Pergunte ao especialista: Gerenciando os efeitos colaterais da quimioterapia


0

1. Quais são os efeitos colaterais mais comuns da quimioterapia?

Os efeitos colaterais da quimioterapia variam de acordo com os medicamentos específicos usados. Diferentes indivíduos podem responder de maneira diferente ao mesmo tratamento.

Algumas pessoas podem sentir todos os efeitos colaterais conhecidos de um determinado tratamento de quimioterapia, enquanto outras podem sentir apenas alguns. Os efeitos colaterais também podem variar em gravidade em diferentes indivíduos.

Quer sejam leves ou graves, a maioria dos efeitos colaterais pode ser tratada com medicamentos. O seu médico ou enfermeiro será o melhor recurso para obter informações sobre os efeitos colaterais específicos relacionados ao seu tratamento.

Lembre-se de que a quimioterapia funciona de forma sistêmica. A quimioterapia visa danificar as células em divisão, mas o medicamento não consegue diferenciar as células normais das células cancerosas. É por isso que a consequência não intencional da quimioterapia é o dano às células saudáveis ​​- e os efeitos colaterais que vêm junto com isso.

A maioria dos efeitos colaterais da quimioterapia é reversível e de curto prazo. Os tecidos normais podem se reparar e corrigir a maioria dos danos. A tabela abaixo fornece um resumo geral dos efeitos colaterais mais comuns da quimioterapia.

Tipo de efeito colateral ou localização Sintoma (s)
cabelo, pele e unhas – queda de cabelo da cabeça e do corpo
– sensibilidade e secura da pele
– unhas quebradiças
contagem baixa de glóbulos vermelhos ou anemia – sem fôlego e parecendo pálido
– cansaço e fraqueza
– fadiga
– energia baixa
abdominal, sistema gastrointestinal, corpo inteiro – náusea
– vômito
– diarreia
cérebro / mente – mudanças na memória, concentração e na maneira como você pensa
– também chamado de “cérebro quimio” ou “névoa quimio”
queda nas células sanguíneas ou baixa contagem de plaquetas – hematomas facilmente
– sangramento nasal ou sangramento nas gengivas ao escovar os dentes
nervos – dormência ou formigamento nas mãos e pés
contagem baixa de glóbulos brancos na medula óssea – aumento do risco de infecções
úlceras e feridas na boca – perda de apetite
– mudanças no gosto

2. Quanto tempo devo esperar para começar a notar os efeitos colaterais depois de iniciar a quimioterapia?

Depende do seu regime de quimioterapia específico. Por exemplo, os efeitos colaterais podem variar de acordo com o tipo de medicamento e a dose do seu tratamento.

Para algumas pessoas, a náusea é o primeiro efeito colateral que experimentam. A náusea pode ser notada alguns dias após a primeira dose de quimioterapia.

Leva tempo para a quimioterapia percorrer seu corpo. Células saudáveis ​​e normais se dividem e crescem em uma programação. Isso significa que os efeitos colaterais mais óbvios, como queda de cabelo, só podem ser notados após vários ciclos de quimioterapia.

Embora os efeitos colaterais da quimioterapia sejam geralmente esperados, nem todas as pessoas se sentirão mal. Se você perceberá efeitos colaterais, depende de como seu corpo reage à medicação. O seu médico ou enfermeiro é a melhor pessoa para fazer perguntas sobre quando e por quanto tempo os efeitos colaterais do seu tratamento podem durar.

3. Quais são as opções de tratamento para controlar as náuseas da quimioterapia?

A náusea da quimioterapia, em geral, é uma sensação de enjôo. Isso geralmente pode ser controlado com medicamentos anti-náuseas, também conhecidos como antieméticos.

Os antieméticos são concebidos para serem tomados durante um curso de quimioterapia e continuados regularmente, mesmo depois de os sintomas terem desaparecido. O medicamento é muito melhor na prevenção de doenças do que interrompê-lo depois de iniciado.

Em alguns casos, um medicamento destinado a tratar um efeito colateral pode, na verdade, causar efeitos colaterais próprios. Freqüentemente, são leves e temporários.

Se você estiver interessado em maneiras alternativas de controlar a náusea, fora dos medicamentos prescritos, existem algumas opções:

  • Tente fazer uma pequena refeição algumas horas antes da quimioterapia, mas não imediatamente antes.
  • Converse com seu médico ou enfermeiro sobre as opções de bebidas com alto teor calórico para ajudar a lidar com as náuseas.
  • Evite alimentos com alto teor de gordura ou com cheiro forte.
  • Beba líquidos suficientes para evitar a desidratação.
  • Para algumas pessoas, beber líquidos com gás ajuda a aliviar a náusea.

Não tente nenhum produto à base de ervas ou outros produtos alternativos para controlar a náusea sem avisar o seu médico primeiro. Também é uma boa ideia evitar seus alimentos favoritos durante o tratamento de quimioterapia, para não desenvolver más associações. Isso é especialmente importante para as crianças.

4. Como a quimioterapia afeta meu sistema imunológico? Existem medidas que posso tomar para apoiar meu sistema imunológico durante a quimioterapia?

Dependendo do regime de quimioterapia específico, seu sistema imunológico pode ser afetado pelo tratamento. Um possível efeito colateral da quimioterapia é um risco aumentado de infecção.

Os glóbulos brancos são uma parte do sistema imunológico que pode ser afetada pela quimioterapia. Os glóbulos brancos que combatem as infecções são chamados de neutrófilos. Quando o número de neutrófilos no sangue é baixo, o corpo fica mais vulnerável a infecções. Isso é chamado de neutropenia.

Sua equipe de saúde usará testes de laboratório para monitorar seu sistema imunológico antes, durante e após o tratamento de quimioterapia. O seu médico ou enfermeiro irá verificar a sua “contagem absoluta de neutrófilos (ANC)” para ver se está dentro do intervalo normal.

A contagem de neutrófilos é inferior a 1.000 por microlitro e, em casos graves, inferior a 500 por microlitro de sangue, indica neutropenia. Nessas contagens, o risco de infecção é alto.

Se você for diagnosticado com neutropenia, seu corpo corre o risco de infecções frequentes. No entanto, existem maneiras de reduzir seu risco:

  • Pratique uma higiene rigorosa, como lavar as mãos regularmente.
  • Evite áreas lotadas ou use uma máscara facial se precisar ir a lugares movimentados.
  • Fique atento quanto à segurança alimentar devido ao risco de patógenos transmitidos por alimentos.

A segurança alimentar é especialmente importante durante a quimioterapia. Esteja ciente de que as bactérias tendem a crescer em alimentos que estão em temperatura ambiente, ricos em carboidratos e úmidos.

5. Quais são as opções de tratamento mais comuns para controlar os vários efeitos colaterais da quimioterapia?

Não existe um remédio que cura tudo para tratar todos os efeitos colaterais. As seguintes opções gerais de tratamento são comumente usadas para controlar alguns dos efeitos colaterais da quimioterapia:

  • Medicamentos prescritos podem ser usados ​​para direcionar efeitos colaterais específicos. Por exemplo, para ajudar seu corpo a regenerar neutrófilos e reduzir o risco de infecção, seu médico pode prescrever fatores de crescimento, como pegfilgrastim (Neulasta) ou filgrastim (Neupogen).
  • Tratamentos complementares, como massagem terapêutica, podem ser recomendados, mas fale primeiro com seu médico.
  • Os tratamentos baseados em dieta podem se concentrar em evitar alimentos que induzem a inflamação, como guloseimas com alto teor de açúcar e carnes processadas.
  • A escolha de alimentos para reduzir a náusea com base em suas preferências pessoais pode ajudar.
  • Mudanças no estilo de vida, como exercícios leves a moderados, podem ajudar a controlar alguns sintomas.

6. Existem terapias alternativas ou complementares recomendadas para controlar os efeitos colaterais da quimioterapia?

Existem terapias alternativas e complementares disponíveis que algumas pessoas acreditam que podem ajudar com os efeitos colaterais da quimioterapia. No entanto, as evidências sobre a eficácia dessas opções são limitadas. Sua equipe de saúde pode relutar em recomendar qualquer terapia alternativa específica se não houver boas evidências para apoiá-la.

Um recente relatório in JAMA sugere que a melhor maneira de explorar uma terapia alternativa ou complementar é discuti-la com seu médico, estar bem informado a respeito e compreender as evidências limitadas sobre a terapia. Também é importante manter suas expectativas realistas.

7. Os hábitos de vida fazem alguma diferença quando se trata de controlar os efeitos colaterais da quimioterapia?

Os hábitos de vida podem ter consequências positivas ou negativas, dependendo do hábito. Uma mudança positiva no estilo de vida para melhorar sua qualidade de vida pode envolver parar de fumar ou dormir melhor. Essas mudanças podem ter um impacto abrangente e afetar os indivíduos de maneiras diferentes.

Em termos de controle dos efeitos colaterais da quimioterapia, alguns hábitos de vida podem ter um impacto duradouro e positivo quando praticados em combinação com o tratamento do câncer. Por exemplo, você pode achar benéfico comer alimentos nutritivos, manter-se o mais fisicamente ativo possível e ter uma boa noite de sono.

Os hábitos de vida são semelhantes à terapia complementar. Destinam-se a aliviar os sintomas ou efeitos colaterais, aliviar a dor e ajudá-lo a aproveitar mais a vida. No entanto, alguns hábitos de vida – como uma dieta muito específica ou um regime de exercícios intensos – podem ser prejudiciais em alguns casos, especialmente se esses hábitos interferirem no tratamento do câncer.

Fale com o seu médico primeiro. Eles também podem conversar com você sobre se há alguma evidência de um benefício ou dano relacionado ao hábito.

8. Existem grupos de apoio para pessoas em quimioterapia? Como eu encontraria um?

sim. A American Cancer Society tem um site dedicado a vinculá-lo a programas e serviços regionais de apoio para pacientes com câncer e até mesmo seus entes queridos. A maioria é gratuita ou de baixo custo.

Se você está procurando comunidades online, a American Cancer Society tem recursos adicionais para ajudá-lo a encontrar o que é certo para você.

Contactar a sua enfermeira ou oncologista também pode ser útil. Eles podem estar cientes de grupos de apoio patrocinados por hospitais, bem como de recursos locais adicionais. As plataformas de mídia social também têm grupos de apoio à comunidade online. Se você postar uma pergunta, poderá se surpreender com os especialistas ocultos do grupo de apoio ao câncer em sua comunidade.


Christina Chun, MPH, é uma profissional de pesquisa de ensaios clínicos nas áreas de oncologia e terapia celular. Ela se formou na Escola de Saúde Pública John Hopkins Bloomberg em Baltimore, Maryland, com mestrado em saúde pública em epidemiologia e bioestatística.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format