continuar funcionando sem problemas, as pessoas possam receber seus salários, pensões e benefícios sociais em dia, pagamentos com cartão e transferências de trabalho e novos empréstimos possam ser emitidos”, disse o comunicado. disse o banco central em um comunicado.

Recrutamento em fuga

A ordem de mobilização de Putin seguiu semanas de especulação sobre como a Rússia responderia a um conflito que agora entra em seu oitavo mês, no qual Kyiv e o Ocidente dizem que a Rússia sofreu dezenas de milhares de baixas.

Um grupo de monitoramento independente russo, OVD-Info, informou que os homens detidos nos comícios contra a guerra em todo o estado que se seguiram ao anúncio da mobilização receberam rascunhos de documentos enquanto estavam sob custódia em pelo menos 15 departamentos de polícia de Moscou.

Um dia antes do anúncio do Kremlin, o parlamento russo aprovou um projeto de lei para endurecer a punição para aqueles que se recusam a convocar militares ou que desertam.

O projeto de lei, ainda a ser sancionado, imporá penas de prisão de cinco a 15 anos.

O tráfego para a Finlândia através de sua fronteira com a Rússia permaneceu pesado na sexta-feira.

Cerca de 7.000 pessoas cruzaram da Rússia para a Finlândia na quinta-feira, cerca de 6.000 delas russas, o que significa um aumento de 107 por cento em comparação com o mesmo dia da semana anterior, segundo guardas de fronteira que falaram à agência de notícias Reuters.

Em Vaalimaa, o ponto de passagem mais movimentado, os carros fizeram fila por até 400 metros, uma fila maior do que na quinta-feira, disse um funcionário da fronteira.

Helsinque anunciou na sexta-feira que “restringiria significativamente a entrada de cidadãos russos” nos “próximos dias” depois de ver o influxo em sua fronteira leste dobrar.

“Aqueles que cruzarem a fronteira apenas por motivos turísticos serão impedidos de entrar”, disse o ministro das Relações Exteriores Pekka Haavisto a repórteres.

Isso se aplica tanto a russos que viajam com vistos de turista emitidos pela Finlândia quanto a vistos de turista emitidos por qualquer outro país Schengen, disse Haavisto.

Como justificativa, a Finlândia cita “graves danos à sua posição internacional”, em contraste com os países bálticos que classificaram o turismo da Rússia como uma ameaça à segurança.

A Letônia também sugeriu que não fornecerá asilo ou refúgio a pessoas que fogem da Rússia.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *