Parlamento da China aprova lei de segurança de Hong Kong com aumento das tensões nos EUA


0

HONG KONG / BEIJING / WASHINGTON – O parlamento da China aprovou na quinta-feira uma decisão de avançar com a legislação de segurança nacional de Hong Kong que os ativistas da democracia e os países ocidentais temem que possa corroer as liberdades da cidade e comprometer seu papel como um centro financeiro global.

A China diz que a nova legislação terá como objetivo combater a secessão, subversão, terrorismo e interferência estrangeira na cidade. Mas o plano, divulgado em Pequim na semana passada, desencadeou os primeiros grandes protestos em Hong Kong por meses.

A decisão de quinta-feira foi rapidamente condenada pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália e Canadá. O consultor econômico do presidente dos EUA, Donald Trump, alertou que Hong Kong, que gozou de privilégios especiais sob a lei dos EUA com base em sua autonomia em Pequim, pode agora precisar ser tratado como a China quando se trata de comércio e outras questões financeiras.

"Não podemos deixar isso passar despercebido e eles serão responsabilizados por isso", disse Larry Kudlow à CNBC.

Trump, que prometeu uma resposta dura dos EUA, disse a repórteres que faria uma entrevista coletiva na China na sexta-feira. "Tomaremos certas decisões e as discutiremos amanhã", disse ele.

Segundo a legislação do Congresso que Trump assinou no ano passado, agora cabe a ele decidir acabar com alguns, todos ou nenhum dos privilégios econômicos dos EUA que Hong Kong desfruta.

Trump ofereceu uma resposta silenciosa aos protestos da democracia de massa de Hong Kong no ano passado, enquanto priorizava um acordo comercial com o presidente chinês Xi Jinping que Trump considerava importante para sua candidatura à reeleição em novembro. Mas os laços com Pequim azedaram consideravelmente desde então.

As autoridades chinesas e o governo de Hong Kong, apoiado por Pequim, dizem que não há ameaça à autonomia da cidade, mas críticos dizem que a legislação de segurança corroerá o alto grau de autonomia que a ex-colônia britânica desfrutou sob a fórmula "um país, dois sistemas" desde que retornou ao domínio chinês em 1997.

A polícia de choque estava em vigor em Hong Kong na quinta-feira, quando seus legisladores debateram um projeto de lei para criminalizar o desrespeito ao hino nacional da China. Dezenas de manifestantes cantaram slogans em um shopping, mas não houve repetição de distúrbios no dia anterior, quando a polícia fez 360 prisões.

Em Pequim, os membros do parlamento da China em grande parte caíram em aplausos prolongados quando uma contagem mostrou 2.878 votos a um a favor de avançar na legislação de segurança, com seis abstenções.

Detalhes da lei, que pode permitir que agências de inteligência chinesas estabeleçam bases na cidade, devem ser elaborados nas próximas semanas. Espera-se que seja promulgada antes de setembro.

O primeiro-ministro chinês Li Keqiang disse que seria bom para a estabilidade e a prosperidade de Hong Kong a longo prazo e a fórmula "um país, dois sistemas" continuaria sendo uma política nacional.

O presidente chinês Xi Jinping e o primeiro-ministro Li Keqiang votaram a legislação de segurança nacional da Região Administrativa Especial de Hong Kong na sessão de encerramento do Congresso Nacional do Povo (NPC) no Grande Salão do Povo em Pequim, China, 28 de maio de 2020. REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

TENSÕES

A medida de Pequim ocorre quando as tensões EUA-China pioraram em meio a recriminações mútuas sobre a pandemia de coronavírus, que começou na China, mas atingiu os Estados Unidos com mais força.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse na quarta-feira que Hong Kong não mais garante tratamento especial sob a lei dos EUA, dada a erosão da autonomia no território.

Mas está longe de ficar claro que Trump estará preparado para aceitar o que os analistas chamam de opção nuclear e encerrar completamente o status econômico especial que Washington conferiu a Hong Kong desde o fim do domínio britânico.

Autoridades dos EUA e pessoas familiarizadas com as discussões disseram que o governo está elaborando uma série de opções, incluindo sanções direcionadas, novas tarifas e restrições adicionais às empresas chinesas.

Duas fontes disseram à Reuters na quinta-feira que Washington também planejava cancelar os vistos de milhares de estudantes de pós-graduação chineses. {nL8N2DA4FT)

As ações de Trump podem ser moderadas pela preocupação com as mais de 1.300 empresas dos EUA que têm escritórios em Hong Kong e fornecem cerca de 100.000 empregos. David Stilwell, o principal diplomata dos EUA no Leste da Ásia, disse que as medidas serão calibradas para mitigar o impacto nas pessoas de Hong Kong e nos negócios dos EUA.

O senador democrata Chuck Schumer culpou Trump por não defender Hong Kong, dizendo em um tweet: “Pres. Trump será para sempre conhecido como o presidente que perdeu Hong Kong para o Partido Comunista Chinês por causa de seu molestamento de Pres. XI."

Os ativistas da democracia em Hong Kong estavam desanimados.

"Este é o ponto final para Hong Kong, não se engane, este é o fim de 'um país, dois sistemas' … o Hong Kong que amamos, um Hong Kong livre", disse o legislador Dennis Kwok.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *