Como saber se você tem Síndrome de Brugada


0

A síndrome de Brugada é uma condição séria que interrompe o ritmo normal do seu coração. Isso pode levar a sintomas potencialmente fatais e até a morte.

A prevalência exata é desconhecida, mas estima-se que cerca de 5 em 10.000 pessoas sejam afetadas pela síndrome de Brugada em todo o mundo.

Continue lendo para saber mais sobre a síndrome de Brugada, suas causas e como é diagnosticada e tratada.

Causas

Na síndrome de Brugada, os ventrículos do seu coração batem com um ritmo anormal. Isso significa que a eletricidade vai das câmaras inferiores às câmaras superiores, em vez da via normal (de cima para baixo) de condução.

Isso resulta em arritmia ventricular denominada taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular. Quando isso ocorre, seu coração não consegue bombear sangue com eficiência para o resto do corpo e pode causar parada cardíaca ou desmaio.

A causa da síndrome de Brugada é frequentemente genética. No entanto, às vezes também pode ser adquirido. Vamos explorar os dois tipos abaixo.

Síndrome de Brugada herdada

Em muitos casos, mutações genéticas podem levar à síndrome de Brugada. Essas mutações podem ser herdadas de um dos pais ou ser devidas a novas mutações genéticas adquiridas.

Existem várias mutações genéticas associadas à síndrome de Brugada. Mutações em um gene chamado SCN5A são as mais comuns. Estima-se que 15 a 30 por cento das pessoas com síndrome de Brugada têm uma mutação nesse gene.

O SCN5A é responsável por produzir uma proteína chamada canal de íon sódio. Os canais de íons de sódio permitem que os íons de sódio entrem no músculo cardíaco, direcionando a atividade elétrica que faz o coração bater.

Quando o SCN5A é mutado, o canal de íons não pode funcionar corretamente. Isso, por sua vez, afeta a maneira como seu coração bate.

Existem outras mutações genéticas que também podem levar à síndrome de Brugada. Essas mutações também podem afetar a localização ou o funcionamento dos canais de íons sódio. Outros canais iônicos importantes, como os que transportam potássio ou cálcio, também podem ser afetados.

Síndrome de Brugada adquirida

Algumas pessoas com síndrome de Brugada não têm uma mutação genética associada à condição. Nesses casos, outros fatores podem causar a síndrome de Brugada, incluindo:

  • uso de certos medicamentos, como medicamentos específicos usados ​​para tratar outras arritmias, pressão alta ou depressão
  • use drogas como cocaína
  • desequilíbrios eletrolíticos, particularmente em potássio e cálcio

Também é importante observar que qualquer um dos fatores acima também pode desencadear sintomas em alguém com síndrome de Brugada herdada.

Sintomas

Muitas pessoas não sabem que têm síndrome de Brugada. Isso ocorre porque a condição não causa sintomas visíveis ou causa sintomas semelhantes a outras arritmias.

Alguns sinais de que você pode ter a síndrome de Brugada incluem:

  • sentindo zonzo
  • experimentando palpitações cardíacas
  • com batimentos cardíacos irregulares
  • ofegante ou com dificuldade em respirar, principalmente à noite
  • convulsões
  • desmaio
  • parada cardíaca súbita

Os sintomas também podem ser causados ​​por vários fatores, incluindo:

  • com febre
  • sendo desidratado
  • desequilíbrio eletrolítico
  • certos medicamentos
  • uso de cocaína

Diagnóstico

Além de um exame físico, seu médico fará os seguintes testes para ajudar a diagnosticar a síndrome de Brugada:

Eletrocardiograma (ECG)

Um eletrocardiograma é usado para medir a atividade elétrica que ocorre a cada batimento cardíaco. Os sensores colocados em seu corpo registram a força e o tempo dos impulsos elétricos gerados a cada batimento cardíaco.

Esses impulsos são medidos como um padrão de onda em um gráfico. Com base no padrão gerado, seu médico pode identificar ritmos cardíacos irregulares. Existem padrões específicos de ondas de ECG associados à síndrome de Brugada.

Um ECG regular pode não ser suficiente para diagnosticar a síndrome de Brugada. O seu médico pode lhe dar um medicamento específico durante um ECG que pode ajudar a revelar padrões de ondas específicos de Brugada em pessoas com síndrome de Brugada.

Eletrofisiologia (EP)

O seu médico pode querer realizar um teste de EP se o seu eletrocardiograma indicar que você pode ter a síndrome de Brugada. Um teste de EP é mais invasivo que um eletrocardiograma.

Em um teste de EP, um cateter é inserido em uma veia da virilha e enfiado no coração. O médico então direciona os eletrodos através do cateter. Esses eletrodos medem os impulsos elétricos em diferentes pontos do seu coração.

Teste genético

O seu médico pode recomendar testes genéticos, principalmente se alguém da sua família imediata tiver a doença. É coletada uma amostra de sangue que pode ser testada quanto a mutações genéticas conhecidas por estar associadas à síndrome de Brugada.

Fatores de risco

Existem alguns fatores de risco para o desenvolvimento da síndrome de Brugada. Esses incluem:

  • História de família. Como as mutações que causam a síndrome de Brugada podem ser herdadas, se alguém da sua família imediata tiver, você também pode tê-lo.
  • Sexo. Embora a condição possa afetar homens e mulheres, é 8 a 10 vezes mais comum em homens do que em mulheres.
  • Raça. A síndrome de Brugada parece ocorrer com mais frequência em pessoas de ascendência asiática.

Tratamentos

Atualmente, não há cura para a síndrome de Brugada. No entanto, existem maneiras de evitar sintomas potencialmente fatais.

Desfibrilador implantado

Este é um pequeno dispositivo médico colocado sob a pele na parede torácica. Se detectar que seu coração está batendo irregularmente, ele emitirá um pequeno choque elétrico para ajudar a retornar o batimento cardíaco ao normal.

Esses dispositivos podem causar complicações próprias, como choques quando o coração não está batendo regularmente ou infecção. Por esse motivo, eles geralmente são usados ​​apenas para pessoas com alto risco de ritmos cardíacos perigosos.

Indivíduos de alto risco incluem aqueles com histórico de:

  • problemas sérios com ritmo cardíaco
  • desmaio
  • sobreviver a uma parada cardíaca súbita anterior

Medicamentos

Um medicamento chamado quinidina pode ajudar a prevenir ritmos cardíacos perigosos. Pode ser útil como um tratamento suplementar em pessoas com um desfibrilador implantado e também como um tratamento em pessoas que não podem receber um implante.

Remoção por radiofrequência

A ablação por radiofrequência é um tratamento novo e emergente para a síndrome de Brugada. Envolve o uso cuidadoso de uma corrente elétrica para destruir as áreas que se acredita estarem causando ritmos cardíacos anormais.

A eficácia a longo prazo do procedimento e o risco de recorrência ainda estão sendo determinados. Portanto, atualmente é recomendado para pessoas com sintomas frequentes e ainda é um pouco experimental.

Mudancas de estilo de vida

Como existem alguns fatores conhecidos que podem desencadear os sintomas da síndrome de Brugada, você pode tomar medidas para evitá-los. Esses incluem:

  • usando medicamentos sem receita para ajudar a diminuir a febre
  • certifique-se de manter-se hidratado e substituir seus eletrólitos, especialmente se você estiver com vômito ou diarréia
  • evitando medicamentos ou drogas que podem desencadear sintomas

Quando consultar um médico

Se você tiver palpitações cardíacas ou batimentos cardíacos irregulares, é sempre uma boa regra procurar seu médico. Embora a síndrome de Brugada possa não ser a causa, você pode ter outra condição do ritmo cardíaco que precisa de tratamento.

Além disso, se alguém da sua família imediata tiver síndrome de Brugada, fale com o seu médico. Eles podem recomendar testes genéticos para determinar se você também tem síndrome de Brugada.

A linha inferior

A síndrome de Brugada é uma condição que afeta o ritmo do seu coração. Isso pode levar a condições graves ou com risco de vida, como palpitações cardíacas, desmaios e até morte.

A síndrome de Brugada pode ocorrer a partir de mutações genéticas ou ser adquirida devido a outras condições, como drogas específicas ou desequilíbrios eletrolíticos. Embora atualmente não exista cura para a síndrome de Brugada, existem maneiras de gerenciá-la para prevenir sintomas perigosos ou parada cardíaca.

Se você suspeitar que tem a síndrome de Brugada ou alguém da sua família, fale com o seu médico. Eles podem ajudar a determinar se você tem síndrome de Brugada ou outra arritmia que requer tratamento.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format