Compreendendo o Ciclo do Abuso


0

closeup de mulher com os olhos fechados contra o fundo cor de pêssego
Nick Dolding / Getty Images

Terapeutas e outros especialistas costumam falar sobre o abuso como algo que acontece dentro de um ciclo claramente definido. Mas o que é esse ciclo, exatamente?

Por décadas, muitos especialistas confiaram no ciclo estabelecido na década de 1970 pela psicóloga Lenore Walker em seu livro “The Battered Woman”. Foi baseado em evidências anedóticas de entrevistas com mulheres heterossexuais que sofreram abuso.

Este ciclo envolve quatro etapas:

  1. aumentando a tensão
  2. um incidente de abuso
  3. reconciliação
  4. calma

O ciclo de Walker oferece informações úteis sobre os sinais e estágios do abuso, e muitos defensores e profissionais de tratamento o usam hoje.

Ainda assim, os críticos notaram algumas limitações importantes com este modelo. E se você já sofreu abuso, pode descobrir que não parece totalmente preciso.

Continue lendo para aprender mais sobre os elementos do ciclo, por que ele pode não ser tão útil quanto os especialistas pensavam e outras maneiras de pensar sobre os padrões de abuso.

Um olhar mais atento sobre o ciclo de 4 partes

O ciclo de abuso, às vezes também chamado de ciclo de violência, ajuda a ilustrar padrões comuns de comportamento abusivo nos relacionamentos.

Também ajuda a fornecer pistas para uma compreensão mais profunda de por que as pessoas que sofrem abuso costumam ter dificuldade para se libertar.

1. As tensões aumentam

Parceiros abusivos frequentemente atacam em resposta a estressores externos. Qualquer coisa pode alimentar a tensão: questões familiares, problemas no trabalho, doenças físicas, fadiga.

A frustração e a insatisfação se intensificam com o tempo, muitas vezes gerando sentimentos de impotência, injustiça, raiva e paranóia.

Sentindo a tensão latente, você pode tentar encontrar maneiras de aplacar o parceiro abusivo e evitar que o abuso aconteça.

Você pode se sentir ansioso, em guarda e hiper-alerta para as necessidades potenciais deles. Você pode alternar entre ficar na ponta dos pés em torno deles, tentando não provocá-los, e fazer um esforço extra para fornecer suporte físico e emocional.

2. Incidente de abuso ou violência

O agressor eventualmente libera essa tensão sobre os outros, tentando recuperar o poder estabelecendo o controle.

O abuso pode envolver:

  • insultos ou xingamentos
  • ameaças de dano ou destruição de propriedade
  • tenta controlar seu comportamento
  • violência sexual ou física

  • manipulação emocional

Eles podem acusá-lo de deixá-los bravos ou culpá-lo por seus “problemas de relacionamento”.

Lembre-se de que as pessoas optam por abusar de outras. Qualquer tensão que eles experimentem pode ajudar explicar o abuso, mas nunca o desculpa.

3. Reconciliação

Após o incidente de abuso, a tensão começa gradualmente a diminuir. Na tentativa de superar o abuso, o agressor costuma usar gentileza, presentes e gestos de amor para iniciar um estágio de “lua de mel”.

Esse comportamento dedicado pode desencadear a liberação de dopamina e oxitocina, ajudando você a se sentir ainda mais unido e levando-o a acreditar que tem seu relacionamento “real” de volta.

4. Calma

Para manter a paz e a harmonia, ambas as partes geralmente precisam apresentar algum tipo de explicação ou justificativa para o abuso.

O parceiro abusivo pode:

  • peça desculpas enquanto culpa os outros
  • apontar para fatores externos para justificar seu comportamento
  • minimizar o abuso ou negar que aconteceu
  • acuse você de provocá-los

Eles podem mostrar muito remorso, garantir que isso não acontecerá novamente e parecer mais sintonizados com suas necessidades do que o normal. Você pode começar a aceitar as desculpas deles, até mesmo duvidar de sua memória do abuso. Talvez seja realmente era nada, como eles disseram.

Essa prorrogação oferece alívio da tensão e da dor física e emocional.

Você pode ter certeza de que tudo o que os aborreceu e desencadeou o abuso já passou. Você não pode acreditar que eles fariam algo assim novamente.

Enxague e repita

Este ciclo então se repete com o tempo.

No entanto, esse “ciclo” acontece continuamente em relacionamentos abusivos. O período de tempo entre cada repetição pode variar. Freqüentemente, diminui com o tempo conforme o abuso aumenta.

Com o passar do tempo, o período de calma pode se tornar muito curto ou até mesmo desaparecer totalmente do ciclo.

Por que pode não ser muito útil

Embora o abuso muitas vezes aconteça em um ciclo ou dentro de um padrão mais amplo, não acontece da mesma forma o tempo todo, mesmo no mesmo relacionamento.

Narrativas que sugerem o contrário podem ignorar sinais importantes de abuso e negar as experiências dos sobreviventes.

Embora reconheçam os usos do ciclo de quatro partes de Walker, os especialistas simultaneamente levantaram questões em torno de algumas das principais falhas.

Centra-se em mulheres abusadas por homens

A pesquisa de Walker se concentrou em mulheres que sofreram abuso de parceiros homens. Ela usou suas histórias para desenvolver o ciclo, introduzindo os termos “mulher espancada” e “síndrome da mulher espancada” como formas de falar sobre violência doméstica e abuso.

Violência masculina contra as parceiras faz constituem um componente significativo da violência praticada pelo parceiro íntimo. No entanto, olhar para o abuso por meio dessa lente heteronormativa torna mais difícil reconhecer as experiências de pessoas que não se enquadram nesse modelo.

Se você não acredita que pode sofrer abusos devido ao seu sexo ou tipo de relacionamento, você pode não perceber ou até mesmo procurar os sinais.

Ao buscar apoio, você pode encontrar dúvidas, até mesmo demissão, de profissionais e entes queridos que têm uma compreensão limitada da natureza complexa do abuso.

Pode levar à culpa da vítima

A ideia de que o abuso sempre acontece no mesmo ciclo pode tornar mais fácil para estranhos, abusadores e até os próprios sobreviventes colocar a culpa pelo abuso onde não pertence:

  • “Você tinha que saber que isso aconteceria de novo.”
  • “Eles não teriam ficado com tanto ciúme e raiva se eu não tivesse saído.”
  • “Você deveria ter saído assim que eles se acalmaram.”

Em todos os casos, porém, a responsabilidade pelo abuso é do agressor. Não importa o que você fez ou deixou de fazer, o abuso nunca é sua culpa.

É normal querer ter fé em alguém que você ama quando essa pessoa promete mudar. Mesmo quando você não acredita totalmente neles, você pode se preocupar se tentar ir embora possa provocar abusos mais graves.

Você também pode duvidar que tenha os recursos ou a capacidade de se sustentar, uma ideia que os abusadores costumam reforçar. Permanecer no relacionamento e tentar mantê-los calmos, então, muitas vezes se torna uma estratégia de sobrevivência em si.

Está um pouco desatualizado

A definição de abuso mudou e se expandiu ao longo dos anos para incluir quaisquer táticas usadas para controlar ou manter o poder sobre os outros, como:

  • controle financeiro
  • ameaças de violência sexual
  • humilhação
  • degradação verbal

O ciclo de quatro partes reconhece que o abuso pode envolver dano verbal ou emocional, mas ainda se concentra principalmente na violência física. As táticas de abuso não físico, que podem ocorrer em todos os estágios do ciclo, ainda podem causar muitos danos.

Considere, por exemplo, a tendência dos abusadores de ignorar ou negar o abuso. Esta manipulação é uma forma de abuso, mesmo que aconteça durante as fases de reconciliação ou calma. E esse comportamento específico pode tornar mais difícil deixar o relacionamento.

Sugere que o abuso pode ser previsto

O abuso geralmente acontece sem aviso, fora de qualquer ciclo definido.

Claro, certos sinais de alerta podem sugerir a possibilidade de abuso, mas ninguém pode prever com certeza se isso acontecerá e quando.

O abuso geralmente começa lenta e sutilmente, sem violência física. Muitas pessoas não percebem o que está acontecendo, mesmo que tenham alguma familiaridade com esses estágios tradicionalmente aceitos.

Considere também que qualquer pessoa pode perpetuar ou sofrer abusos. Buscar sinais de abuso apenas em pessoas de um gênero, comunidade ou histórico específico pode limitar a consciência de outras situações de abuso.

Existe uma alternativa mais útil?

Na década de 1980, os membros da equipe dos Programas de Intervenção de Abuso Doméstico desenvolveram uma nova abordagem para examinar o abuso: a Roda de Poder e Controle. Esta roda oferece um diagrama conciso de alguns dos comportamentos mais comuns experimentados por pessoas em relacionamentos abusivos.

Experiências detalhadas de sobreviventes informaram o desenvolvimento desta roda, assim como Walker usou relatos de mulheres espancadas para criar seu ciclo de quatro partes.

Mas os criadores do Power and Control Wheel também queriam enfatizar a gama de comportamentos usados ​​por parceiros manipuladores e abusivos.

Você pode visualizar a roda aqui e encontrar dicas para lê-la abaixo:

  • Poder e controle são o centro da roda, representando os objetivos do abuso: exercer poder e domínio para manter o controle no relacionamento.
  • Nos raios, você encontrará as várias táticas usadas para atingir esses objetivos e manter a pessoa que está sofrendo o abuso se sentindo impotente para agir.
  • Do lado de fora da roda aparecem expressões físicas de abuso: lesão corporal ou agressão sexual. Esse aro fecha a roda, por assim dizer; os abusadores costumam usar a agressão física para reforçar o padrão de intimidação que ocorre no dia-a-dia.

Essa roda quebra o ciclo de abuso, deixando claro que, embora os atos de violência possam não acontecer regularmente, o abuso geralmente acontece de forma contínua.

Ao dar exemplos específicos de táticas emocionais e verbais, essa roda também torna mais fácil identificar o abuso e obter apoio.

Limitações da roda de potência e controle

Embora a roda de força e controle ofereça uma imagem mais matizada da natureza insidiosa e consistente do abuso, ela não é perfeita.

A roda explora o abuso que ocorre no mesmo contexto heteronormativo do ciclo de quatro partes. Embora ilustre com eficácia a dinâmica de poder e os desequilíbrios que caracterizam os relacionamentos em que os homens abusam das mulheres, não aborda as várias dinâmicas presentes em outros cenários.

Remover os pronomes de gênero da roda pode ajudar a reconhecer que pessoas de qualquer gênero, em qualquer tipo de relacionamento, podem sofrer abusos.

No entanto, o abuso experimentado por homens e pessoas em relacionamentos não heterossexuais geralmente está relacionado a fatores que essa roda não leva em consideração.

Uma compreensão mais abrangente dos fatores que levam ao abuso em qualquer tipo de relacionamento ajudará muito a ajudar outros sobreviventes a se abrirem sobre o abuso e a obterem apoio.

Sinais universais de abuso que todos devem saber

Como o abuso pode acontecer de várias maneiras, as pessoas podem não reconhecê-lo imediatamente, mesmo quando o experienciam diretamente.

Nem todos os abusadores usam as mesmas táticas. Eles podem nem mesmo ameaçar com violência física. Ainda assim, várias características-chave quase sempre indicam violência doméstica.

Parceiros abusivos muitas vezes tentam manter o poder das seguintes maneiras:

  • tomando todas as decisões
  • controlando suas palavras e comportamento
  • impedindo você de ir para o trabalho, de passar tempo com amigos ou entes queridos ou de ver seu médico
  • ameaçando animais de estimação e crianças
  • destruindo pertences
  • culpando você pelo comportamento deles
  • pegando ou controlando seu dinheiro
  • te pressionando para fazer sexo
  • passando por seu telefone e computador

É melhor falar com um terapeuta ou advogado imediatamente se seu parceiro fizer alguma dessas coisas ou você:

  • geralmente me sinto desconfortável e inseguro
  • encontre-se alterando seu comportamento para mantê-los felizes
  • acredito que eles podem te machucar se você não fizer o que eles pedem

Nosso guia de recursos de violência doméstica pode ajudá-lo a dar o primeiro passo.

O resultado final

O ciclo de quatro partes do abuso oferece um método de compreensão de certos tipos de abuso no relacionamento. No entanto, esses quatro estágios não são imutáveis, então usá-los para fazer previsões sobre o abuso nem sempre é útil.

O abuso é complicado e muitas vezes difícil de reconhecer e escapar. Este lembrete essencial pode fazer uma grande diferença, tanto para os defensores que aprendem a identificar os principais sinais quanto para os sobreviventes que trabalham para a recuperação.

Não tem certeza se está sofrendo abuso? Ligue para a Linha Direta Nacional de Violência Doméstica pelo telefone 800-799-7233 ou visite o site para obter suporte confidencial e gratuito.


Crystal Raypole já trabalhou como escritor e editor da GoodTherapy. Seus campos de interesse incluem línguas e literatura asiáticas, tradução para o japonês, culinária, ciências naturais, positividade sexual e saúde mental. Em particular, ela está empenhada em ajudar a diminuir o estigma em torno de questões de saúde mental.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format