Irã realiza publicamente a segunda execução relacionada a protestos


0

O Irã sinalizou que mais execuções poderiam ser realizadas em meio à condenação de grupos de direitos humanos.

Teerã, Irã – O Irã executou publicamente um segundo homem que foi preso durante distúrbios ligados aos protestos em andamento no país.

O site de notícias do judiciário anunciou na manhã de segunda-feira que Majidreza Rahnavard, que foi condenado pelo assassinato de dois membros das forças de segurança, foi executado em um local público não identificado em Mashhad enquanto um grupo de pessoas observava.

Publicou várias imagens da execução pública, mostrando um homem, com as mãos amarradas, pendurado pelo pescoço em um guindaste. Forças de segurança mascaradas foram mostradas isolando a área, com uma multidão de dezenas observando atrás de barricadas.

O Irã executou o primeiro detido ligado aos protestos, um jovem de 23 anos chamado Mohsen Shekari, na quinta-feira por supostamente atacar e ferir um membro da força paramilitar Basij com uma longa faca no centro de Teerã.

Assim como o caso de Shekari, a execução de segunda-feira teve como objetivo mostrar a rapidez com que o judiciário iraniano está avançando nos casos relacionados aos protestos, já que Rahnavard foi executado menos de um mês após sua prisão.

O judiciário alegou que Rahnavard realizou um ato “terrorista” contra dois membros do Basij em 17 de novembro. Ele teria sido preso dois dias depois por “travar guerra contra Deus”.

A televisão estatal transmitiu imagens que mostravam um homem de pé e esfaqueando um homem que havia caído ao lado de uma motocicleta estacionada.

Outro homem ataca o agressor e também é esfaqueado antes que o agressor fuja. O judiciário disse que o agressor era Rahnavard, que supostamente também feriu outras quatro pessoas durante a fuga.

Após a execução, Gholamali Sadeghi, chefe do judiciário do nordeste de Razavi Khorasan, agradeceu à polícia, segurança e funcionários do judiciário por cumprir a sentença o mais rápido possível e por “responder às demandas públicas para estabelecer a ordem e a segurança e lidar com os manifestantes e a lei”. -disjuntores”.

Aparecendo na televisão estatal na noite de sábado, o porta-voz do judiciário Masoud Setayeshi defendeu a execução de Shekari na quinta-feira.

Qualquer pessoa que usar uma “arma fria ou quente com a intenção de prejudicar a vida, os bens ou a família das pessoas ou aterrorizá-las” pode ser condenada por moharebeh – ou “guerra contra Deus” – que acarreta a pena de morte, alertou.

Os protestos no Irã começaram em meados de setembro após a morte de Mahsa Amini, uma jovem que foi presa pela polícia moral do país por supostamente não aderir a um código de vestimenta obrigatório.

Organizações estrangeiras de direitos humanos disseram que mais de 450 pessoas foram mortas durante os protestos, número superior ao número de mortos de 200 fornecido pelo Irã, que nega que suas forças de segurança atirem nos manifestantes.

Grupos de direitos humanos alertaram que mais pessoas presas em conexão com os protestos podem ser executadas em breve.

‘Incutir medo’

A sentença de morte de Mahan Sadrat Madani, um homem de 22 anos condenado por “fazer guerra contra Deus”, foi temporariamente suspensa, mas não houve confirmação de seu término.

Após a execução de Shekari, a Anistia Internacional condenou a ação e disse que “o objetivo claro das autoridades iranianas é instilar medo entre o público em uma tentativa desesperada de se agarrar ao poder e acabar com o levante popular”.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU votou no mês passado para estabelecer uma missão de investigação para investigar a forma como o Irã lidou com os protestos, mas Teerã disse que não iria cooperar com a missão por causa de sua natureza “política”.

Haverá uma votação na quarta-feira para expulsar o Irã da Comissão da ONU sobre o Status da Mulher, que a UN Watch previu que passará de forma esmagadora em meio às objeções de Teerã.

Nos últimos dias, a Austrália e a Nova Zelândia juntaram-se aos Estados Unidos, União Europeia, Reino Unido e Canadá na lista negra de várias autoridades e entidades iranianas por sua resposta aos protestos, algo que Teerã condenou.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *