Príncipe Harry revela que matou 25 pessoas no Afeganistão: mídia britânica


0

O príncipe Harry admitiu ter matado 25 pessoas durante o serviço militar, confessando que não tem orgulho nem vergonha disso.

O Príncipe Harry do Reino Unido serviu no Afeganistão primeiro como controlador aéreo avançado em ataques aéreos de 2007-2008, depois pilotando o helicóptero de ataque entre 2012-2013 [File: John Stillwell/Pool/Reuters]

O príncipe Harry reconheceu ter matado 25 pessoas no Afeganistão durante seu tempo como piloto de helicóptero Apache, de acordo com a mídia do Reino Unido, citando uma autobiografia a ser publicada em breve.

Harry, o duque de Sussex, serviu no Afeganistão primeiro como controlador aéreo avançado em ataques aéreos de 2007 a 2008, depois pilotando o helicóptero de ataque entre 2012 e 2013.

O piloto de 38 anos deve lançar um livro, Spare, na próxima semana, no qual revela que realizou seis missões como piloto que o levaram a “tirar vidas humanas”, informou o Daily Telegraph.

Harry disse que não estava nem orgulhoso nem envergonhado de fazê-lo. Ele também descreveu a eliminação dos alvos como a remoção de “peças de xadrez” de um tabuleiro.

“Meu número é 25. Não é um número que me enche de satisfação, mas também não me envergonha”, escreveu.

Câmeras de vídeo montadas no nariz de seu helicóptero Apache permitiram que ele avaliasse suas missões – e determinasse com certeza quantos ele havia matado.

O príncipe Harry da Grã-Bretanha ao lado de seu helicóptero Apache em Camp Bastion, sul do Afeganistão nesta fotografia tirada em 31 de outubro de 2012 e divulgada em 21 de janeiro de 2013. O príncipe, que está servindo como piloto/artilheiro no 662 Squadron Army Air Corps, está em uma postagem no Afeganistão que vai de setembro de 2012 a janeiro de 2013. Fotografia tirada em 31 de outubro de 2012. Fotografia pixelizada na fonte.  REUTERS/John Stillwell/Pool (AFEGANISTÃO - Marcas: CONFLITO DA SOCIEDADE POLÍTICA MILITAR)
Príncipe Harry do Reino Unido ao lado de seu helicóptero Apache em Camp Bastion, sul do Afeganistão nesta fotografia tirada em 31 de outubro de 2012 [John Stillwell/Pool/Reuters]

O príncipe explicou a justificativa de suas ações por causa dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos e o encontro com as famílias das vítimas.

Ele disse que os responsáveis ​​e seus simpatizantes eram “inimigos da humanidade” e combatê-los era um ato de vingança por um crime contra a humanidade.

As forças estrangeiras lideradas pelos EUA se retiraram do Afeganistão em agosto de 2021, após 20 anos de ocupação militar que deixou dezenas de milhares de mortos, a maioria civis.

No já polêmico livro a ser publicado em 10 de janeiro, Harry falou pela primeira vez sobre o número de combatentes do Talibã que matou durante seu serviço.

O príncipe também alegou que seu irmão mais velho e herdeiro do trono, o príncipe William, o derrubou no chão durante uma discussão em 2019 sobre a esposa de Harry, Meghan, de acordo com o Guardian, que obteve uma cópia das memórias de Harry.

Harry também revelou que os irmãos, filhos do rei Charles, imploraram ao pai para não se casar com sua segunda esposa Camilla, agora rainha consorte, e que ele havia usado cocaína na adolescência.

Ele serviu no exército britânico por 10 anos, chegando ao posto de capitão, e descreveu seu tempo no exército como seus anos de formação.

Houve preocupações de segurança por causa do serviço militar de Harry, que provavelmente aumentará depois que ele revelar o número de pessoas que matou durante esse período.

O Telegraph citou trechos da versão em espanhol da autobiografia que obteve depois que o livro foi colocado à venda por engano nas livrarias na quinta-feira antes de ser retirado.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *