França relata registro diário “vertiginoso” de 208.000 casos COVID


0

A França bate outro recorde nacional e europeu de infecções diárias por COVID, à medida que as variantes Omicron e Delta se espalham.

Pessoas na fila para testes COVID em Paris, França [File: Christian Hartmann/Reuters]

A França está testemunhando um “tsunami” de infecções por COVID-19, com 208.000 casos relatados nas últimas 24 horas na quarta-feira, um novo recorde nacional e europeu, disse o ministro da Saúde, Olivier Veran, aos legisladores.

A França tem quebrado recordes de infecção repetidamente nos últimos dias, com 180.000 casos de terça-feira já o mais alto para um país da Europa, de acordo com dados do Covidtracker.fr.

“Isso significa que 24 horas por dia, dia e noite, a cada segundo em nosso país, dois franceses recebem o diagnóstico positivo”, disse Veran. “Nunca vivemos tal situação”, disse ele, descrevendo o aumento dos casos como “vertiginoso”.

As infecções globais de COVID-19 atingiram níveis recordes durante os últimos sete dias, dados das agências de notícias Reuters e AFP mostraram na quarta-feira, conforme a nova variante do Omicron se espalha rapidamente, mantendo muitos trabalhadores em casa e sobrecarregando os centros de teste.

A situação nos hospitais franceses já era preocupante por causa da variante Delta, disse Veran, com o Omicron ainda sem impacto, algo que ele disse que iria acontecer.

“Temos dois inimigos”, disse ele, referindo-se às duas variantes principais. “Quanto à Omicron, eu não falaria mais sobre uma onda. Este é um swell, onde várias ondas se combinam para formar uma onda massiva ”, disse ele.

O ministro havia alertado na segunda-feira que a França poderia atingir mais de 250.000 casos diários de COVID até o início de janeiro, já que uma semana de festas de Natal irrestritas e encontros familiares alimentam a propagação da doença.

Depois de uma reunião de gabinete para discutir a crise na segunda-feira, o primeiro-ministro Jean Castex anunciou várias medidas para tentar conter a epidemia, mas evitou os fechamentos em massa ou bloqueios que foram reintroduzidos em outros países da UE, como a Holanda.

Algumas das novas restrições, como a proibição de comer em trens de alta velocidade ou ficar de pé em cafés e bares, foram denunciadas por críticos e oponentes políticos como sendo muito limitadas para serem eficazes.

O governo anunciou na quarta-feira que as cerca de 1.600 casas noturnas do país permaneceriam fechadas por mais três semanas depois de terem sido fechadas em 6 de dezembro.

O ministro do Interior, Gerald Darmanin, também encorajou as autoridades locais a limitar as reuniões públicas de Réveillon, em particular exigindo máscaras faciais ao ar livre e intensificando as patrulhas policiais para impor a proibição do consumo público de álcool durante a noite.

Pressão sobre hospitais

As internações hospitalares diárias por COVID na França estão em média acima de 1.000 por dia, ainda bem abaixo do pico de 3.500 durante a primeira onda em abril de 2020 ou quase 3.000 na segunda onda em novembro do ano passado.

Mas o crescimento exponencial do número de casos está causando alarme.

A Federação Francesa de Hospitais afirmou na terça-feira que “são necessárias medidas adicionais para proteger os hospitais públicos para evitar a saturação dos serviços de saúde e das unidades de emergência, o que inevitavelmente levará a mais operações canceladas”.

Muitos hospitais, especialmente aqueles nos hotspots da França e na costa sul do Mediterrâneo, já estão cancelando operações não essenciais devido ao aumento nas internações COVID, a maioria das quais pessoas não vacinadas.

Apesar da França ter uma das taxas de vacinação mais altas do mundo, com 90 por cento da população elegível tendo recebido a última dose, Veran disse que ainda havia cinco milhões de pessoas não vacinadas com idade suficiente para receber as vacinas.

O governo aposta sua estratégia em uma nova lei que será debatida no parlamento a partir de quarta-feira que exigirá que os cidadãos apresentem comprovante de vacinação para entrar em restaurantes, cinemas, museus e outros locais públicos.

O novo sistema de “passe de vacina” substituirá o “passe de saúde” anterior, que poderia ser obtido fornecendo um teste COVID recente negativo na ausência de vacinação.

Natacha Butler, da Al Jazeera, relatando de Paris, disse que haveria muita oposição à mudança.

“Algumas pessoas dizem que é uma medida controversa”, disse ela.

“Mas o que o governo está dizendo é que [unvaccinated people] são realmente aqueles que muitas vezes acabam no hospital, e esta é uma forma de tentar motivá-los a irem e serem apanhados. ”


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format