Forças russas avançam apesar de ‘perdas colossais’


0

Uma retirada, uma blitz de míssil e um acidente de helicóptero foram os pontos baixos de uma horrível 47ª semana de guerra para a Ucrânia, mas seus aliados ocidentais podem finalmente ser levados a enviar blindados pesados.

O ataque da Rússia em 14 de janeiro em um bloco de apartamentos em Dnipro marcou o ataque mais mortal de Moscou contra civis ucranianos desde a primavera passada [File: Clodagh Kilcoyne/Reuters]

Foi uma semana terrível para a Ucrânia.

Em 12 de janeiro, as forças russas assumiram o controle efetivo de Soledar em Donetsk, sua primeira captura de uma cidade desde julho.

Dois dias depois, lançaram 50 foguetes sobre as cidades da Ucrânia.

Um destruiu um prédio de apartamentos na cidade de Dnipro, matando mais de 40 pessoas em um dos ataques mais mortíferos da guerra. A Ucrânia culpou a Rússia, mas o Kremlin negou a responsabilidade.

E na manhã de 18 de janeiro, toda a liderança do Ministério do Interior da Ucrânia foi morta, parte de um total de 14 mortos, quando um helicóptero caiu do lado de fora de uma creche perto de Kyiv. Não se sabe imediatamente se o acidente foi um acidente.

Soledar, uma cidade de mineração de sal, caiu para as forças russas após uma semana de combates ferozes.

Imagens geolocalizadas mostraram soldados russos controlando grande parte da cidade em 12 de janeiro. meu número sete.

INTERATIVO-QUEM CONTROLA O QUE NA UCRÂNIA

Mas Serhiy Cherevaty, porta-voz das forças do leste da Ucrânia, disse que as tropas de Kyiv ainda lutam por Soledar e que a Rússia está espalhando desinformação.

“Os militares ucranianos em condições climáticas incrivelmente difíceis sob forte fogo inimigo mantêm a situação sob controle”, disse Cherevaty, observando que houve pequenos avanços e recuos, mas nenhuma brecha decisiva.

“Os ocupantes sofreram perdas colossais durante todo esse período e não conseguiram romper sistematicamente nossa defesa em nenhum lugar”, disse ele.

Quem ganhou Soledar?

A única boa notícia da Rússia em seis meses foi prejudicada por suas divisões de comando.

O Ministério da Defesa da Rússia desencadeou uma discussão online ao afirmar que a vitória em Soledar foi exclusivamente graças às forças armadas regulares, sem reconhecer o Grupo Wagner de mercenários, que dias antes também havia reivindicado o crédito exclusivo pela vitória.

“A captura de Soledar tornou-se possível devido aos constantes ataques de fogo lançados contra o inimigo por Ataque Terrestre e Aviação do Exército, Tropas de Mísseis e Artilharia do Grupo de Forças Russas”, disse o ministério.

A Rússia contou com o Grupo Wagner para travar muitos dos combates mais violentos na região leste de Donbass, compreendendo Luhansk e Donetsk.

O proprietário da Wagner, Yevgeny Prigozhin, disse que a empresa foi “ameaçada” por burocratas corruptos que “querem ficar em seus lugares … Eles constantemente tentam roubar a vitória de Wagner [troops] … apenas para menosprezar seus méritos.”

O ministério emitiu uma correção, dizendo que a ofensiva de Soledar foi “realizada por um agrupamento heterogêneo de tropas russas”. [forces] de acordo com um único plano”.

O presidente russo, Vladimir Putin, elogiou as forças armadas em uma coletiva de imprensa em 15 de janeiro, sem fazer nenhuma menção ao Grupo Wagner.

“O Grupo Wagner possui tanques, artilharia e drones próprios, mantendo um sistema de comando e controle independente. Com efeito, funciona como uma força de armas combinadas. Esta vitória é definitivamente creditada ao Grupo Wagner, que deve afetar as relações com o exército russo”, disse Emmanuel Karagiannis, especialista em segurança internacional do King’s College London, à Al Jazeera.

Embora menos relatadas, as batalhas ocorreram na cidade de Kreminna, ocupada pelos russos, mais ao norte, em Luhansk, mostrando que a Ucrânia ainda estava em posição de montar contra-ataques.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que Moscou poderia flanquear o centro logístico de Bakhmut ameaçando as linhas de abastecimento que correm a sudoeste de Soledar.

A luta por Bakhmut dura meses e deve se intensificar.

“A batalha de Bakhmut é a chave para os planos futuros de ambos os lados em Donbass. Se os russos conseguirem ocupar a cidade, vão tentar recuperar parte do território perdido desde setembro”, disse Karagiannis.

“Se os ucranianos defenderem a cidade com sucesso, eles podem pedir mais apoio ocidental para seu contra-ataque de primavera na região. No momento, o exército ucraniano não parece ter reservas ou equipamento para avançar mais fundo em Donbass”.

A Ucrânia disse que montará uma ofensiva de primavera em toda a frente até março e espera expulsar as forças russas este ano.

Um ‘ponto de viragem’ na guerra

Soledar parece ter ajudado a galvanizar a determinação ocidental.

No dia em que a cidade caiu, o Secretário-Geral da OTAN Jens Stoltenberg ligou para entrega mais rápida de armas para a Ucrânia.

“O tempo é crítico”, ele twittou. “Precisamos fornecer equipamentos mais avançados com mais rapidez.”

Stoltenberg tinha como alvo as elites na Alemanha, onde o apoio à guerra vacilou.

Uma pesquisa da Euroskopia esta semana descobriu que 60% dos alemães são a favor de um cessar-fogo antecipado com concessões territoriais à Rússia – algo que a Ucrânia descartou.

Mas a aprovação da Alemanha é necessária para a mobilização de tanques de batalha Leopard 2 de fabricação alemã, usados ​​por 14 países europeus, tornando-o o único tanque de batalha abundante em produção na Europa.

Polônia e Lituânia já sinalizaram que enviariam alguns de seus Leopardos para a Ucrânia.

O tanque Leopard 2
Tanques de batalha projetados por aliados da OTAN – como os produzidos pelo Reino Unido e Alemanha – forneceriam às forças de Kyiv melhor proteção e poder de fogo mais preciso [File: Radovan Stoklasa/Reuters]

Questionado se a Alemanha deveria fornecer armas mais pesadas, uma referência aos tanques, o chefe da OTAN, Stoltenberg, disse ao jornal de negócios alemão Handelsblatt: “Estamos em uma fase decisiva da guerra. Estamos vivendo uma luta feroz. Portanto, é importante fornecermos à Ucrânia as armas de que ela precisa para vencer – e continuar como uma nação independente”.

Em meio a essa pressão sobre uma Alemanha incerta, sua ministra da Defesa, Christine Lambrecht, renunciou em 16 de janeiro, citando “meses de foco da mídia em minha pessoa”.

Algumas gafes pessoais à parte, Lambrecht foi criticado por ser lento em usar um aumento de gastos de 100 bilhões de euros (US$ 108 bilhões) para tirar os militares alemães da naftalina.

O chanceler alemão Olaf Scholz substituiu Lambrecht pelo ministro do Interior, Boris Pistorius, no dia seguinte, a tempo de importantes reuniões dos aliados da Ucrânia em Bruxelas, Bélgica e Ramstein, Alemanha nesta semana.

A liberação de tanques de guerra para a Ucrânia foi a “primeira questão a ser decidida concretamente” de Pistorius, disse o ministro das Finanças, Robert Habeck.

Desafiante abre o caminho

Mas a Grã-Bretanha venceu todos no soco.

O gabinete do primeiro-ministro Rishi Sunak disse em 14 de janeiro que o Reino Unido se tornaria o primeiro país a fornecer tanques de batalha principais para a Ucrânia, dizendo: “uma janela se abriu onde a Rússia está em desvantagem devido a problemas de reabastecimento e moral em queda”.

O Reino Unido deveria enviar 14 tanques de batalha principais Challenger 2 “nas próximas semanas” para trabalhar em combinação com 50 veículos de combate Bradley que os EUA estão enviando à Ucrânia para liderar um batalhão.

O Reino Unido também estava enviando peças de reposição para reformar até 100 tanques e veículos de combate de infantaria que aumentariam ainda mais a frota ativa da Ucrânia.

Seguiriam-se trinta obuseiros AS90, bem como “centenas” de veículos blindados e protegidos, dezenas de drones para ajudar a direcionar ataques de artilharia, além de defesa aérea Starstreak e mísseis de defesa aérea de médio alcance. O treinamento deveria começar “quase imediatamente” nos países vizinhos da Ucrânia.

O secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, disse ao Parlamento que era “o pacote mais significativo de poder de combate até hoje” do Reino Unido e significava que a Ucrânia “pode passar da resistência à expulsão das forças russas da Ucrânia”.

Mas a Grã-Bretanha também está tentando encorajar outros aliados “a implantar seu apoio planejado para 2023 o mais rápido possível para ter o máximo impacto”, disse o gabinete de Sunak.

A elevação do chefe de gabinete russo Valery Gerasimov a comandante do esforço de guerra na Ucrânia significa que uma nova ofensiva russa é esperada, possivelmente antes do fim do inverno.

“Com a deferência de Gerasimov ao presidente nunca em dúvida, agora esperaríamos uma tendência de volta à ofensiva russa”, disse Wallace.

A inteligência militar da Ucrânia disse que a Rússia está se preparando para lançar uma nova rodada de mobilização para criar um exército de dois milhões de soldados.

Isso é ainda mais do que o exército de 1,5 milhão de homens que o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou em dezembro e que o estado-maior ucraniano confirmou que estava em andamento em 12 de janeiro.

Expulsar os russos de suas defesas entrincheiradas exigia esse “novo nível de apoio”, disse Wallace, combinando tanques de batalha, artilharia divisional e ataques de precisão profunda contra munições inimigas e bunkers de comando.

Grandes decisões são, portanto, esperadas da reunião do Grupo de Contato de Defesa da Ucrânia na quinta e sexta-feira em Ramstein.

A caminho da reunião, o presidente do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, Mark Milley, parou para se encontrar com seu colega ucraniano Valerii Zaluzhnyi pela primeira vez em uma base militar não revelada no sudeste da Polônia.

Zaluzhnyi iria “descrever as condições táticas e operacionais no campo de batalha e quais são as necessidades militares para isso”, disse o coronel Dave Butler, porta-voz de Milley. Esperava-se que Milley compartilhasse essa informação com seus colegas do Ramstein, mas o clima já parecia estar mudando a favor da Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, disse estar “confiante” de que mais países enviarão tanques de guerra para a Ucrânia. “Há um impulso”, disse ele, após conversar com outros líderes no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *