Erdogan diz que Turquia se opõe à Finlândia e Suécia à OTAN


0

Ancara pode impedir a dupla de ingressar na aliança militar liderada pelos EUA, com a necessidade de um acordo unânime sobre novos membros.

Erdogan disse que foi um erro da Otan admitir a Grécia, com a qual Ancara está em desacordo em uma série de questões, em 1952 e pediu que ‘erros semelhantes’ sejam cometidos agora [File: Yves Herman/Pool/Reuters]

O presidente Recep Tayyip Erdogan disse que não é possível que a Turquia, membro da Otan, apoie a Suécia e a Finlândia a aderirem à aliança militar transatlântica após a invasão da Ucrânia pela Rússia, sinalizando um possível bloqueio às suas propostas de ascensão antecipadas.

Falando a repórteres em Istambul na sexta-feira, Erdogan disse que Ancara não tem “visões positivas” sobre os movimentos esperados dos países escandinavos para buscar a adesão, acusando-os de serem “hospedagens de organizações terroristas”.

“Eles são até membros do parlamento em alguns países. Não podemos ser a favor”, disse, sem dar mais detalhes.

A Turquia criticou repetidamente a Suécia e outros países da Europa Ocidental por lidar com organizações consideradas “terroristas” por Ancara, incluindo o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e as Unidades de Proteção do Povo Curdo Sírio (YPG), bem como os seguidores do Estudioso muçulmano baseado nos Estados Unidos Fethullah Gulen.

Ancara disse que os gulenistas realizaram uma tentativa de golpe em 2016. Gülen e seus apoiadores negam a acusação.

Líderes finlandeses pedem oferta da Otan ‘sem demora’

A oposição da Turquia pode representar um problema para a Suécia e a Finlândia, já que todos os 30 aliados da Otan devem aprovar por unanimidade um novo país que se torne parte da aliança liderada pelos Estados Unidos.

Erdogan disse que foi um erro da Otan admitir a Grécia, com a qual Ancara está em desacordo em uma série de questões, em 1952 e pediu que “erros semelhantes” sejam cometidos agora. A Turquia também aderiu à OTAN em 1952.

Seus comentários vieram depois que o presidente e primeiro-ministro da Finlândia disseram na quinta-feira que o país deve se inscrever para ingressar na aliança “sem demora” – comentários que provocaram a ira de Moscou e viram o Kremlin ameaçar retaliar, inclusive com medidas “técnico-militares” não especificadas.

A Finlândia, que compartilha uma fronteira de 1.300 quilômetros (810 milhas) com a Rússia, deve anunciar formalmente sua decisão no domingo, após uma reunião das principais figuras políticas do país. Espera-se que a Suécia siga o exemplo.

Respondendo mais tarde na sexta-feira aos comentários de Erdogan, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, pediu paciência e pediu uma abordagem passo a passo em resposta à resistência turca. Não houve resposta imediata da Suécia.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que ambos os países seriam bem-vindos à organização rapidamente caso buscassem a adesão.

INTERATIVO - Mapa da OTAN na Europa atualizado

oposição russa à expansão

A invasão da Ucrânia pela Rússia mudou a opinião política e pública na Finlândia e na Suécia a favor da adesão como um impedimento contra a agressão de Moscou.

Os dois já são os parceiros mais próximos da OTAN, participando de muitas reuniões, regularmente informados sobre a situação na Ucrânia e participando de exercícios militares regulares com aliados da OTAN. Grande parte de seu equipamento militar é interoperável com os aliados da OTAN.

No entanto, eles não podem se beneficiar da cláusula de defesa coletiva da OTAN – que um ataque a um aliado é um ataque a todos – até que se juntem à aliança.

Se eles se juntassem à aliança, isso redesenharia o mapa geopolítico do norte da Europa e criaria uma faixa praticamente ininterrupta de estados membros da OTAN enfrentando a Rússia do Ártico ao Mar Negro.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou repetidamente preocupação com as ondas de expansão da Otan nas últimas décadas e, no início deste mês, disse que enviou tropas de Moscou para a Ucrânia em resposta a um suposto aumento militar da aliança em territórios adjacentes à Rússia, entre outras coisas.

A Turquia criticou a invasão da Rússia, enviou drones armados para a Ucrânia e procurou facilitar as negociações de paz entre os lados.

No entanto, Ancara não apoiou as sanções ocidentais a Moscou e, em vez disso, procurou manter estreitos laços comerciais, energéticos e turísticos com a Rússia.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *