Como reconhecer e enfrentar o trauma racial


0

closeup retrato de mulher negra com blong curto e óculos de ouro
Westend61 / Getty Images

Trauma refere-se a uma resposta emocional a um evento perturbador, como um desastre natural ou um crime violento.

O trauma racial é uma reação a experiências de racismo, incluindo violência ou humilhação. Você também pode ouvi-lo referido como trauma baseado em raça ou estresse traumático baseado em raça.

Todos os tipos de trauma, incluindo o trauma racial, podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), uma condição de saúde mental marcada por uma série de efeitos físicos e mentais.

Dado o quão galopante é o racismo, é quase impossível para negros, indígenas e pessoas de cor (BIPOC) evitar algum nível de trauma racial.

Aqui está um olhar mais atento sobre o que envolve trauma racial e como encontrar apoio culturalmente apropriado.

Quem é afetado

O trauma racial afeta qualquer pessoa que experimente racismo. Essas experiências não precisam ser diretas.

Se você é negro, por exemplo, a exposição repetida a filmagens ou relatos escritos da brutalidade policial contra outros negros é traumática.

Se você é asiático, ler relatos de crimes de ódio contra asiáticos durante a pandemia COVID-19 pode ser traumático.

Você pode não ter experimentado essas coisas sozinho, mas o impacto da informação pode causar um sofrimento significativo, especialmente se o fizer lembrar de experiências anteriores de racismo.

O trauma racial também pode ser intergeracional, o que significa que pode afetar várias gerações. Você pode experimentar traumas raciais se um ancestral experimentou racismo contínuo, especialmente por meio de coisas como genocídio, escravidão ou campos de internamento.

Leia mais sobre como o trauma pode ser transmitido de geração em geração.

Como aparece

As experiências traumáticas ativam a reação de luta, fuga ou congelamento do seu corpo. Ele desencadeia a liberação de hormônios do estresse (cortisol e adrenalina). Esta versão causa uma série de mudanças fisiológicas, incluindo aumento da frequência cardíaca e alerta mental elevado.

Essa resposta ao estresse foi projetada para ajudá-lo a sobreviver a ameaças de perigo, fugindo, revidando ou parando. Uma vez que a experiência termina, o corpo retorna gradualmente ao seu estado normal.

Mas dado o quão desenfreado é o racismo, BIPOC muitas vezes experimenta repetidamente traumas raciais, que podem levar ao desenvolvimento de uma série de sintomas.

Alguns desses sintomas incluem:

  • Hipervigilância ou maior apreensão. Você pode sentir medo intensificado de se envolver com pessoas em certos ambientes após experiências de racismo. Se você sofrer violência racista após um encontro com as autoridades policiais, poderá ficar tenso ao passar por um carro da polícia na rua.
  • Ansiedade e depressão. Com o tempo, você pode começar a sentir sintomas de saúde mental normalmente associados à ansiedade ou depressão.
  • Pesadelos ou flashbacks. Quando algo o lembra de um evento racista traumático (digamos, um podcast descrevendo um crime de ódio baseado em raça em detalhes), você pode ter pesadelos de flashbacks desse evento.
  • Maior uso de substâncias. Para alguns, o uso crescente de substâncias, incluindo álcool, pode ser uma forma de lidar com o sofrimento do trauma racial.
  • Comportamento mais agressivo. A exposição consistente ao racismo pode fazer com que você se sinta preocupado com sua segurança, o que pode resultar em aumento da agressão na tentativa de proteger melhor a si mesmo e seus entes queridos.
  • Esperança reduzida para o futuro. As preocupações crônicas de ser prejudicado por pessoas e atos racistas podem fazer com que seja difícil ter esperança quanto ao futuro, tanto para você quanto para as pessoas próximas a você.

Os efeitos de longo prazo

Todos os sintomas discutidos acima podem ter um impacto duradouro na saúde mental. O estresse contínuo de experimentar o racismo pode aumentar o risco de problemas crônicos de saúde.

Um estudo de 2019 sugere uma conexão entre a maior exposição à discriminação racial e o aumento da inflamação, o que pode aumentar o risco de doenças crônicas.

E um Estudo de 2006 da mesma forma, relaciona a experiência de discriminação racial com uma carga alostática mais alta, que se refere ao “desgaste” geral do corpo.

As mulheres afro-americanas carregavam a carga alostática mais alta, o que os autores do estudo sugerem que pode ser devido ao “risco duplo” de sofrer discriminação racial e de gênero.

Leia mais sobre por que o racismo é uma crise de saúde pública.

Estratégias de enfrentamento

Traumas raciais podem afetar sua qualidade de vida, portanto, encontrar apoio profissional é uma medida acertada (mais sobre isso na próxima seção).

Enquanto isso, há maneiras de se sustentar agora.

Pratique o autocuidado

Em primeiro lugar, praticar o autocuidado é fundamental. Traumas raciais podem afetar sua saúde mental e física, por isso é importante priorizar coisas como comer regularmente e descansar o suficiente.

O mesmo vale para hobbies ou atividades que o ajudam a se sentir renovado, seja ler um livro, fazer um projeto de arte ou fazer uma caminhada.

Também pode valer a pena explorar alguns novos limites em torno do consumo de mídia social e notícias, já que ambas podem ser fontes de informações angustiantes.

Explore oportunidades de ativismo

Para alguns, conectar-se com outras pessoas em sua comunidade e se envolver em diferentes formas de ativismo pode ser uma experiência de cura.

UMA Papel de 2019 no jornal American Psychologist observa que, após o trauma dos campos de internamento usados ​​na Segunda Guerra Mundial, alguns nipo-americanos consideraram empoderador exigir o reconhecimento de irregularidades por parte do governo dos Estados Unidos.

Além de proporcionar um senso de justiça e fechamento, também permitiu que eles se conectassem com sua comunidade e encontrassem pertencimento ao celebrar as práticas ancestrais japonesas.

Participar de protestos locais ou reuniões da comunidade pode ser uma boa maneira de começar a se envolver. Apenas esteja atento à sua energia. Esse tipo de trabalho pode ser exaustivo, por isso é importante ainda reservar tempo para o autocuidado.

Não sabe por onde começar? A Fundação WK Kellogg mantém um banco de dados pesquisável de organizações dedicadas à igualdade racial.

Conecte-se com outras pessoas

Se outras pessoas minimizaram suas experiências de racismo e o trauma resultante, conectar-se com pessoas em sua comunidade que passaram por situações semelhantes pode ser uma fonte de cura.

As pessoas que você encontra podem oferecer não apenas validação de sua experiência, mas também estratégias de enfrentamento que funcionaram para elas.

Como encontrar suporte profissional

O suporte profissional geralmente é recomendado quando você está lidando com um trauma, mas encontrar o provedor ou a abordagem certa pode ser um desafio.

Você pode preferir procurar tratamento com alguém que compartilhe uma experiência vivida de racialização ou interseções com outros elementos de sua identidade.

Por exemplo, se você é um refugiado muçulmano da Síria, pode achar mais fácil trabalhar com um terapeuta que já lidou com islamofobia ou xenofobia.

Pode levar um pouco mais de tempo para encontrar alguém em quem você sinta que pode confiar para entender sua experiência, mas estes diretórios de terapeutas podem colocá-lo no caminho certo:

  • Rede Nacional de Queer e Trans Therapists of Color
  • Terapia para meninas negras
  • Terapia para Homens Negros
  • Terapia para muçulmanos
  • Diretório de Terapeutas da Ásia, Ilhas do Pacífico e América do Sul Asiático (APISAA)
  • Terapia para Latinx
  • Terapeutas inclusivos (apresentando terapeutas culturalmente responsivos e orientados para a justiça social)

Se sua primeira tentativa de terapia acabar sendo menos do que ideal, pode ser útil pensar criticamente sobre o que você precisa para seu próximo relacionamento terapêutico.

Houve um elemento específico da abordagem deles que você deseja evitar no futuro? Existem características em outras pessoas (não necessariamente terapeutas) que o ajudaram a ter uma sensação de segurança ou pertencimento no passado?

Descobrir esses elementos e características pode ajudar a orientá-lo em direção ao terapeuta certo para você.

O resultado final

Apesar dos profundos efeitos do trauma racial, pode ser um processo para entendê-lo ou mesmo reconhecê-lo.

Mas começar esse processo o coloca em uma posição melhor para começar a explorar maneiras de enfrentá-lo com eficácia.


Krystal Kavita Jagoo, MSW, RSW, é profissional de saúde mental com bacharelado em sociologia e mestrado em serviço social. Seu trabalho foi apresentado no The Huffington Post, MedTruth e Verywell. Seu ensaio “Justiça reprodutiva inclusiva” foi publicado no segundo volume do “Livro de instruções sobre justiça reprodutiva: uma introdução sobre justiça reprodutiva e mudança social”.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format