Como encontrei paz com meu diagnóstico de hepatite C


0

Aos 19 anos, recebi o diagnóstico de hepatite C crônica. Foi um daqueles momentos que faz você pensar: “Não tem como voltar disso”. Afinal, como você encontra paz com um diagnóstico que pode mudar sua vida para sempre?

Minha história começa em 2008, quando minha mãe contraiu hepatite C de um médico negligente que usava agulhas de outros pacientes. Minha mãe já estava lutando contra o câncer e, embora a hepatite C tenha afetado seu corpo, ela conseguiu pegá-la a tempo e receber tratamento.

O que não percebemos na época é que eu também havia contraído a hepatite C. Em algum momento, sem saber, entrei em contato com o sangue dela e foi aí que tudo começou.

Comecei a ter problemas de saúde sutis quando tinha 16 anos. Meus médicos disseram que era estresse, mas eu não acreditava que esse fosse o motivo completo.

Com o passar dos meses e dos anos, também aumentaram minhas lutas de saúde. Quando eu tinha 18 anos, as coisas começaram a piorar.

Eu não conseguia segurar nenhum peso. Meu cabelo, pele e unhas estavam quebradiços. Minha pele estava pálida e eu tinha olheiras constantes sob os olhos. Meu intestino começou a ficar extremamente sensível aos alimentos que sempre comia. Meu corpo doía 24 horas por dia, 7 dias por semana, com juntas rígidas. Lutei contra a insônia e comecei a adormecer nas aulas, no trabalho e algumas vezes enquanto dirigia.

Pior ainda, tantos médicos me desconsideraram que comecei a acreditar que meus sintomas eram apenas de estresse e que minha reação era exagerada. Foi só depois de chegar ao fundo do poço com minha saúde física e mental que finalmente comecei a acreditar que algo estava errado.

Eventualmente, encontrei meu caminho para um especialista em fígado e recebi a tão esperada resposta para minhas lutas: eu tinha hepatite C crônica.

Lutando contra o medo e a vergonha

Meu diagnóstico trouxe consigo grandes sentimentos de vergonha e medo. Eu vi a hepatite C como uma condição estigmatizada que exigia muito julgamento.

O que as pessoas pensariam quando descobrissem? Eles me rotulariam e me julgariam por algo que não foi minha culpa? Eles de repente questionariam minha moral e acreditariam que sou alguém que não sou?

Essas perguntas e emoções inundaram minha mente enquanto eu lutava para entender a gravidade da situação. Havia tanta coisa desconhecida e isso me assustou. Parecia que estava constantemente oscilando entre o medo e a vergonha com meu diagnóstico, preso entre os dois.

Eu me sentia suja, quebrada, diferente, intocável, prejudicial aos outros e, no geral, como se agora fosse indigna. Isso pode parecer extremo, mas até que você tenha vivido com uma condição que é estigmatizada, é difícil imaginar o quão profunda a vergonha pode chegar.

Eu estava com medo de contar a outros sobre meu diagnóstico por causa do que eles pensariam. Havia uma pressão constante para explicar toda a minha história apenas para que eles entendessem como eu a contraí. E com isso, senti a pressão para ser mais saudável e motivado, já que não queria que ninguém pensasse que eu estava sendo preguiçoso ou descuidado com minha saúde.

Um momento de clareza

Nas semanas que se seguiram ao meu diagnóstico, lutei com essas emoções até que um momento de clareza veio. Percebi que já estava deixando esse diagnóstico definir e controlar minha vida. Eu estava deixando o desconhecido e o estigma me arrastarem para baixo e tornar uma situação não tão boa ainda pior.

Esse momento de clareza tornou-se uma centelha de autoconsciência. De repente, nada mais desejava do que encontrar um senso de paz com minha realidade e fazer tudo o que pudesse para tirar o melhor proveito dela.

Comecei a trabalhar meus sentimentos um por um. Para os medos que eu tinha, comecei a encontrar respostas ou fontes de garantia. Eu me permiti esperar o melhor quando comecei o tratamento e imaginei como iria me mover ao longo da vida – funcionasse ou não.

As práticas que me ajudaram a encontrar a paz com meu diagnóstico foram as que me deram base. O movimento e o exercício me ajudaram a manter a base física, enquanto a meditação e o registro no diário me ajudaram a permanecer mentalmente presente.

Decidi enfrentar a vergonha que sentia de frente. Comecei a compartilhar minha história no meu Instagram voltado para o bem-estar e por meio do meu podcast, Let’s Thrive. O que descobri foi que quanto mais compartilhava, mais aceitava minha situação. Eu estava deixando de lado a vergonha para que ela não pudesse mais viver dentro de mim.

Muitas vezes sentimos a necessidade de cobrir nossas feridas, nossas mágoas, nossas fraquezas – e essa é a última coisa que devemos fazer.

Manter tudo dentro de nós interrompe o processo de cura de qualquer luta física, mental ou emocional. Acredito plenamente que, sendo abertos e honestos, tanto conosco quanto com os outros, podemos deixar tudo sair e realmente começar a nos curar e encontrar a paz.

O takeaway

O que é bonito em encontrar essa paz interior, mesmo no meio da luta, é que ela o prepara para um amanhã melhor. Assim que encontrei paz com meu diagnóstico, fui capaz de superar o medo e a vergonha enquanto continuava e terminava meu tratamento.

Fiquei satisfeito com o fato de poder ou não lutar contra a hepatite C pelo resto da vida. De qualquer forma, aceitei que essa jornada estava fora do meu controle.

Esse trabalho interno tornou as notícias muito mais doces quando descobri, 8 meses depois, que estava livre da hepatite C. O tratamento funcionou e eu ainda tinha minha paz interior.

Eu deixo de lado a vergonha, as expectativas, o medo do futuro. Em vez disso, decidi viver cada dia no presente e encontrar gratidão por tudo que estava dando certo em minha vida.

A vida nem sempre é fácil, e às vezes eu ainda me peguei voltando ao medo e à vergonha, mas sempre encontrei meu caminho de volta à paz.

Não importa sua situação ou diagnóstico, espero que você possa ter esse momento de clareza e trabalhar pela paz também.

Emily Feikls é uma apresentadora de podcast e criadora de conteúdo que defende o bem-estar 360º. Seu podcast, Vamos prosperar, concentra-se na saúde mental, emocional e física para ajudar os outros a se sentirem menos sozinhos em sua jornada. Conecte-se com Emily no Instagram.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format