Presidente iraquiano ameaça desistir em desafio aos aliados do Irã no parlamento


0

BAGDÁ [Reuters] – O presidente iraquiano Barham Salih se recusou na quinta-feira a designar o candidato de um bloco parlamentar apoiado pelo Irã para primeiro-ministro, dizendo que prefere renunciar a nomear alguém para a posição que seria rejeitada pelos manifestantes.

Um manifestante iraquiano tira uma foto de um pôster de Asaad al-Edani, governador de Basra e candidato ao primeiro ministro durante protestos em andamento contra o governo em Bagdá, Iraque, 26 de dezembro de 2019. REUTERS / Khalid al-Mousily

O bloco Bina, liderado pelo líder da milícia Hadi al-Amiri, apoiado pelo Irã, havia indicado o governador de Basra, Asaad al-Edani, para ser o próximo primeiro-ministro após semanas de impasse político.

Mas Salih disse em comunicado que a indicação de Edani não acalmará os manifestantes exigindo um primeiro ministro independente sem filiação partidária ou ajudará a acalmar a agitação que abalou o país.

Ele disse que, como a constituição não lhe dá o direito de rejeitar candidatos à presidência, ele estava pronto para sair.

"Por meu desejo de parar o sangue e manter a paz, e com o devido respeito a Asaad al-Edani, eu me recuso a indicá-lo", disse Salih. "Portanto, coloco minha disposição em renunciar ao cargo de presidente dos membros do parlamento para que eles decidam como representantes do povo o que acharem melhor."

A renúncia de Salih pode apenas complicar o impasse, pois os legisladores devem primeiro escolher um substituto para ele, e essa pessoa deve então nomear um primeiro-ministro. Segundo a constituição, o presidente do parlamento retomará a presidência em caráter provisório.

Os protestos em massa dominaram o Iraque desde 1º de outubro e a maioria dos jovens manifestantes está exigindo uma revisão de um sistema que consideram profundamente corrupto e que mantém a maioria dos iraquianos em situação de pobreza. Mais de 450 pessoas foram mortas.

O primeiro-ministro Adel Abdul Mahdi renunciou no mês passado, enquanto os protestos continuavam, mas permaneceu no cargo em capacidade de guarda.

Fontes no escritório de Salih disseram que o presidente deixou Bagdá na quinta-feira para sua cidade natal, Sulaimaniya, na região semi-autônoma do Curdistão no Iraque e que ele faria um discurso televisionado mais tarde.

As disputas entre partidos políticos que se apegam ao poder alimentaram a crise e ameaçam causar mais distúrbios, à medida que os manifestantes perdem a paciência com o impasse.

Dois blocos políticos – Bina, apoiada pelo Irã, e Islah, liderada pelo clérigo populista Moqtada al-Sadr – estão intimamente envolvidos em acordos de bastidores para concordar com um candidato.

UMA ROCHA E UM LUGAR DURO

Qualquer acordo sobre questões políticas espinhosas parece improvável. Os protestos abalaram o país com dois anos de relativa calma após a derrota dos insurgentes do Estado Islâmico.

"O presidente se viu entre a rocha dos partidos pró-Irã e o lugar difícil do povo, mas ele escolheu ficar do lado dos manifestantes", disse o analista político Ahmed Younis.

“Ao dizer que está pronto para renunciar, está respondendo à pressão do Irã e de seus aliados, dizendo que prefere sair do que ser um bode expiatório. Ele puxou o tapete debaixo dos partidos pró-Irã e escolheu ficar com os manifestantes. ”

O Parlamento aprovou uma nova lei eleitoral na terça-feira, uma exigência importante dos manifestantes que visam tornar as eleições mais justas, mas o impasse político ameaça mais agitação.

Os manifestantes também estão exigindo um primeiro-ministro independente, sem filiação partidária e a remoção de uma elite governante vista como enriquecendo-se do Estado e servindo potências estrangeiras – sobretudo o Irã -, enquanto muitos iraquianos estão na pobreza sem emprego, saúde ou educação.

DERELICAÇÃO DO DIREITO

Desde que Saddam Hussein foi derrubado em 2003, o poder foi compartilhado ao longo de linhas etno-sectárias entre os partidos das três maiores comunidades do Iraque.

O cargo mais poderoso, o de primeiro-ministro, é ocupado por um árabe xiita, o presidente do parlamento por um árabe sunita e a presidência por um curdo.

Facções pró-Irã viram Salih se esquivando de seus deveres e os legisladores de Bina disseram que isso era motivo de impeachment.

"Existem pressões americanas sobre o presidente Barham Salih para impedi-lo de nomear o nomeado majoritário Edani", disse o legislador Bina Hamid al-Moussawi.

"O presidente que ameaça renunciar é um abandono de seu dever constitucional e um passo perigoso … Barham admitiu que estava violando a constituição, o que nos dá o direito de responsabilizá-lo no parlamento e demiti-lo".

Manifestantes iraquianos se reúnem na Praça Tahrir durante protestos contra o governo em Bagdá, Iraque, 26 de dezembro de 2019. REUTERS / Khalid al-Mousily

Os Estados Unidos e o Irã – eles são adversários de longa data – são os dois principais aliados do Iraque. Os manifestantes dizem que a elite política é leal às potências estrangeiras, principalmente Teerã e Washington, acima dos interesses dos iraquianos comuns.

Os legisladores do partido de Sadr, que se apresenta como nacionalista, saudaram a decisão de Salih e prometeram apoiá-lo.

“Somos contra qualquer pressão sobre o presidente e estamos ao lado dele. Não aceitaremos sua demissão ”, disse o legislador sadrista Sabah al-Uqaili.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *