Grupo Wagner da Rússia no Mali estimula aumento de refugiados na Mauritânia


0

Os malianos estão fugindo para a vizinha Mauritânia para escapar de bandidos, combatentes, do exército e agora de agentes russos.

Homens caminham pelo mercado semanal de ovelhas no campo de refugiados de Mbera em Bassikonou, Mauritânia [File: Guy Peterson/Al Jazeera]

M’bera, Mauritânia – Finalmente, chegou o dia em que Ag não aguentou mais.

Ele e seus vizinhos no interior rural da região de Timbuktu, no norte do Mali, ouviram as histórias de sobreviventes que passavam por sua cidade. Eles disseram que soldados brancos que se acredita serem russos estavam entrando em mercados em cidades próximas junto com o exército maliano – saqueando lojas e atacando e matando pessoas indiscriminadamente.

Então Ag e seus amigos entraram em pânico, arrumaram seus pertences e fugiram, não parando até deixarem o país.

Quando os russos chegam à cidade com o exército maliano, “levam tudo o que encontram no mercado”, disse ele à Al Jazeera no campo de refugiados de M’bera, na vizinha Mauritânia, onde ele e sua família chegaram há cerca de um mês. “Muitas vezes, eles atacam as pessoas que tentam escapar. Se você tentar fugir, eles vão te matar sem saber quem você é.”

É sua segunda vez em M’bera, depois de buscar abrigo temporário aqui no início do conflito em 2012.

Ag – não seu nome verdadeiro, mas um prefixo comum para sobrenomes entre o grupo étnico tuaregue, que significa “filho de” – suportou a insegurança do Estado do Mali e vários grupos armados que lutam contra eles há anos.

Mas com os ataques e prisões indiscriminados relatados pelos russos, as coisas chegaram ao ponto de ruptura novamente.

As forças armadas do Mali estão no 10º ano de uma guerra que começou como uma rebelião separatista antes de se transformar em uma luta liderada por grupos armados afiliados à Al-Qaeda e ao Estado Islâmico. Mercenários Wagner ligados à Rússia teriam chegado ao Mali para apoiar os militares em dezembro passado.

Desde o final de 2021, M’bera experimentou um boom populacional, disseram funcionários das Nações Unidas que administram o campo, avançando para 78.622 pessoas e ainda contando – um recorde.

Quase 7.000 novas chegadas foram registradas apenas em março e abril. Autoridades da ONU disseram que o número real é provavelmente maior, já que muitos malianos estão buscando refúgio em vilarejos vizinhos fora do campo.

Os refugiados com quem a Al Jazeera falou são da região norte de Timbuktu e da região de Segou, no centro de Mali. Eles tinham motivações variadas para cruzar para a Mauritânia. Alguns estavam fugindo da violência dos grupos armados, do exército maliano ou de combatentes afiliados a ele, e não relataram nenhuma ligação com Wagner.

Mas vários refugiados citaram os russos especificamente como uma ameaça ou disseram que a situação de segurança na guerra de uma década no Mali piorou desde que os mercenários Wagner chegaram.

Ag posa para um retrato em um escritório no campo de Mbera relembrando sua jornada fugindo da violência no Mali
Ag posa para um retrato em um escritório no campo de Mbera relembrando sua jornada fugindo da violência no Mali [File: Guy Peterson/Al Jazeera]

‘Um novo elemento’

O testemunho dos refugiados de serem expulsos do Mali pela ameaça de Wagner, ou pelo aumento da violência dos militares malianos desde a chegada dos russos “se alinha perfeitamente com o que vimos e documentamos”, disse Ousmane Diallo, pesquisador de Dakar para Anistia Internacional.

“Muitas, muitas reportagens e muitas pessoas que entrevistamos falaram sobre o exército ser mais brutal”, disse ele, acrescentando que o aumento da brutalidade veio “desde a chegada de Wagner”.

“Há um novo elemento”, acrescenta. “Os abusos e violações do exército maliano não são novos, mas a escala e a brutalidade aumentaram desde janeiro de 2022 – e isso é algo que não pode ser descartado”.

De acordo com Wassim Nasr, autor de Etat Islamique, le fait accompli – um livro sobre o Estado Islâmico e “especialista em jihadismo” na França24, os malianos do centro do país foram deslocados pelas operações de Wagner lá.

No início deste ano, os russos em Timbuktu estavam lá apenas em papéis coadjuvantes, como mecânicos, acrescentou. Em maio, no entanto, o The Guardian informou que as forças de Wagner foram vistas em Timbuktu e perto da fronteira com a Mauritânia.

“As pessoas do centro me disseram… ​​agora, quando veem um homem branco, um militar branco, com os militares do Mali, ficam com medo porque sabem que os abusos dos direitos humanos se seguirão”, disse Nasr.

“Isso está de acordo com tantos massacres que foram realizados”, disse ele, referindo-se ao documentado massacre de Moura, na região de Mopti, que se acredita ter sido realizado por tropas malianas e operadores de Wagner.

Ataques em larga escala contra populações civis representam “o modus operandi” para Wagner, acrescentou Nasr. “Eles pensam que vão aterrorizar os terroristas, e esta é a maneira de fazê-lo – mas contra-ataca, sempre. … Isso só alimenta os recrutamentos.”

Refugiados do Mali passam por um prédio a caminho do campo semanal de Mbera
Refugiados do Mali passam por um prédio a caminho do mercado semanal do campo de Mbera [File: Guy Peterson/Al Jazeera]

Uma cidade de refugiados

Este canto do sudeste da Mauritânia abrigou campos de refugiados do Mali durante crises anteriores. E agora, o acampamento M’bera se tornou uma espécie de comunidade autônoma.

Subsídios em dinheiro do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) permitem que os refugiados construam suas próprias moradias, que agora se estendem por 44 quarteirões, mais de 9 quilômetros quadrados.

As mulheres no movimentado mercado de M’bera vendem mangas, peixes secos e tecidos do Mali, e as empresas oferecem painéis solares, cortes de cabelo e peças de reposição para motocicletas.

Embora muitos tenham encontrado trabalho na próspera microeconomia do campo, outros – especialmente os residentes de longa duração, alguns que até se formaram no ensino médio – foram rápidos em reclamar das rações de arroz e dinheiro que mal são suficientes e uma alta taxa de desemprego .

“Estamos sofrendo”, disse Mohamed Ould Noctari, que chegou ao campo em 2012 com 17 anos e não encontrou emprego estável. “As condições não são boas.”

Muitos recém-chegados, no entanto, estão mais focados nas garantias de segurança imediatas que o campo oferece em comparação com sua vida no Mali.

“O acampamento é o melhor lugar, sobretudo para os civis – mulheres, seus filhos, todas essas pessoas. Não há um lugar onde eles possam descansar hoje se não for no campo de M’bera”, disse Ag. “Quando você encontra a paz, você dorme em paz, não há nada a temer. Eles também recebem ajuda – não há outro lugar.”

Durante a maior parte do conflito, a ex-potência colonial França esteve ao lado dos militares malianos, e as tropas de ambos os lados acumularam sua própria lista de alegações de abusos de direitos e assassinatos de civis. Com os franceses no Mali, o campo de M’bera atingiu um máximo de mais de 75.000 refugiados em 2013. Ele caiu para um mínimo de 41.000 em 2016, mas desde 2018, os números têm aumentado constantemente.

Em meio à deterioração das relações com o governo militar do Mali, que chegou ao poder em 2020, a França está em processo de redistribuição de tropas do Mali, reorientando sua luta contra grupos terroristas nos países vizinhos do Sahel. Enquanto isso, as forças de Wagner intervieram para preencher a lacuna.

Seguiu-se uma série de acusações de crimes de guerra – e também deslocamentos em massa.

As autoridades malianas negaram repetidamente a morte de civis e também a presença de Wagner no país – em vez disso, disseram que convidaram treinadores militares russos. As autoridades russas também negaram a existência de Wagner, embora tenham prejudicado a posição pública do governo do Mali, dizendo que há empreiteiros privados no Mali.

Uma refugiada do Mali espera em um centro de distribuição de alimentos no campo de Mbera pela distribuição de assistência alimentar e produtos de higiene feminina
Uma refugiada do Mali espera em um centro de distribuição de alimentos no campo de Mbera por sua distribuição de alimentos e produtos de higiene feminina [File: Guy Peterson/Al Jazeera]

‘Não podemos contar [the dead] não mais’

Antes da chegada dos russos, a situação já era “catastrófica” na região de Segou, um recém-chegado, um homem de etnia fulani que estava no campo há mais de dois meses, disse à Al Jazeera sob condição de anonimato.

O campo, embora localizado entre os postos militares da Mauritânia, fica a apenas 40 km da fronteira maliana, e a maioria dos refugiados ainda tem família no Mali.

Ataques anteriores dos militares malianos, disse o homem, que podem ter causado uma ou duas dúzias de mortos, agora parecem “de pequena escala” em comparação com a violência contínua que finalmente o forçou a fugir. Os sobreviventes costumavam contar os mortos após um ataque. “Depois da chegada de Wagner, não podemos contar mais. Há corpos em todos os lugares.”

Os ataques a vilarejos nos últimos meses, disse ele, vieram todos dos militares malianos – ele não viu pessoalmente as forças russas acompanhando-os. Mas não consegue afastar a ideia de que o aumento da violência está relacionado com a chegada de Wagner.

“Já fomos perseguidos, mortos, ao longo dos anos”, disse ele. “Mas desde a sua chegada, os ataques [by the military] foram mais fortes – é a única explicação.”

Alguns dos refugiados estão no campo há uma década – terminando o ensino médio, se casando e tendo filhos. Muitos mantêm a esperança. Outros consideram a Mauritânia seu novo lar.

Para Ag, até mesmo imaginar um retorno a Timbuktu agora é impossível.

“Havia bandidos armados que levavam tudo que você tinha – todo o trabalho de uma semana. Convivemos com isso”, disse. Mas a insegurança provou ser demais. “Não tenho outro destino… não vejo nada num futuro próximo que me permita regressar.”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *