Apoio iraniano é vital para o Hamas após restabelecimento dos laços com a Síria


0

À medida que a Turquia e mais países árabes restauram os laços com Israel, o Hamas fica com menos aliados na região, dizem analistas.

Apoiadores palestinos do Hamas agitam bandeiras durante um comício na Cidade de Gaza em 14 de dezembro de 2010 [File: Ali Ali/EPA]

Dez anos atrás, o Hamas, o movimento palestino que governa a Faixa de Gaza, saiu publicamente em apoio à revolta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad.

“Saúdo todas as nações da Primavera Árabe e saúdo o heróico povo da Síria que luta pela liberdade, democracia e reforma”, anunciou Ismail Haniya, um dos líderes do Hamas, nas orações de sexta-feira na Mesquita Al-Azhar, no Cairo.

“A revolução síria é uma revolução árabe”, gritavam os fiéis, quando o rompimento do Hamas com o governo sírio, que costumava hospedar seus líderes, ficou evidente.

Mas agora, uma década depois, o Hamas inverteu sua posição e os laços foram restaurados.

A medida gerou controvérsia no mundo árabe, mas não provocou surpresa, com analistas dizendo que a decisão do Hamas reflete seu apoio ao Irã e seus aliados – o Hezbollah do Líbano e a Síria – que apoiaram sua luta contra Israel.

“Embora o Hamas tenha ficado do lado da oposição da Síria por um tempo, nunca se afastou totalmente da órbita do Irã e, como tal, sempre voltaria ao rebanho de Assad eventualmente”, disse Charles Lister, membro sênior do Instituto do Oriente Médio.

“A existência do Hamas é definida por sua resistência a Israel e, para sustentar isso, não precisa apenas do apoio estratégico do Irã, mas também da Síria”, disse ele à Al Jazeera.

Reconectando

As relações entre a Síria e o movimento palestino foram fortes por muitos anos, com Damasco sendo um porto seguro para a liderança do Hamas desde o início dos anos 2000. A Síria também abrigava pelo menos 500.000 palestinos, segundo estimativas das Nações Unidas.

Mas o início da revolta síria de 2011 provou ser um ponto de ruptura em seus laços, já que as relações rapidamente azedaram entre o Hamas e seu aliado de longa data.

Os líderes do Hamas rejeitaram a pressão de al-Assad para reunir seu apoio em Damasco e, em vez disso, endossaram a oposição. Eles foram rapidamente forçados a fechar seus escritórios na capital síria, antes de se mudarem para o Catar em 2012.

Apesar do aparente congelamento dos laços, as discussões para consertar as relações continuam há muito tempo entre os líderes do Hamas, de acordo com o alto funcionário do Hamas, Bassem Naim, que disse à Al Jazeera que o Hamas “nunca decidiu cortar os laços com Damasco”.

Em um comunicado em 15 de setembro, o Hamas disse estar em dívida com Damasco, que “abraçou” o povo palestino e a resistência por décadas.

Acrescentou que agora é a vez do grupo “ficar” com a Síria diante da “agressão brutal”, em referência à escalada dos ataques israelenses à Síria – o último dos quais matou cinco soldados em um ataque aéreo ao Aeroporto Internacional de Damasco em setembro. 17.

“A base do nosso envolvimento na região é a continuidade em prol da causa palestina”, disse Naim, que chefia o conselho de política e relações exteriores do Hamas. “Precisamos do apoio de todos os países e povos muçulmanos e árabes.”

“O corte de laços com qualquer entidade deve ser justificado em função dos interesses do povo palestino. Nesse sentido, a única relação que recusamos é com a ocupação israelense”, acrescentou.

Naim argumentou que, como alguns países árabes optaram por normalizar os laços com Israel, era “só lógico que o Hamas ficasse do lado daqueles que escolhem a resistência contra o inimigo sionista”.

Em 2020, quatro países árabes – Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos – normalizaram as relações com Israel em acordos mediados pelos Estados Unidos que provocaram reações globais mistas.

Bashar Assad, Hassan Nasrallah, Mahmoud Ahmadinejad
O líder do Hezbollah Hassan Nasrallah com o presidente sírio Bashar al-Assad e o ex-presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad em Damasco, Síria em 2010 [File: SANA via Reuters]

Restaurando o ‘eixo de resistência’

Em discursos separados na semana passada, tanto Teerã quanto seu aliado regional, o Hezbollah, elogiaram a decisão do Hamas, com o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, dizendo que a Síria e sua liderança continuariam sendo “o verdadeiro apoio do povo palestino”.

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Nasser Kanani, disse em uma entrevista coletiva em 19 de setembro que a medida era do interesse do povo palestino, pois ajudou a fortalecer sua posição contra Israel.

“O Irã incentiva e apoia essa tendência e acredita que a convergência entre as facções da resistência pode ajudar a fortalecer a paz, a estabilidade e a segurança na região”, disse Kanani.

De acordo com Somdeep Sen, professor associado de Estudos de Desenvolvimento Internacional da Universidade de Roskilde, o movimento do Hamas não apenas restaurou os laços com Damasco, mas também trabalhou para restaurar “o eixo de resistência”, que inclui o Irã e o Hezbollah.

“À medida que a Turquia e muitos países árabes restauram seus laços com Israel, a facção palestina tem poucas opções em termos de aliados na região”, acrescentou Sen, que se concentra no colonialismo de colonos na Palestina.

Na semana passada, o primeiro-ministro israelense Yair Lapid se encontrou com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, nas primeiras conversas cara a cara entre os líderes dos dois países desde 2008, quando as tensões entre eles começam a diminuir.

Manifestantes palestinos
Manifestantes palestinos reagem durante uma manifestação na fronteira com Israel, a leste da Cidade de Gaza, para denunciar o cerco israelense da faixa palestina [File: Said Khatib/AFP]

O analista sírio Karam Shaar concordou que, com o isolamento político do Hamas na região, o movimento foi pressionado a permanecer próximo ao Irã.

“O Hamas se moveu para normalizar as relações com a Síria sob pressão do Irã, que está tornando seu apoio ao Hamas contingente ao restabelecimento dos laços com Assad”, disse Shaar.

“Este [move] irá, portanto, aumentar o apoio do Irã ao Hamas, pois realinha o movimento sob a asa do Irã”, acrescentou.

Mas enquanto o Hamas se aproxima do Irã e seus aliados, o grupo palestino pode estar arriscando seus laços com um importante apoiador na última década – o Catar.

“A dinâmica mais intrigante em jogo parece ser o relacionamento do Hamas com o Catar, que continua sendo o governo regional mais determinado a continuar resistindo a qualquer normalização do regime de Assad”, disse Lister à Al Jazeera. “O tempo dirá se Doha pode continuar a enquadrar esses dois círculos contraditórios.”

Doha não apenas acolheu os líderes do Hamas depois que eles deixaram Damasco, mas também forneceu milhões de dólares em ajuda financeira à Faixa de Gaza desde 2012.

Esse apoio tornou o Hamas cada vez mais dependente do Catar para manter sua construção de casas, o sistema educacional e um fornecimento constante de combustível para o enclave costeiro sitiado que tem visto várias guerras com Israel desde 2005.

O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, se encontra com o presidente sírio, Bashar al-Assad, em Teerã
O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, encontra al-Assad em Teerã, Irã, 8 de maio de 2022 [File: Official Presidential website via Reuters]

Percepçao publica

Longe do campo político, a medida alienou a oposição síria e seus apoiadores, que culpam al-Assad pela morte de dezenas de milhares de civis e pelo deslocamento de centenas de milhares de outros.

Como muitos sírios e outros árabes expressaram sua condenação à medida nas mídias sociais, a restauração dos laços do Hamas com Damasco afetará sua reputação, dizem analistas.

“Com a percepção do público na região sendo extremamente crítica em relação à mudança, a organização está fadada a perder apoio no mundo árabe em geral”, disse Sen.

“A medida é tristemente emblemática da fadiga regional generalizada com a crise da Síria e um desejo – embora ilógico – de ‘seguir em frente’ e fingir que a crise da Síria nunca aconteceu e não existe mais”, acrescentou Lister.

refugiados
Uma jovem síria corre ao lado de um muro em um campo de refugiados para deslocados administrado pelo Crescente Vermelho Turco no distrito de Sarmada, ao norte da cidade de Idlib, Síria [File: Francisco Seco/AP Photo]

Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *