Consultas em hospitais quando você tem endometriose


0

Entre as idades de 26 e 29 anos, tive nada menos que seis rompimentos de cistos ovarianos.

Na época, minha endometriose estava completamente fora de controle. Esses cistos faziam parte da dor crônica que tive de aprender a suportar ao longo daqueles anos.

Se você nunca teve um cisto ovariano estourado, posso dizer que é uma das coisas mais dolorosas que uma pessoa pode ter de experimentar. Começa com uma dor, geralmente na lateral ou nas costas. No início, a dor é controlável o suficiente. É quase como se você distendesse um músculo ou tivesse uma pontada na lateral do corpo.

Mas rapidamente essa dor aumenta, irradiando de trás para a frente até parecer que você está sendo apunhalado bem no ovário.

E você sabe que é o seu ovário. Pelo menos, sempre fiz. É uma dor tão única e inegável que você só precisa vivenciá-la uma vez para saber exatamente o que está acontecendo sempre que passar por ela novamente.

Infelizmente, convencer os médicos do pronto-socorro (ER) do que você já sabe nunca é tão simples.

Cada vez que eu tinha um cisto estourado, a dor me fazia vomitar, lutar para respirar, mal conseguia andar.

Eu iria ao hospital em busca de alívio, mas também ajuda: cistos em explosão podem levar à torção ovariana, quando um ovário se torce em torno dos tecidos que o sustentam, o que pode se tornar muito perigoso muito rápido.

As visitas ao pronto-socorro eram minha maneira de tentar permanecer vivo.

Experimentando viés de dor no pronto-socorro

Como qualquer mulher com dor crônica lhe dirá, os médicos nem sempre são rápidos em acreditar que uma mulher sente dor. Este é um fenômeno conhecido: as mulheres são tratadas de maneira diferente dos homens quando se queixam de dor em ambientes médicos.

É conhecido como “viés de dor”, em que os homens que apresentam dor são considerados corajosos, enquanto as mulheres que apresentam dor são tratadas como exageradamente emocional.

Eu vi em primeira mão.

Estive no hospital ao mesmo tempo que três homens diferentes que apresentaram sintomas de pedras nos rins. Todos os três receberam medicação para dor imediatamente, muito antes que os médicos pudessem confirmar o que estava acontecendo com eles.

Embora eu aparecesse nesses mesmos pronto-socorros, dobrado de dor e sabendo muito bem o que estava acontecendo, sempre fui tratado como um viciado em drogas.

Os médicos me olhariam com desconfiança. Os medicamentos seriam retidos por horas, até que ultrassons transvaginais dolorosos e invasivos pudessem provar que o que eu estava dizendo é verdade.

E mesmo quando esses testes confirmaram para os médicos que eu conhecia meu corpo tão bem quanto insistia que conhecia, não houve simpatia por minhas lágrimas. Nenhuma demonstração de humanidade em face da minha dor.

E certamente não estou sozinho nisso.

Como passar por sua próxima consulta de emergência relacionada à endometriose

Com o passar dos anos, e como resultado de consultas tanto com meu OB-GYN regular quanto com meu terapeuta, aprendi como manobrar melhor esse sistema defeituoso; como moderar minha dor, dizendo aos médicos que eu estava em um 7, mesmo que eu sentisse que estava em um 10, apenas para que eles me ouvissem antes de me dispensar imediatamente.

Eu desenvolvi um pequeno guia para passar por essas viagens o mais incólume possível. Aqui está meu conjunto de dicas que compartilhei com muitas mulheres recém-diagnosticadas com endometriose ao longo dos anos.

Leve seu histórico médico

Eu mantive um caderno onde coloquei todos os meus arquivos médicos, tudo de minhas cinco cirurgias e visitas anteriores ao pronto-socorro.

Eu até tinha uma nota do meu médico confirmando meu diagnóstico de endometriose em estágio 4, bem como o número de sua casa, se os médicos do pronto-socorro quisessem consultar meu caso. Isso pelo menos deu legitimidade às minhas afirmações quando apareci soluçando de dor.

Traga alguém com você

No auge da minha batalha contra a endometriose, eu era uma mulher solteira que vivia sozinha. E ao contrário do que alguns médicos do pronto-socorro podem ter pensado de mim, eu odiava ser visto como excessivamente dramático ou colocar o fardo de meus cuidados sobre qualquer outra pessoa.

Então, nessas primeiras viagens ao pronto-socorro, viajei sozinho. Peguei táxis e não contei a ninguém.

Paguei caro por essas decisões estóicas. Os médicos presumiram que eu estava apenas tentando conseguir drogas. Acabei descobrindo que precisava de um advogado comigo quando apareci no pronto-socorro.

Eu estava com muita dor para me comunicar com eficácia e não poderia lutar por mim mesma naquele estado. Ter um amigo que conhecia minha história vindo comigo significava ter outra voz na sala me defendendo.

E isso é inestimável quando você está em uma situação em que os médicos não estão ouvindo o que você tem a dizer.


“Eu acho muito importante que alguém esteja lá encorajando você, torcendo por você, dizendo que você não está sozinho, ajudando você a se sentir mais forte e poderoso.”

– Tia Mowry, diagnosticada com endometriose em 2006

Healthline

Peça uma médica

Não quero menosprezar os médicos do sexo masculino. Meu incrível cirurgião de endometriose é um homem e um dos maiores especialistas em endometriose que já conheci.

Mas, pela minha experiência, sua compaixão pelas mulheres que lutam contra essa doença é única. E todas as minhas visitas mais traumáticas ao hospital envolveram um médico que não acreditava que eu estava sentindo tanta dor quanto disse que estava.

Também tive experiências ruins com médicas, mas, em geral, descobri que elas são uma aposta melhor do que os homens nessas situações.

Isso não é infalível, é claro. A maioria dos hospitais passou décadas tentando reduzir a prescrição de analgésicos desnecessários aos pacientes, e por um bom motivo: a crise de opióides neste país é muito real.

Mas a dor da endometriose também. Houve ocasiões em que analgésicos prescritos são a única maneira de superar a dor que experimentei.

Abra-se com o seu médico

Por fim, conversei com meu médico sobre as experiências que estava tendo no pronto-socorro. Ela acabou prescrevendo uma receita para um número muito pequeno de analgésicos fortes para eu manter à mão.

Eu os guardei na parte de trás do meu armário de remédios para aqueles dias em que a dor é muito forte para lidar. Eu só tive que alcançá-los duas vezes enquanto sentia cistos estourados e decidi não ir ao hospital.

Essa não é uma decisão que eu recomendaria a qualquer outra pessoa. No meu caso, senti que conhecia meu corpo bem o suficiente para fazer essa ligação. Eu simplesmente não estava preparada para a tortura que sabia que seria uma visita ao pronto-socorro.

Já se passou quase uma década desde que precisei de algo tão forte. A cirurgia de excisão com um dos maiores especialistas em endometriose do país literalmente me devolveu a vida. Como resultado, parei de ter que fazer aquelas viagens desconfortáveis ​​para o hospital.

Há alguns anos, encontrei aquele frasco de analgésicos no fundo do meu armário de remédios. Ainda continha três comprimidos, há muito vencidos.

Enfiei-os em uma jarra de vidro que enchi com gordura de bacon, fechei a tampa e joguei tudo fora.

O takeaway

Espero nunca mais me encontrar nessa posição. Mas ainda mais do que isso, gostaria que nenhuma mulher o fizesse.

Não está certo que nossa dor seja tratada de maneira tão diferente da dos homens. Não é justo termos que lutar tanto para ser ouvidos. Mas saber o que esperar e se preparar com as dicas acima são coisas que você pode fazer para ajudar a tornar a experiência o mais indolor possível.

Em todos os sentidos da palavra.


Leah Campbell é escritora e editora e mora em Anchorage, Alasca. Ela é uma mãe solteira por opção depois de uma série de eventos fortuitos que levaram à adoção de sua filha. Leah também é autora do livro “Fêmea Infertil Simples”E escreveu extensivamente sobre os tópicos de infertilidade, adoção e parentalidade. Você pode se conectar com Leah viao Facebook, sualocal na rede Internet, eTwitter.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format