Os 5 estágios do luto que vêm com um novo diagnóstico médico


0

O tipo de luto que acompanha as doenças crônicas é complexo.

O luto é uma experiência que pode consumir você completamente mental, fisicamente e emocionalmente – e isso não acontece apenas com a sensação tradicional de perda.

Na verdade, passar pelos estágios de luto pode acontecer como resultado de qualquer mudança importante na vida.

Para muitas pessoas com deficiência e doenças crônicas, sofrer com a saúde após um novo diagnóstico médico pode ser um desafio inesperado. O tipo de luto que acompanha a doença crônica é complexo, e o ciclo pode freqüentemente reiniciar cada vez que um novo problema se apresenta.

Aqui, examinamos os cinco estágios padrão do luto, de acordo com a psiquiatra suíço-americana Elizabeth Kubler-Ross, mas por meio de nossos relacionamentos com nossos próprios corpos e o que significa chorar por nós mesmos.

1. Negação

As pessoas que vivenciam o luto podem estar familiarizadas com esse primeiro e bem conhecido estágio.

A negação, simplesmente, é o ato de rejeitar a realidade. A negação geralmente vem primeiro nos estágios de luto, porque quando ocorre uma grande mudança na vida, a mente e o corpo precisam trabalhar para processar a situação.

Quando você está passando por uma complicação médica, muitas vezes há sinais que piscam por todo o seu corpo para dizer: “Algo não está certo”. Podem ser crises, agravamento da dor crônica, novos sintomas ou uma variedade de outras interrupções diárias observadas.

Mesmo que você saiba logicamente que está entrando em um novo relacionamento com sua saúde quando um novo problema médico surge ou você obtém um novo diagnóstico, é comum precisar de tempo para superar a negação antes de começar a processar exatamente o que você é sentindo-me.

No início do ciclo de luto, você pode negar toda a verdade ou apenas partes da realidade.

Dizer a si mesmo que isso não está acontecendo realmente, que está “tudo na sua cabeça” ou “não é tão ruim”, é uma maneira de sua mente e seu corpo se protegerem da tensão emocional do luto.

Você também pode minimizar a gravidade da situação como uma forma de lidar com:

  • rejeitando a dor
  • ignorando sintomas
  • escondendo sintomas de entes queridos
  • resolvendo os problemas de saúde como se tudo estivesse bem
  • duvidando de si mesmo e da validade de suas preocupações

Para aqueles que não têm doenças crônicas, pode ser difícil entender por que a negação é um primeiro passo comum no processamento do trauma médico. Não queremos saber o que está errado? Não queremos consertar?

A resposta a essas perguntas é sim: queremos uma explicação para os sintomas e, em um mundo de sonho, uma solução. Mas não é tão simples.

A grande maioria das doenças crônicas é de longa duração e oferece apenas tratamentos sintomáticos, em vez de uma cura ou solução. Essencialmente, quando você recebe um novo diagnóstico (ou se ainda está esperando por um com sintomas contínuos), a realidade do tempo entra em ação. A linha do tempo muda.

De repente, você não está mais procurando um nome para explicar sua dor, seus sintomas ou suas noites sem dormir. Depois de saber qual é o problema subjacente, você sabe que o próximo passo é passar para o tratamento.

No entanto, esta próxima etapa pode muitas vezes parecer impossível. E no caso de doenças crônicas, você sabe que esse problema não tem necessariamente uma data de término.

Então, para lidar com esta nova realidade – mesmo se você estiver esperando por um diagnóstico ou uma explicação ou alguém simplesmente para dizer que acredita em você – você pode entrar na fase de negação para tentar se convencer de que não é isso ruim. Que não é real.

Se você atualmente nega sua saúde, saiba que está tudo bem. Se você puder, reserve um tempo para processar os fatos da situação.

Você pode optar por escrever uma lista dos fatos (por exemplo, “Eu senti dor hoje”, “O médico me disse que eu tinha um tumor”, “Estou esperando os resultados dos exames de sangue”) até que eles comecem a parecer reais.

Você também pode decidir agendar um determinado horário durante o dia para se distrair da realidade lendo um livro ou fazendo maratona em um show. Fazer pausas é uma ótima maneira de dar a si mesmo o espaço de que precisa para processar todas as novas mudanças em sua vida até que não pareçam tão opressivas.

2. Raiva

Outra emoção forte que você pode sentir é a raiva – de si mesmo, dos médicos, do mundo.

Quando a raiva está queimando você, significa que provavelmente você entendeu a realidade de sua situação. Mas isso não significa necessariamente que você esteja pronto para aceitá-lo.

Às vezes, parece mais fácil ou mais administrável atacar os outros quando você está sofrendo por si mesmo.

Aquele médico que não te ouviu antes? A recepcionista que marcou sua consulta logo após um dia inteiro de trabalho? O estacionamento sem vagas acessíveis? Culpa deles.

Mas você também pode se voltar para si mesmo, especialmente se já experimentou a negação anteriormente.

Você pode se perguntar por que esperou tanto para relatar as alterações dos sintomas ou por que não recarregou o medicamento. Isso pode causar muito ódio de si mesmo e prejudicar seriamente sua saúde física e mental.

Durante esses momentos de raiva, pare um momento para reconhecer o que você está sentindo, em primeiro lugar. Há um motivo pelo qual a raiva é um passo fundamental para o luto – ela permite que você comece a sentir novamente, bem como examine seus próprios sentimentos em relação à situação.

Quando você sentir que está pronto para começar a abandonar a raiva, existem diferentes estratégias de enfrentamento que podem ajudá-lo a processar essas emoções fortes, como a arteterapia, desabafar com amigos e praticar a plena consciência.

Mas lembre-se: quando os sentimentos de raiva voltarem à medida que você passar pelo ciclo do luto, reconheça as sensações e reflita sobre como elas estão se manifestando. Sua mandíbula está cerrada? Seu tom mudou? Fazer um balanço de suas emoções pode ajudá-lo a se reconectar com seu corpo, especialmente quando ele é a fonte de frustração.

3. Depressão

O luto e a depressão costumam andar de mãos dadas.

Em pessoas com doenças crônicas, a depressão e outras condições de saúde mental também podem atrapalhar ou confundir os sintomas. A depressão pode piorar a dor crônica com dores de cabeça, corpo e estômago.

Como saber quando seus sintomas são de depressão ou de um problema médico diferente?

Primeiro, vamos observar que não importa de onde seus sintomas se originem – seja de saúde física, emocional, mental ou comportamental – eles são válidos.

Muitas pessoas com doenças crônicas foram rotuladas como “buscadores de atenção”. Essa descrença em nossos sintomas e em nossos corpos apenas torna o processo de luto mais difícil.

Saiba que, independentemente do que você esteja passando, existe uma comunidade de pessoas que entende o que você está sentindo.

Dito isso, pode ser difícil defender suas necessidades quando você está nesse estágio de luto. Você pode achar que é inútil continuar procurando um diagnóstico ou tratamento. Você pode desejar que todos esses problemas simplesmente desapareçam.

A depressão é algo que muitas vezes requer serviços adicionais, como aconselhamento. Para intervenção em crises, procure esses recursos sobre como se manter seguro durante esse processo vulnerável.

4. Barganha ou negociação

Com esse estágio, vem o “e se”.

E se o médico estiver errado? E se eu tivesse feito algo diferente (dieta, exercícios, remédios, terapia, cirurgia, etc.)? E se eu entrar no especialista antes?

Embora isso não seja o mesmo que negação, na qual você está tentando excluir a realidade, este estágio pode parecer semelhante porque você está pensando em todas as maneiras pelas quais a situação poderia ter sido diferente.

Mesmo que você não possa realmente mudar o passado (ou prever o futuro), negociar com sua saúde pode ser uma forma de processar essa nova realidade.

Na verdade, mesmo depois de “completarmos” esse estágio de luto, muitas pessoas com doenças crônicas ainda trabalham para negociar com suas habilidades à medida que aprendem seus novos limites. Nesse sentido, o estágio de barganha do luto é aquele que geralmente ocorre novamente à medida que nossa saúde continua a evoluir.

5. Aceitação

O último estágio do luto é normalmente a aceitação.

Aceitação da realidade. Aceitação da dor. Aceitar quão diferente seu relacionamento com seu corpo pode ser agora.

A pesquisa sugere que chegar a um acordo com a dor crônica pode realmente reduzir a gravidade da sua dor física e emocional.

Ao aceitá-lo, você reconhece que ele existe sem julgamento. Então, você pode avançar no uso de estratégias de enfrentamento e diferentes tratamentos para lidar com a dor.

É importante notar, porém, que aceitação não significa que você deva estar feliz ou satisfeito com tudo o que está acontecendo com seu corpo e saúde. Aceitação não precisa significar contentamento.

Você ainda pode se sentir zangado, deprimido e oprimido com sua situação – mas tudo bem.

Nosso relacionamento com nossos corpos é íntimo, complexo e está sempre mudando de forma.

Embora um novo diagnóstico médico ou preocupação possa reiniciar o ciclo do luto, estamos sempre trabalhando para atingir esse estágio final de aceitação.

A verdade é que não temos muito controle sobre nosso corpo, o que é assustador. Não podemos desejar que não haja dor ou doença como soprar no dente-de-leão – não importa o quanto tentemos ou quantos caules arrancemos.

Mas podemos aprender a confiar no ciclo de luto e saber que esses sentimentos de perda são temporários. Acima de tudo, podemos praticar um pouco de auto-perdão e autocomiseração.

Podemos nos permitir ser confusos, loucos e humanos.

Esses sentimentos e experiências podem nos fazer sentir vulneráveis, mas com isso, encontramos forças. No final, sempre encontramos uma maneira de sobreviver.


Aryanna Falkner é uma escritora deficiente de Buffalo, Nova York. Ela é candidata ao mestrado em ficção na Bowling Green State University em Ohio, onde mora com seu noivo e seu gato preto fofo. Seu texto apareceu ou será publicado na Blanket Sea e na Tule Review. Encontre-a e fotos de seu gato no Twitter.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format