Prisões após apoiadores de Bolsonaro atacarem escritórios importantes no Brasil


0

A polícia prende 300 pessoas por causa de motins ‘antidemocráticos’ de apoiadores de Bolsonaro, à medida que aumentam as dúvidas sobre falhas de segurança em Brasília.

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva do lado de fora do Congresso Nacional do Brasil em Brasília, 8 de janeiro de 2023 [Adriano Machado/ Reuters]

A polícia no Brasil prendeu centenas de pessoas e retomou o controle do Congresso, do palácio presidencial e do Supremo Tribunal do país de apoiadores rebeldes do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Em um tweet no domingo, a polícia disse que pelo menos 300 pessoas foram detidas na capital, Brasília, após a violência de milhares de apoiadores de Bolsonaro que se recusam a aceitar sua derrota eleitoral – um eco sombrio da invasão do Capitólio dos Estados Unidos dois anos atrás por partidários obstinados do ex-presidente Donald Trump.

“As investigações continuarão até que o último membro seja identificado”, prometeu a polícia.

Não houve relatos imediatos de mortos ou feridos no ataque de domingo, mas os invasores deixaram um rastro de destruição, jogando móveis pelas janelas quebradas do palácio presidencial, inundando partes do Congresso com um sistema de sprinklers e saqueando salas cerimoniais na Suprema Corte.

A revolta, que durou pouco mais de três horas, destacou a forte polarização que ainda domina o país dias após a posse do presidente esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva, que derrotou Bolsonaro por pouco nas eleições de outubro.

Em entrevista coletiva do estado de São Paulo, Lula acusou Bolsonaro de encorajar os distúrbios daqueles que ele chamou de “fanáticos fascistas” e leu um decreto recém-assinado para o governo federal assumir o controle da segurança em Brasília.

“Não há precedente para o que eles fizeram”, disse Lula.

“Todas essas pessoas que fizeram isso serão encontradas e serão punidas.”

O presidente então voou de volta a Brasília para visitar os prédios saqueados e supervisionar a resposta, informou a TV Globo do Brasil.

O direitista Bolsonaro, que ainda não admitiu a derrota e que voou para o estado americano da Flórida dias antes do final de seu mandato, ficou em silêncio por quase seis horas sobre o caos em Brasília. Após as acusações de Lula, ele postou um tweet denunciando “pilhagens e invasões de prédios públicos” e disse que rejeitou as acusações do presidente.

As invasões também foram condenadas por líderes de todo o mundo.

O presidente dos EUA, Joe Biden, chamou os eventos de “ataque à democracia e à transferência pacífica de poder”, acrescentando que as instituições democráticas do Brasil têm o total apoio de Washington.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, twittou sua “condenação absoluta”, e o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu respeito às instituições brasileiras e enviou a Lula “apoio inabalável da França”.

Vários líderes latino-americanos se pronunciaram, com o presidente chileno Gabriel Boric denunciando um “ataque covarde e vil à democracia” e o mexicano Andrés Manuel Lopez Obrador chamando-o de “tentativa de golpe repreensível”.

Enquanto isso, vários legisladores democratas nos EUA disseram que Washington não poderia mais conceder “refúgio” a Bolsonaro no país.

“Devemos nos solidarizar com [Lula’s] governo democraticamente eleito”, tuitou a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. “Os EUA devem parar de conceder refúgio a Bolsonaro na Flórida.”

Lapsos de segurança

Monica Yanakiew, da Al Jazeera, reportando do Rio de Janeiro, no Brasil, disse que havia dúvidas sobre como as forças de segurança pública em Brasília estavam tão despreparadas e facilmente subjugadas pelos manifestantes.

“Os apoiadores de Bolsonaro têm organizado esses ataques em seus canais do Telegram e, na última semana, ônibus com centenas de pessoas chegaram a Brasília. Então foi uma surpresa que as forças de segurança em Brasília demoraram tanto para agir, e isso colocou algumas dúvidas sobre sua lealdade porque a polícia militar e as forças armadas, em geral, têm sido firmes defensoras de Bolsonaro”, disse ela.

Em entrevista coletiva, Lula disse que houve “incompetência ou má-fé” da polícia brasileira e prometeu que esses policiais seriam punidos e expulsos da corporação.

Yanakiev observou que vídeos anteriores nas redes sociais mostraram uma presença limitada da polícia militar da capital, com um deles mostrando policiais parados enquanto as pessoas inundavam o Congresso, e outro usando seu telefone para gravar imagens.

“O principal objetivo de Lula agora é impedir qualquer tentativa de golpe e outras situações como essa”, disse ela.

“Devemos lembrar que embora poucas pessoas tenham entrado nesses três prédios e destruído janelas e móveis, Bolsonaro tem muitos apoiadores em todo o Brasil, que acreditam que as eleições foram fraudadas, que acreditam que o STF é tendencioso, que acreditam que o Congresso vão negociar com o governo e que acreditam que estão certos em impedir Lula de governar.”

Enquanto isso, analistas no Brasil pediram uma investigação sobre o papel de Bolsonaro na violência.

“Com certeza foi uma tentativa de golpe por parte dos apoiadores mais radicais de Bolsonaro”, disse Vinicius Vieira, professor associado de economia e relações internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado.

“E isso é algo que o Bolsonaro enquanto esteve no poder estimulou, principalmente contra o STF. Porque o STF sempre tentou fazer cumprir as regras constitucionais contra as posições de extrema-direita de Bolsonaro”, disse ele à Al Jazeera.

“Então isso foi totalmente articulado se não pelo próprio Bolsonaro, com certeza é um resultado, uma consequência de sua má conduta como presidente que realmente não seguiu as regras constitucionais”, disse.

Em Brasília, o governador Ibaneis Rocha, um aliado de longa data de Bolsonaro que enfrenta duras questões sobre os lapsos de segurança de domingo, disse que demitiu seu chefe de polícia, Anderson Torres.

O site UOL disse que Torres, que já foi ministro da Justiça de Bolsonaro, está atualmente em Orlando, na Flórida, onde o ex-presidente está hospedado. Mas Torres disse ao site que não teve uma reunião com Bolsonaro.

O gabinete do procurador-geral disse que pediu ao Supremo Tribunal para emitir mandados de prisão para Torres “e todos os outros funcionários públicos responsáveis ​​por atos e omissões” que levaram à agitação. Também pediu ao tribunal superior que autorizasse o uso de “todas as forças de segurança pública” para retomar prédios federais e dispersar protestos antigovernamentais em todo o país.

A desembargadora Rosa Weber garantiu entretanto que os “terroristas que participaram nestes actos serão devidamente julgados e punidos exemplarmente”.

Os chefes de ambas as casas do Congresso também condenaram publicamente os ataques com o presidente da Câmara, Arthur Lira, dizendo que o parlamento brasileiro “nunca dará espaço para turbulência, destruição e vandalismo”.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também disse que “repudia veementemente esses atos antidemocráticos, que devem enfrentar urgentemente o rigor da lei”.

Um sindicato de jornalistas disse que pelo menos cinco repórteres foram atacados, incluindo um fotógrafo da agência de notícias AFP que foi espancado por manifestantes e teve seu equipamento roubado.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *