Debatendo o debate sobre a guerra russa na Ucrânia


0

Armar a mídia normaliza a guerra e mina a democracia.

Um menino fica ao lado de um veículo destruído em frente a um prédio de apartamentos danificado durante o conflito Ucrânia-Rússia na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, em 24 de abril de 2022.[Alexander Ermochenko/Reuters]

A guerra na Ucrânia, como todas as guerras, nasceu do pecado – um pecado terrível que até agora levou à morte de milhares, à destruição de cidades inteiras e ao deslocamento de milhões, com ramificações incalculáveis ​​para a segurança global.

Mas de quem foi o pecado?

Certamente não era da Ucrânia. A insistência de seu inexperiente presidente na adesão à OTAN pode ter sido imprudente, mas não foi um crime.

Deve ter sido da Rússia, obviamente. Ou foi – embora não tão óbvio – o pecado da América?

Washington e seus especialistas consideram o Kremlin de Putin a fonte de todo o mal. Eles acusam o presidente russo de abrigar ambições autoritárias e imperiais que lembram as vistas na Rússia imperial do século 19, e travar uma guerra sangrenta para desmembrar ou anexar grandes partes de um estado soberano, a Ucrânia. Eles alegam que no processo ele está desestabilizando a Europa e mudando a ordem mundial.

Bastante façanha.

Moscou e seus especialistas, por outro lado, veem Washington como a fonte de toda malevolência internacional, interferindo na política da Ucrânia e usando Kiev para minar a segurança da Rússia. Eles afirmam que a expansão da OTAN até suas fronteiras deixou Moscou sem escolha a não ser intervir para defender seus interesses vitais e proteger os cidadãos russos contra os “nazistas ucranianos” apoiados pelo Ocidente.

Bastante esticado.

Então, quem está certo e quem está errado aqui?

A resposta está em uma velha parábola sobre um homem que vai ao ancião da aldeia reclamar de seu vizinho. “Você está certo”, diz o mais velho. E quando o vizinho vem fazer reclamação semelhante, o ancião declara que está “certo também”. Mas “como ambos podem estar certos?” protesta o filho do mais velho, “quando só um pode ser!” “Você também está certo, meu filho”, proclama o mais velho.

Embora não seja um ancião, também acho que ambos os lados podem estar certos, como também espero estar.

A Rússia de fato invadiu sob falsos pretextos. Se tivesse alguma queixa real contra Kiev ou Washington, Moscou poderia ter seguido a ONU ou a via legal internacional. Ele tinha a influência para fazê-lo de forma eficaz. Em vez disso, escolheu a guerra – uma guerra convencional grosseira e antiquada.

O Kremlin sabe muito bem que boa parte dos problemas na Ucrânia são causados ​​por ele mesmo. Ajudou a desencadear esse episódio anexando a Crimeia e incentivando a secessão nas províncias do leste para desestabilizar o país depois que Kiev se voltou para o oeste no início de 2014.

O líder russo deixou claro em várias ocasiões que a Ucrânia ocupa um lugar particularmente especial no coração da Rússia e que ele não a abandonaria.

Putin acredita, como explicou em um artigo publicado no verão passado, que “russos e ucranianos eram um povo – um único todo”. Este teria sido um sentimento adorável se não fosse também imperial no coração.

É o sadismo disfarçado de “amor duro”. Em suma, a Ucrânia é indispensável para o renascimento imperial russo.

O que está acontecendo na Ucrânia também faz parte de um padrão. O Kremlin interveio em ex-repúblicas da União Soviética como Geórgia, Moldávia e Cazaquistão como parte da mesma ambição imperial.

De sua parte, Putin afirma estar agindo defensivamente contra a intervenção hostil dos EUA na esfera de influência da Rússia. Ele criticou e até condenou a “ordem mundial baseada em regras” liderada pelo Ocidente, ou melhor, a desordem impulsionada por violações implacáveis ​​​​dos EUA do direito internacional, incluindo interferência nos assuntos internos dos estados em todo o mundo.

Ele acusou os EUA de insistir em colocar a Ucrânia e a Geórgia em um caminho imediato para a adesão à OTAN em 2008, e depois instigar a chamada revolução Maidan na Ucrânia que depôs o aliado da Rússia, Viktor Yanukovych, em 2014. Hoje, ele culpa Washington por cinicamente prolongar a guerra armando a Ucrânia em uma guerra por procuração para enfraquecer a Rússia e seus militares.

Mas Putin é inflexível em acabar com as chamadas “revoluções coloridas” contra os aliados russos nas antigas repúblicas soviéticas.

É neste ponto em particular que Putin encontra um aliado estratégico no homem forte da China, Xi Jinping, que também está descontente com as constantes provocações e interferências dos EUA nos assuntos políticos e de segurança chineses e asiáticos, em nome da democracia e dos direitos humanos. .

Além disso, e para dar à América um sabor de seu próprio remédio, a Rússia passou a se intrometer nas próprias eleições dos EUA, colocando as democracias ocidentais na defensiva após a vitória de Donald Trump.

Em outras palavras, Putin tem feito tudo o que acusa os EUA de fazer, mas de forma mais grosseira. Sim, os EUA usaram cinicamente a Ucrânia contra a Rússia, mas parece-me que a intromissão dos EUA foi mais uma desculpa do que uma razão para a Rússia invadir a Ucrânia.

Tudo para dizer, há claramente alguma verdade e muito exagero nas posições americana e russa. Tudo isso levanta questões sobre a atuação da mídia em um ambiente tão polarizado e militarizado.

Afinal, apenas uma imprensa livre é capaz de interrogar o poder do Estado e divulgar os fatos sobre a guerra.

Não estou surpreso que, na Rússia autoritária, o governo tenha intimidado e silenciado os críticos de sua guerra, mas estou bastante chocado com os ataques venenosos aos críticos da política externa dos EUA por seus colegas jornalistas e cidadãos, acusando-os de agir como um “quinta coluna” em “A folha de pagamento de Putin”.

Não sei o que é pior, jornalistas obrigados a seguir a linha oficial, ou fazê-lo voluntariamente, até mesmo com entusiasmo, para progredir em Washington ou Londres.

Infelizmente, estamos testemunhando uma repetição da cobertura desastrosa da Guerra do Golfo de duas décadas atrás, onde grande parte da influente mídia anglo-saxônica ficou do lado cego e tolo da linha oficial.

Por alguma razão, muitos dos mesmos jornalistas de poltrona entusiasmados e especialistas em Chickenhawk, que entenderam tudo errado sobre a desastrosa Guerra do Iraque, sentem a necessidade, mais uma vez, de incitar os estabelecimentos ocidentais e esclarecê-los com insights militares.

Mas por que esses “formadores de opinião” continuam vendendo informações ou desinformação dos serviços militares e de inteligência? De novo e de novo?

Por que um jornalista, não menos um jornalista de mesa, deveria dar adendo sobre o tipo de armas necessárias contra os russos na Ucrânia, quando na realidade tudo o que os jornalistas sabem sobre o lado militar da guerra em curso na Ucrânia vem dos EUA e dos serviços militares e de inteligência ocidentais – os mesmos serviços que forneceram falsidades sobre “o Iraque nuclear armas”?

A verdadeira razão se esconde à vista de todos: eles estão se dirigindo ao público, não aos generais ou mesmo aos tomadores de decisão; normalizando o apoio dos EUA à guerra e moldando a opinião pública em seu lugar. Esse é um crime auto-infligido contra o jornalismo que mina a confiança do público na democracia liberal.

Quando os governos ocidentais expressam indignação moral, esses “formadores de opinião” exigem uma indignação ainda maior com a Rússia. Quando o governo dos EUA faz uma enorme contribuição militar e financeira para a Ucrânia, a última das quais é de US$ 33 bilhões, um influente meio de comunicação pede que o governo faça uma contribuição ainda maior e assuma riscos maiores – sabendo muito bem que uma guerra nuclear é um risco?

Da mesma forma, quando o presidente Biden chama Putin de criminoso de guerra e que ele tem que ir, os especialistas da mídia o superam chamando Putin de mal – puro mal – e instam a Casa Branca a não voltar atrás no comentário de Biden sobre a mudança de regime, insistindo que o deslize é um tapa necessário.

Nada disso quer dizer que os especialistas da mídia não devam defender o princípio da resistência, libertação e justiça. Eles devem. Ou que os jornalistas não tenham se destacado na cobertura das tragédias da guerra. Mais do que alguns têm.

Quando se trata de guerra, a mídia é indispensável para acender a luz, não para acender o fogo; fornecer mais fatos, menos hype; oferecer análise da guerra, não estratégias de campo de batalha; e, sim, promover a paz, não incitar a violência.

Armar a mídia é mais adequado a um regime autoritário do que a uma democracia. Isso enfraquece as chances de diplomacia e torna cada vez mais difícil alcançar ou aceitar um acordo pacífico quando chegar a hora, como deve ser. Pelo bem de todos os ucranianos. Para o bem de todos nós.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *