Macron desafia críticas para receber príncipe herdeiro saudita MBS em Paris


0

A visita do líder saudita a Paris ocorre duas semanas depois que ele manteve conversas em Jeddah com o presidente dos EUA, Joe Biden.

Um assessor de Macron defendeu o jantar de trabalho em um momento de crise global de energia e alimentos, ao mesmo tempo em que prometeu que os direitos humanos seriam levantados [File: Saudi Foreign Ministry via Twitter]

O presidente francês Emmanuel Macron deve receber o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman (MBS) como parte dos contínuos esforços ocidentais para cortejar o principal estado produtor de petróleo em meio à guerra na Ucrânia e às negociações vacilantes para reviver um acordo nuclear com o Irã.

A visita na quinta-feira a Paris do governante saudita de fato ocorreu duas semanas depois que ele manteve conversas na Arábia Saudita com o presidente dos EUA, Joe Biden. A MBS fez uma escala na Grécia antes de seguir para a capital francesa.

O Ocidente está ansioso para restabelecer as relações com a gigante petrolífera do Golfo Árabe, enquanto busca combater a crescente influência regional do Irã, Rússia e China.

Figuras da oposição francesa e grupos de direitos humanos criticaram a decisão de Macron de convidar MBS para jantar no Palácio do Eliseu após o terrível assassinato do jornalista Jamal Khashoggi por uma equipe de agentes sauditas em outubro de 2018.

O crime foi descrito por uma investigação da ONU como um “assassinato extrajudicial pelo qual a Arábia Saudita é responsável”.

As agências de inteligência dos EUA determinaram que o MBS havia “aprovado” a operação que levou à morte de Khashoggi, embora Riad tenha negado isso, culpando agentes desonestos.

Um assessor de Macron defendeu o jantar de trabalho em um momento de crise global de energia e alimentos, enquanto prometeu que os direitos humanos seriam levantados.

“Ele vai falar sobre isso [rights] de uma forma geral, mas também aproveitará a oportunidade para levantar casos individuais”, disse o assessor à agência de notícias AFP sob condição de anonimato.

“Para o presidente ter influência e enfrentar os problemas que os países europeus e a França enfrentam… a única maneira é conversar com todos os nossos parceiros”, acrescentou o assessor.

Ele repetiu a antiga exigência da França de que o horrível desmembramento de Khashoggi seja investigado e os responsáveis ​​sejam “levados à justiça”.

A primeira-ministra francesa, Elisabeth Borne, negou as alegações de que o país estava prejudicando seus compromissos públicos de defesa dos direitos humanos.

“Obviamente, não coloca em dúvida nossos princípios. Isso não coloca em dúvida nosso compromisso com os direitos humanos”, disse ela a repórteres durante uma viagem ao leste da França.

A parada de MBS na Grécia na terça-feira foi sua primeira viagem à UE desde o assassinato de Khashoggi por agentes sauditas no consulado do reino em Istambul em 2018.

“Estou escandalizado e indignado que Emmanuel Macron esteja recebendo com todas as honras o carrasco de meu noivo, Jamal Khashoggi”, disse Hatice Cengiz à AFP nesta quinta-feira.

“Todas as investigações internacionais realizadas até este ponto… reconhecem a responsabilidade de MBS no assassinato”, disse Cengiz.

A secretária-geral da Anistia Internacional, Agnes Callamard, disse à AFP que se sentiu “profundamente preocupada com a visita, pelo que significa para o nosso mundo e para Jamal. [Khashoggi] e as pessoas gostam dele.”

MBS é um homem que “não tolera qualquer dissidência”, acrescentou.

Mas para os países ocidentais desesperados por encontrar novas fontes de energia, o líder de fato de 36 anos do maior produtor de petróleo do mundo tornou-se uma figura essencial.

A invasão da Ucrânia pelo Kremlin em fevereiro elevou os preços da energia, com as nações ocidentais vasculhando o mundo para encontrar suprimentos para substituir o petróleo e o gás da Rússia.

Macron e Biden foram flagrados discutindo seus esforços – e possível capacidade de produção extra na Arábia Saudita – em uma cúpula do G7 no final de junho na Alemanha.

“A guerra na Ucrânia colocou os países produtores de energia de volta no centro das atenções, e eles estão se aproveitando disso”, disse Camille Lons, pesquisadora associada do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS).


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *