Curando Trauma Racial Durante o Mês da História Negra


0

Este mês deve ser uma pausa na luta de ser negro em um mundo racista.

Sadie Culberson / Stocksy United

Fevereiro é o mês da história negra. Geralmente é gasto reconhecendo e celebrando as conquistas dos negros.

Do famoso líder dos direitos civis Dr. Martin Luther King Jr. a Simone Biles, a ginasta americana mais condecorada que sempre impressiona o mundo, celebramos nossos líderes, atletas e artistas.

Celebramos a própria escuridão.

Além da celebração, no entanto, o Mês da História Negra é um momento de cura. O trauma que o racismo causa precisa ser reconhecido e reparado. Não podemos avançar na celebração da escuridão a menos que tratemos de nossas feridas.

O racismo não se limita a incidentes isolados. Os negros lidam com o racismo o tempo todo, mesmo quando ele é invisível. Pode haver efeitos de longo prazo e cumulativos. Eles simplesmente não vão embora.

É necessário um esforço concentrado para realizar a cura. Não podemos simplesmente varrê-lo para debaixo do tapete e fazer uma cara feliz para o Mês da História Negra.

Como o Mês da História Negra pode nos ajudar a curar?

O Mês da História Negra pode servir como um lembrete para o trabalho contínuo de desmantelar o racismo e elevar o bem-estar e a igualdade dos negros.

Ao trazer as experiências negras para o centro das atenções, podemos usar o ímpeto para fazer mudanças que duram o ano inteiro e além.

Validando experiências de racismo

Identificar e nomear experiências racistas é fundamental para o processo de cura. O primeiro passo para a cura é reconhecer não apenas o dano, mas também o sistema que o torna possível.

Muitas pessoas na comunidade negra educam ativamente os jovens sobre o racismo e os ajudam a contextualizar suas experiências. Isso serve como validação do que eles sabem e sentem inerentemente quando enfrentam o racismo, mas podem ser desencorajados a nomear apropriadamente por causa do desconforto de outras pessoas.

A validação é importante e é uma das maneiras pelas quais os negros se apoiam uns aos outros e ajudam a carregar o fardo coletivo sobre nossa saúde mental.

O Mês da História Negra ajuda a destacar o efeito cumulativo muito real, traumático e cumulativo do racismo sobre os negros, trazendo-o à atenção do público em geral.

Somos capazes de celebrar nossa negritude enquanto lembramos às pessoas que sobreviver nessas circunstâncias é uma façanha.

Celebrando a escuridão

Além de conversar com jovens negros sobre racismo, o Mês da História Negra é o momento de ensinar os jovens negros a amarem a si mesmos e aos outros. Enchemos nossos feeds de mídia social com trabalhos de artistas negros que apresentam e homenageiam os negros.

É importante ressaltar que há um amor especial pela arte que retrata pessoas de pele escura, pessoas com corpos maiores, pessoas queer e pessoas com deficiências. Ao compartilhar imagens da diversidade negra, aprendemos a aceitar nossas diferenças e respeitar as diferenças dos outros. Isso é modelar o que exigimos de pessoas não negras.

O foco intencional em se deleitar com a beleza negra quebra a falsa noção de que o negro não é bonito. Isso ajuda pessoas de todas as gerações a reconhecer nossa própria beleza sem comparação. Ele inspira uma confiança que não será ofuscada por padrões racistas de beleza.

Ao compartilhar imagens da diversidade negra, aprendemos a aceitar nossas diferenças e respeitar as diferenças dos outros. Isso é modelar o que exigimos de pessoas não negras.

Healthline

Confrontando a fonte

O enfrentamento das origens do trauma racial sempre foi uma prática do ativismo e, mais especificamente, da ação direta. Hoje, continua a ser parte integrante do trabalho de justiça racial.

A fonte não é apenas as pessoas racistas, mas o sistema que permite a proliferação de comportamentos racistas.

Policiais individuais estão sendo confrontados por meio de ações legais, como no caso após o assassinato de George Floyd e a ação por homicídio culposo movida pela mãe de Breonna Taylor, Tamika Palmer.

Os departamentos de polícia estão sendo confrontados por meio de protestos em massa, pedindo que sejam retirados os fundos, e os principais tomadores de decisão estão sendo chamados a deixar claras suas posições sobre policiamento, violência e racismo.

Enfrentar o trauma na origem também cria uma oportunidade para as comunidades se unirem, seja pessoalmente ou nas redes sociais. É preciso dar a conhecer quem não responde ao apelo à transformação e ao fim do racismo.

Geralmente é chamado de “cancelar cultura”, mas isso é simplesmente responsabilidade. Isso é confrontar a fonte e chamar a atenção para ela.

Financiando o anti-racismo

Ao tornar essas informações públicas, é possível que todos tomem decisões informadas sobre quem apóiam e como gastam seu dinheiro.

Isso geralmente leva ao redirecionamento de recursos para empresas e organizações de propriedade de negros comprometidas com a igualdade racial e a justiça.

Isso ajuda os negros a se capacitarem no conhecimento de que não temos que financiar os sistemas e as pessoas que têm a intenção de nos matar, e dá aos aliados as informações de que precisam para apoiar a igualdade.

Falando de reparações

Durante o Mês da História Negra, os negros buscam reparações.

Pessoas e organizações são chamadas não apenas a reconhecer seus erros, mas também a repará-los. As reparações pela escravidão é uma conversa ampla, matizada e contínua que muitos presumem ser sobre dinheiro.

Na realidade, é muito mais amplo do que isso.

As reparações se concentram nas condições materiais dos descendentes de escravos, além das finanças. Por exemplo, inclui cuidados de saúde em resposta a doenças crônicas que são resultado direto da escravidão e suas consequências.

Durante o Mês da História Negra, a conversa sobre reparações é estendida para abordar questões mais recentes que afetam grupos menores de pessoas.

É importante fazer perguntas como:

  • Como são as reparações para as pessoas que trabalham em organizações que perpetuam a disparidade salarial racial?
  • Como são as indenizações para as famílias das pessoas assassinadas pela polícia?
  • Como as reparações podem ter o maior impacto para o maior número de pessoas que sofreram danos?
  • Quem é o responsável por fazer as reparações?
  • Como deixar claro que as reparações não são uma dádiva ou benefício imerecido, nem que apagam o dano causado?

Saúde mental negra

Quando um erro é reconhecido, deve ser reparado. À medida que todas as pessoas se tornam mais conscientes da injustiça racial, os negros são mais capazes de responsabilizá-los.

Além do treinamento de diversidade e inclusão, os negros precisam de apoio psicossocial enquanto trabalhamos com traumas. A orientação profissional de profissionais de saúde mental Negros é importante e às vezes essencial para a cura.

Assim como ter espaço para cuidar da nossa saúde mental no dia a dia. Pedimos muito de nós mesmos. Podemos apoiar uns aos outros, normalizando o cuidado com nossa saúde mental individual e coletiva.

Enfatizando o descanso

Uma das práticas mais importantes que está crescendo em popularidade na comunidade negra é o descanso.

Faz parte do autocuidado, mas também um componente crítico do cuidado comunitário. Nós automaticamente associamos descanso e relaxamento com feriados e dias de observância, então fevereiro é um momento para apertar o botão de reinicialização e revisar nossas expectativas e dos outros.

Vivenciar e enfrentar o racismo e exigir reparações é trabalho, e acontece dentro e fora da educação e do emprego. O ativismo pode facilmente substituir os hobbies e o lazer, então o descanso deve se tornar uma prática intencional.

Por mais que os negros formem comunidades e criem espaços mais seguros uns para os outros, precisamos preservar nosso bem-estar físico e mental. Este mês, chovem pedidos para que os negros façam mais trabalho.

É tentador porque é importante ser visto e ouvido. É difícil recusar a oportunidade de contribuir para a transformação de que precisamos para criar igualdade e justiça racial.

Deve haver uma linha, no entanto. Deve haver um espaço de descanso e de convivência sem organização. Não podemos trabalhar incessantemente para resolver um problema que pertence aos brancos.

O descanso não precisa ser conquistado ou justificado, mas deve ser aproveitado.

Como as pessoas brancas podem apoiar a cura

Os brancos costumam perpetrar, perpetuar ou testemunhar o racismo sem intervenção. Enquanto nosso foco tende a ser nos primeiros dois grupos, o último grupo tem a responsabilidade de rejeitar seu próprio racismo passivo e repreender o racismo dos outros.

Reconheça o racismo

É importante que os brancos reconheçam o racismo quando ele está ocorrendo. Isso requer uma compreensão básica do racismo e do impacto do poder da brancura.

Os brancos podem aprender a questionar as normas prestando atenção ao que é dito quando os negros estão ou não na sala, como os negros são tratados de maneira diferente e as expectativas e suposições implícitas e explícitas feitas dos negros.

Estes são internalizados. É preciso trabalho consciente, consistente e dedicado para desaprender a ideologia racista.

Chame-o

Quando aprendem o que é racismo, sua aparência e podem reconhecê-lo quando ocorre, os brancos são responsáveis ​​por denunciá-lo.

Os negros enfrentam o racismo regularmente. Existem muito poucas interações com pessoas brancas e instituições onde isso não existe. É exaustivo para os negros abordar cada caso de racismo. Os brancos precisam dar um passo à frente.

Por sua própria natureza, o racismo simultaneamente obscurece a verdade dos negros e eleva as experiências e vozes dos brancos. É essencial que os brancos usem seu privilégio de falar.

À medida que os negros reivindicam o lazer, os brancos precisam assumir a responsabilidade pelo trabalho de anti-racismo.

Healthline

Carregue o fardo

Os negros merecem uma vida plena que inclua o lazer. Não deveríamos ter que trabalhar constantemente para ser vistos como valiosos, tanto em contribuições econômicas quanto em afirmações de nossa humanidade e direitos humanos.

Uma vez que os sistemas e comportamentos racistas são reconhecidos e condenados, os brancos precisam pedir mais ações. Não é suficiente reconhecer o que aconteceu. Os negros não deveriam se preocupar com a resolução de problemas quando não somos nós que defendemos o racismo.

Soluções precisam ser desenvolvidas para ter um impacto real na vida dos negros. Eles precisam ser mais do que simbólicos. Eles devem realmente mudar as condições materiais e as experiências vividas das pessoas envolvidas.

Os negros trabalham demais para combater e acabar com o racismo. O racismo foi criado por brancos e é sua responsabilidade desmantelá-lo.

Os negros não devem se preocupar com a resolução de problemas. Não somos nós que defendemos o racismo.

Healthline

A importância da história negra, neste mês e sempre

O Mês da História Negra deve ser uma pausa na luta que é ser negro em um mundo racista. É um momento de celebrarmos uns aos outros e nossa cultura. Nós merecemos ter tempo para fazer isso.

É o momento de os brancos que se consideram aliados fazerem um plano para que seu aliado dure o resto do ano.

Como você continuará a ensinar a história negra a seus próprios filhos, a praticar ativamente o anti-racismo e a criar um ambiente para os negros descansarem em segurança?

Todos nós sabemos que um mês não é suficiente.

O Mês da História Negra é simplesmente um catalisador. O trabalho para acabar com o racismo e curar traumas raciais é um trabalho diário. À medida que os negros reivindicam o lazer, os brancos precisam assumir a responsabilidade pelo trabalho de anti-racismo.

A transformação de que precisamos depende de todos fazendo a mudança.


Alicia A. Wallace é uma feminista negra queer, defensora dos direitos humanos das mulheres e escritora. Ela é apaixonada por justiça social e construção de comunidade. Ela gosta de cozinhar, assar, cuidar do jardim, viajar e conversar com todos e com ninguém ao mesmo tempo no Twitter.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format