Por que os diagnósticos de HIV entre homens que fazem sexo com homens ainda estão aumentando?


0

À primeira vista, as últimas estatísticas globais sobre o HIV são animadoras. Segundo o UNAIDS, mais de Atualmente, 21 milhões de pessoas estão recebendo terapia anti-retroviral para o HIV, o tratamento mais eficaz disponível. E o número de mortes relacionadas à AIDS é agora menos de um milhão por ano – o menor desde o início do século XXI.

Além disso, muitos países ao redor do mundo se comprometeram a atingir as metas “90-90-90” até 2020. Isso significa estabelecer a meta de 90% das pessoas soropositivas conhecerem seu status, 90% das pessoas que conhecem seu status a receber tratamento e 90% das pessoas que recebem tratamento apresentam carga viral indetectável.

Mas, apesar desses desenvolvimentos promissores, a taxa de novos diagnósticos de HIV ainda está aumentando entre certas populações. Isso é particularmente verdadeiro para homens que fazem sexo com homens (HSH), cujo risco de contrair o HIV é surpreendentemente 27 vezes maior do que em outros dados demográficos.

É importante perguntar por que os HSH ainda enfrentam um risco muito maior de diagnóstico de HIV, em comparação com outros grupos. Por que, após tanto tempo e progresso, esse ainda é o caso? E, ainda mais importante, o que pode ser feito para proteger os homens mais em risco?

Estatísticas regionais

Embora o risco de infecção pelo HIV seja maior para HSH em todo o mundo, a taxa de novos casos varia de acordo com a região. O UNAIDS reuniu dados e divulgou uma análise global aproximada dos novos diagnósticos de HIV para 2017. De acordo com esta pesquisa, novos casos de HIV entre HSH representam sobre:

  • 57% de todos os novos casos na América do Norte, Europa Central e Europa Ocidental
  • 41% de todos os novos casos na América Latina
  • 25% de todos os novos casos na Ásia, Pacífico e Caribe
  • 20% de todos os novos casos na Europa Oriental, Ásia Central, Oriente Médio e Norte da África
  • 12% de todos os novos casos na África Ocidental e Central

Embora exista alguma variação regional, essa não é uma tendência isolada. Na maioria das partes do mundo, os HSH enfrentam maior risco de diagnóstico de HIV em comparação com outros grupos.

Desafios regionais e universais

Certas regiões do mundo têm seus próprios obstáculos quando se trata de impedir novas transmissões de HIV.

Por exemplo, em muitos países – e especialmente na África e no Oriente Médio – o sexo entre homens é criminalizado. Isso leva os HSH a ocultar suas práticas sexuais e a evitar procurar aconselhamento médico sobre o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis. Também pode tornar mais difícil para os profissionais de saúde e grupos de defesa oferecer informações sobre saúde sexual aos HSH sobre como eles podem reduzir o risco de transmissão do HIV.

Em todo o mundo – mesmo em países onde práticas, relacionamentos e casamentos entre pessoas do mesmo sexo são legais – persistem discriminação e homofobia. Em vários graus, isso pode afetar a capacidade e a vontade de HSH de acessar serviços e informações de saúde de alta qualidade. O estigma que pode acompanhar um diagnóstico de HIV também tem impacto.

A disponibilidade do teste de HIV varia em todo o mundo. Além disso, se os HSH temem o julgamento potencial dos profissionais de saúde, é menos provável que eles sejam testados.

Quando as pessoas não são testadas para o HIV, não conseguem descobrir se têm o vírus. Por sua vez, eles não terão acesso ao tratamento e à terapia anti-retroviral. Eles também são mais propensos a transmitir o vírus para outras pessoas.

Com base nos dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), cerca de 1 em 6 HSH nos Estados Unidos que têm HIV não sabem que estão vivendo com o vírus. Em alguns países, a situação é pior. Por exemplo, no Quênia, Malawi e África do Sul, cerca de um em cada três HSH com HIV não sabem que o têm.

Certos fatores biológicos também podem colocar os HSH em maior risco de HIV. A maioria dos HSH contrai o vírus por fazer sexo anal sem camisinha. O sexo anal sem preservativo tem um risco maior de transmissão do HIV do que algumas outras práticas sexuais, como sexo oral.

Os preservativos ajudam a prevenir a transmissão do HIV, mas as taxas de uso de preservativos entre HSH variam em todo o mundo. A falta de educação sexual, falta de acesso a preservativos e normas culturais em torno dos preservativos são questões-chave que afetam as taxas de uso. Nos países onde o uso de preservativo é baixo, os HSH correm maior risco de contatar outras doenças sexualmente transmissíveis, incluindo sífilis, gonorréia e clamídia – além do HIV.

Os tratamentos anti-retrovirais também reduzem significativamente o risco de transmissão do HIV. Estes incluem medicamentos de profilaxia pré-exposição (PrEP) e profilaxia pós-exposição (PEP). Mesmo com a exposição ao vírus, como o sexo sem preservativo, a PrEP e a PEP são altamente eficazes na prevenção da transmissão. Mas em todo o mundo, as pessoas com maior risco de contrair o HIV podem ter dificuldade em obter esses medicamentos, seja por falta de acesso ou falta de informação.

Soluções acionáveis

Superar esses desafios pode parecer assustador, mas é possível. Em todo o mundo, crescem as evidências de que certas abordagens podem fazer uma enorme diferença quando se trata de reduzir a taxa de novos diagnósticos de HIV.

Um dos passos mais importantes para reduzir novos casos em HSH é que os países ofereçam terapias anti-retrovirais como a PrEP em larga escala. Programas amplos de PrEP estão em andamento em vários países, incluindo Austrália, Brasil, Quênia, África do Sul, Estados Unidos e Zimbábue.

Até agora, os resultados têm sido promissores. Por exemplo, em uma região da Austrália, a rápida introdução da PrEP estava ligada a um declínio de 35% nos novos diagnósticos de HIV. Quando o PReP é amplamente divulgado, campanhas publicitárias e iniciativas locais são fundamentais para educar o público sobre a disponibilidade e eficácia do medicamento.

Uma mudança em direção aos cuidados comunitários é outra estratégia importante para reduzir novos casos de HIV. Programas de extensão com equipes de profissionais de saúde da comunidade podem aumentar a probabilidade de as pessoas com HIV seguirem seu plano de tratamento.

A tecnologia também oferece novas soluções. Na China, um aplicativo de namoro por smartphone chamado Blued desenvolveu um sistema para conectar seus 40 milhões de usuários ao site de testes de HIV mais próximo. Isso facilita para as pessoas marcarem um compromisso. Dados de 2016 sugerem que as clínicas promovidas no aplicativo tiveram um aumento de 78% no número de pessoas testadas.

A descriminalização de práticas e relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, além de abordar o estigma e a discriminação, faz uma grande diferença. O UNAIDS observa que isso encoraja as pessoas com HIV a se matricularem em programas de assistência médica e a seguir um plano de tratamento.

Por fim, o UNAIDS relata que é crucial que os governos ofereçam assistência médica acessível e eliminem as taxas de uso dos serviços de saúde. Isso não apenas torna a terapia anti-retroviral mais acessível, mas também reduz os encargos financeiros associados ao HIV.

O ponto principal: olhando para o quadro geral

A taxa de novas infecções por HIV entre homens que fazem sexo com homens aumentou em todo o mundo, mas o objetivo de atingir as metas de 90 a 90 a 90 até 2020 não é esquecido. Para chegar lá – ou pelo menos para se aproximar – é essencial a colaboração entre comunidades individuais e sistemas nacionais de saúde. O teste de HIV e a terapia antirretroviral precisam estar acessíveis às pessoas com maior risco do vírus.

Líderes políticos, comunitários e empresariais de todo o mundo precisam avançar e trabalhar em direção aos investimentos financeiros e às mudanças políticas necessárias para garantir que o progresso aconteça. Para acabar com a ameaça de HIV e AIDS para HSH e todas as pessoas, precisamos nos unir – não apenas localmente, mas também em nível global.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win
Felipe Gonçalves

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format