O que é a Síndrome de Estocolmo e quem afeta?


0

A síndrome de Estocolmo é comumente ligada a sequestros de alto nível e situações de reféns. Além de casos de crimes famosos, pessoas comuns também podem desenvolver essa condição psicológica em resposta a vários tipos de trauma.

Neste artigo, examinaremos mais de perto o que exatamente é a síndrome de Estocolmo, como recebeu seu nome, os tipos de situações que podem levar alguém a desenvolver essa síndrome e o que pode ser feito para tratá-la.

O que é a síndrome de Estocolmo?

A síndrome de Estocolmo é uma resposta psicológica. Ocorre quando reféns ou vítimas de abuso se relacionam com seus captores ou agressores. Essa conexão psicológica se desenvolve ao longo dos dias, semanas, meses ou mesmo anos de cativeiro ou abuso.

Com essa síndrome, reféns ou vítimas de abuso podem simpatizar com seus cativos. É o oposto do medo, terror e desdém que se pode esperar das vítimas nessas situações.

Ao longo do tempo, algumas vítimas acabam desenvolvendo sentimentos positivos em relação aos seus captores. Eles podem até começar a sentir que compartilham objetivos e causas comuns. A vítima pode começar a desenvolver sentimentos negativos em relação à polícia ou autoridades. Eles podem se ressentir de qualquer pessoa que esteja tentando ajudá-los a escapar da situação perigosa em que estão.

Esse paradoxo não acontece com todos os reféns ou vítimas e não está claro por que ocorre quando ocorre.

Muitos psicólogos e profissionais médicos consideram a síndrome de Estocolmo um mecanismo de enfrentamento ou uma maneira de ajudar as vítimas a lidar com o trauma de uma situação aterradora. De fato, a história da síndrome pode ajudar a explicar por que isso acontece.

Qual é a história?

Episódios do que é conhecido como síndrome de Estocolmo provavelmente ocorreram por muitas décadas, até séculos. Mas não foi até 1973 que essa resposta ao aprisionamento ou abuso passou a ser nomeada.

Foi quando dois homens mantiveram quatro pessoas reféns por 6 dias após um assalto a banco em Estocolmo, Suécia. Depois que os reféns foram libertados, eles se recusaram a testemunhar contra seus captores e até começaram a arrecadar dinheiro para sua defesa.

Depois disso, psicólogos e especialistas em saúde mental atribuíram o termo "síndrome de Estocolmo" à condição que ocorre quando os reféns desenvolvem uma conexão emocional ou psicológica com as pessoas que os mantiveram em cativeiro.

Apesar de bem conhecida, no entanto, a síndrome de Estocolmo não é reconhecida pela nova edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Este manual é usado por especialistas em saúde mental e outros especialistas para diagnosticar distúrbios de saúde mental.

Quais são os sintomas?

A síndrome de Estocolmo é reconhecida por três eventos distintos ou "sintomas".

Sintomas da síndrome de Estocolmo

  1. A vítima desenvolve sentimentos positivos em relação à pessoa que os mantém em cativeiro ou abusam deles.
  2. A vítima desenvolve sentimentos negativos em relação à polícia, figuras de autoridade ou qualquer pessoa que possa estar tentando ajudá-las a se afastar do seu seqüestrador. Eles podem até se recusar a cooperar contra o seu seqüestrador.
  3. A vítima começa a perceber a humanidade de seu captor e acredita que eles têm os mesmos objetivos e valores.

Esses sentimentos geralmente acontecem devido à situação emocional e altamente carregada que ocorre durante uma situação de refém ou ciclo de abuso.

Por exemplo, as pessoas que são sequestradas ou tomadas como reféns geralmente se sentem ameaçadas pelo seu seqüestrador, mas também são altamente dependentes delas para sobreviver. Se o seqüestrador ou agressor lhes mostrar alguma bondade, eles podem começar a sentir sentimentos positivos em relação ao seu seqüestrador por essa "compaixão".

Com o tempo, essa percepção começa a remodelar e distorcer a maneira como vêem a pessoa mantendo-a refém ou abusando dela.

Exemplos da síndrome de Estocolmo

Vários seqüestros famosos resultaram em episódios de alto perfil da síndrome de Estocolmo, incluindo os listados abaixo.

Casos de alto perfil

  • Patty Hearst. Talvez o mais famoso seja que a neta do empresário e editor de jornais William Randolph Hearst foi sequestrada em 1974 pelo Exército de Libertação Simbionesa (SLA). Durante o cativeiro, ela renunciou à família, adotou um novo nome e até se juntou ao SLA em assaltos a bancos. Mais tarde, Hearst foi presa e ela usou a síndrome de Estocolmo como defesa em seu julgamento. Essa defesa não funcionou e ela foi condenada a 35 anos de prisão.
  • Natascha Kampusch. Em 1998, Natascha, então com 10 anos de idade, foi sequestrada e mantida no subsolo em uma sala escura e isolada. Seu seqüestrador, Wolfgang Přiklopil, a manteve em cativeiro por mais de 8 anos. Durante esse tempo, ele mostrou sua bondade, mas também a espancou e ameaçou matá-la. Natascha conseguiu escapar e Přiklopil cometeu suicídio. As contas de notícias da época relatam que Natascha "chorou inconsolavelmente".
  • Mary McElroy: Em 1933, quatro homens mantiveram Mary, de 25 anos, à mão armada, acorrentaram-na a paredes de uma casa abandonada e exigiram resgate de sua família. Quando ela foi libertada, ela lutou para nomear seus captores em seu julgamento subsequente. Ela também expressou publicamente simpatia por eles.

Síndrome de Estocolmo na sociedade de hoje

Embora a síndrome de Estocolmo seja comumente associada a uma situação de refém ou sequestro, ela pode realmente se aplicar a várias outras circunstâncias e relacionamentos.

A síndrome de Estocolmo também pode surgir nessas situações

  • Relações abusivas. Pesquisa mostrou que indivíduos abusados ​​podem desenvolver apegos emocionais ao agressor. O abuso sexual, físico e emocional, bem como o incesto, podem durar anos. Durante esse tempo, uma pessoa pode desenvolver sentimentos positivos ou simpatia pela pessoa que os abusou.
  • Abuso infantil. Os agressores freqüentemente ameaçam suas vítimas com danos, até morte. As vítimas podem tentar evitar incomodar o agressor sendo complacentes. Os abusadores também podem mostrar bondade que pode ser percebida como um sentimento genuíno. Isso pode confundir ainda mais a criança e levá-la a não entender a natureza negativa do relacionamento.
  • Comércio de tráfico sexual. Os indivíduos traficados geralmente confiam em seus agressores para necessidades, como comida e água. Quando os agressores determinam isso, a vítima pode começar a desenvolver sentimentos positivos em direção ao agressor. Eles também podem resistir a cooperar com a polícia por medo de retaliação ou pensar que precisam proteger seus agressores para se protegerem.
  • Treinamento esportivo. Estar envolvido no esporte é uma ótima maneira de as pessoas desenvolverem habilidades e relacionamentos. Infelizmente, alguns desses relacionamentos podem ser negativos. Técnicas de treinamento rigorosas podem até se tornar abusivas. O atleta pode dizer a si mesmo que o comportamento de seu treinador é para seu próprio bem, e isso, de acordo com um estudo de 2018, pode se tornar uma forma da síndrome de Estocolmo.

Tratamento

Se você acredita que você ou alguém conhecido desenvolveu a síndrome de Estocolmo, pode encontrar ajuda. A curto prazo, aconselhamento ou tratamento psicológico para transtorno de estresse pós-traumático pode ajudar a aliviar os problemas imediatos associados à recuperação, como ansiedade e depressão.

A psicoterapia a longo prazo pode ajudar você ou um ente querido a se recuperar.

Psicólogos e psicoterapeutas podem ensinar mecanismos saudáveis ​​de enfrentamento e ferramentas de resposta para ajudá-lo a entender o que aconteceu, por que aconteceu e como você pode seguir em frente. A reatribuição de emoções positivas pode ajudar você a entender o que aconteceu, não foi sua culpa.

A linha inferior

A síndrome de Estocolmo é uma estratégia de enfrentamento. Indivíduos que são abusados ​​ou sequestrados podem desenvolvê-lo.

Medo ou terror podem ser mais comuns nessas situações, mas algumas pessoas começam a desenvolver sentimentos positivos em relação ao seu seqüestrador ou agressor. Eles podem não querer trabalhar ou entrar em contato com a polícia. Eles podem até hesitar em ligar o agressor ou o seqüestrador.

A síndrome de Estocolmo não é um diagnóstico oficial de saúde mental. Em vez disso, acredita-se ser um mecanismo de enfrentamento. Indivíduos vítimas de abuso ou tráfico ou vítimas de incesto ou terror podem desenvolvê-lo. O tratamento adequado pode ajudar bastante na recuperação.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format