A Rússia está usando velhas armas ucranianas para sua guerra devastadora


0

Durante uma campanha de desarmamento após a queda da União Soviética, Moscou recebeu armas como pagamento pelas dívidas de gás natural de Kyiv.

Uma aeronave russa Tu-160, caças MiG-31 e um avião-tanque Il-78 voam em formação sobre o centro de Moscou durante um ensaio para uma parada militar que marca o aniversário da vitória dos Aliados sobre a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial em 4 de maio, 2022 [File: Evgenia Novozhenina/Reuters]

Kyiv, Ucrânia – Chamado de White Swan, o Tu-160 é o bombardeiro supersônico mais pesado e rápido do mundo.

A fortaleza voadora projetada pelos soviéticos pode circular metade do globo, voar até 20 km (12,4 milhas) acima da Terra e carregar 45 toneladas de bombas – ou uma dúzia de mísseis nucleares Kh-55.

Moscou tem 16 Cisnes Brancos e os tem usado como trunfos em seu novo confronto com o Ocidente.

Nos últimos anos, eles sobrevoaram o Pólo Norte para violar o espaço aéreo dos Estados Unidos e do Canadá, pousaram na Venezuela e lançaram mísseis de cruzeiro na Síria.

Aeronaves 'Cisne Branco'
A Rússia usou o bombardeiro estratégico Tu-160, no centro, em ataques à Ucrânia, que já teve muito mais aeronaves do que seu vizinho maior. [File: Maxim Shemetov/Reuters]

Desde março passado, os Cisnes Brancos fizeram chover o inferno na Ucrânia.

Eles decolam de uma base aérea perto da cidade de Saratov, no rio Volga, e lançam mísseis não nucleares sem entrar no espaço aéreo da Ucrânia.

E, o que pode ser uma surpresa, metade dos Cisnes Brancos da Rússia já pertenceu a Kyiv – assim como centenas de mísseis que eles podem carregar.

visita de Obama

“Em Donetsk, eu estava entre pilhas de armas convencionais que estavam sendo lentamente desmanteladas”, disse Barack Obama, então senador recém-eleito pelos Estados Unidos por Illinois, em 2005, após sua primeira viagem ao exterior.

O futuro presidente visitou a cidade do leste da Ucrânia, o futuro foco do separatismo pró-Rússia, e ajudou a garantir US$ 48 milhões para financiar a destruição de 400.000 armas pequenas, 1.000 mísseis antiaéreos portáteis e 15.000 toneladas de munição.

Um fotógrafo local chamado Sergey Vaganov tirou fotos de Obama nos depósitos de armas.

Uma década depois, Vaganov fugiu de um conflito separatista apoiado pela Rússia em Donetsk e, em março, mal sobreviveu ao cerco russo de Mariupol.

“Estava esperando o alívio [of death]. Tive esses pensamentos semi-suicidas”, disse Vaganov à Al Jazeera, descrevendo como ele e sua esposa, Iryna, esperavam os ataques aéreos russos em seu apartamento gelado com janelas quebradas por bombardeios.

A visita de Obama à Ucrânia foi parte dos esforços ocidentais para que a Ucrânia destruísse seus estoques de armas da era da Guerra Fria – ou para transferi-los para a Rússia.

Obama inspecionando armas em Donetsk
O então senador dos EUA, Barack Obama, inspeciona uma pilha de armas desativadas em um depósito na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, em 2005 [File: Alexander Khudotioply TP/CVI/Reuters]

pressão ocidental

Após o colapso da União Soviética em 1991, Kyiv herdou um arsenal colossal, incluindo armas nucleares e 19 Cisnes Brancos, baseados na Base Aérea de Priluky, no norte da Ucrânia.

A Rússia tinha apenas dois desses bombardeiros.

Mas manter aeronaves estratégicas era desnecessário depois que Kyiv, junto com todas as outras ex-repúblicas soviéticas, cedeu à pressão ocidental e “devolveu” milhares de ogivas nucleares a Moscou.

Washington estava previsivelmente preocupado com os arsenais nucleares nas 15 nações recém-independentes que emergiram da URSS enquanto passavam por dolorosas transições econômicas, muitas vezes acompanhadas de instabilidade política.

“Vamos lembrar a pressão que os EUA exerceram sobre as nações pós-soviéticas para transferir todos os portadores de armas nucleares para a Rússia”, disse Igar Tyshkevich, analista de Kyiv, à Al Jazeera.

Em 1991, Kyiv disse que em 10 anos se livraria de todos os seus bombardeiros pesados, dos mísseis que esses aviões podiam carregar e do equipamento do aeródromo para mantê-los.

Washington financiou a destruição de 11 White Swans, 27 Tu-95s menores, quase 500 mísseis de cruzeiro lançados do ar, 130 mísseis balísticos intercontinentais SS-19, seus silos e centros de controle de lançamento.

E havia as armas pequenas, incluindo rifles de assalto AK-47 e armas leves – cerca de 7 milhões de unidades em dezenas de depósitos em toda a Ucrânia.

Durante anos, a Ucrânia também se livrou deles – assim como de sistemas de defesa aérea, navios e submarinos.

Países que forneceram armas à Ucrânia - interativo.

Os compradores correm

A Líbia, o Reino Unido e os EUA compraram centenas de milhares de AK-47 e o Paquistão comprou 320 tanques da Ucrânia.

O Varyag, um porta-aviões de 300 metros de comprimento (985 pés de comprimento), foi montado na cidade de Mykolaiv, no sul, em 1988, vendido a uma empresa de Macau para conversão em um cassino flutuante uma década depois e se tornou o primeiro porta-aviões da China. O Liaoning.

Mas uma parte considerável das armas da Ucrânia foi levada para a Rússia, principalmente no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, como pagamento da dívida multimilionária de Kyiv pelo gás natural.

As remessas incluíam quase 575 mísseis subsônicos Kh-55 usados ​​no White Swans junto com 386 mísseis Kh-22.

Em 2022, a Rússia usaria esses Kh-55 contra o próprio país que os enviou. Moscou removeu suas ogivas nucleares e adicionou lastro como iscas para sobrecarregar as defesas aéreas ucranianas durante ataques a infraestruturas importantes.

Petroleiros TU-160 na Síria
Nesta foto feita a partir de um vídeo retirado do site do Ministério da Defesa da Rússia, um bombardeiro Tu-160 voa em uma missão de combate em 2015 como parte de uma campanha aérea russa na Síria [File: Russian Defence Ministry Press Service/AP]

No início de 2000, a Ucrânia tinha apenas dois TU-160 restantes e, em uma fria manhã de janeiro, voou um deles para a Base Aérea Engels-2, na Rússia.

O comandante do avião disse que a transferência era necessária para interromper a escassez de energia na Ucrânia.

“Vimos apagões, limitamos o uso de [natural] gás, e nossos funcionários, famílias de nossos pilotos, sentiram a grande escassez que toda a nação sentiu”, disse Serhiy Osipov em comentários televisionados em 2000.

O último Cisne Branco foi despojado de suas armas, motores e eletrônicos e está ancorado em um museu de aviação ao ar livre na cidade central de Poltava.

Enquanto isso, a Rússia produziu mais seis Cisnes Brancos e anunciou no final de dezembro que mais dois bombardeiros completos estão sendo testados.

‘Boa vontade’

Hoje, a transferência voluntária de armamento avançado da Ucrânia para a Rússia parece absurda, mas a geopolítica era muito diferente no mundo pós-soviético da década de 1990.

Foi o “aumento da boa vontade e cooperação entre a Rússia e o Ocidente, e a Ucrânia como um amortecedor entre os dois estava em boas relações com ambos”, disse Maria Popova, professora associada da Universidade McGill em Montreal, Canadá, à Al Jazeera.

Em 1994, a Rússia e o Ocidente assinaram um tratado que garantia a segurança e a integridade territorial da Ucrânia.

Três anos depois, Kyiv assinou um amplo tratado de amizade com Moscou e um acordo de parceria com a OTAN.

E no início dos anos 2000, sob o presidente Vladimir Putin, que era visto como um germanófilo pró-Ocidente, o Ocidente considerava a Rússia uma democracia falha, mas incipiente.

Para melhorar sua imagem, Putin apareceu na televisão russa andando a cavalo, “pilotando” um submarino militar – e um Tu-160.

As forças ucranianas e russas mantiveram laços estreitos enraizados no passado soviético comum.

“Quatro dos meus ex-colegas ocupam posições de destaque no exército russo”, disse Ihor Voronchenko à Al Jazeera em 2018, quando serviu como almirante ucraniano depois de estudar em uma escola militar no Uzbequistão soviético. “Somos inimigos agora.”

Mas duas décadas atrás, Kyiv não poderia prever uma ameaça da Rússia, e trocar armas por gás “parecia uma boa ideia”, disse Popova.

As transferências faziam parte de negociações de desarmamento mais amplas entre a Rússia e o Ocidente.

“A Ucrânia, é claro, foi o ator internacional mais fraco dos três, então, sim, estava sob pressão de ambos os lados para ser ‘um bom esporte’”, disse ela.

Hoje em dia, muitos na Ucrânia lamentam as transferências, especialmente porque envolveram negócios de gás natural que geraram corrupção nos corredores do poder por décadas.

“Foi um erro estratégico e miopia política quando as elites políticas encobriram seus esquemas e pagaram [Ukraine’s] dívidas transferindo armamento estratégico para a Rússia”, disse Aleksey Kushch, analista de Kyiv, à Al Jazeera.

O general Vadym Skribitsky, vice-chefe de inteligência da Ucrânia, disse ao The New York Times no início de dezembro: “Seria melhor se os entregássemos aos EUA”.

Interactive sobre armas fornecidas à Ucrânia pelos EUA.

‘Empréstimo’

No início de 2010, o presidente ucraniano pró-Rússia, Viktor Yanukovych, iniciou uma nova onda de desarmamento.

Em 2013, seu ministro da Defesa, Pavel Lebedev, desativou os sistemas de defesa aérea S-200V que eram usados ​​em cinco bases militares.

Ele também ordenou a destruição de 1.000 unidades portáteis de defesa aérea, bem como 1,5 milhão de armas pequenas e 133.000 toneladas de munição.

Yanykovych foi derrubado em 2014 após meses de protestos.

Lebedev fugiu para a Crimeia anexada à Rússia, onde começou a financiar projetos de construção e rapidamente “tornou-se parte do sistema russo”, disse a ativista anticorrupção Elena Yatsishina à Al Jazeera em 2015.

A destruição e a transferência de armas causaram uma escassez terrível no exército ucraniano e levaram a um escândalo de corrupção sem precedentes até mesmo para a Ucrânia.

Em 2019, um relatório investigativo descreveu como Ihor Hladkovskiy, filho do então aliado próximo do presidente Petro Poroshenko, Oleh Hladkovskiy, organizou um esquema para contrabandear componentes militares usados ​​e muitas vezes inutilizáveis ​​da Rússia e vendê-los aos militares da Ucrânia a preços exorbitantes.

O escândalo derrubou os índices de aprovação de Poroshenko e ele perdeu a eleição de 2019 para o político novato Volodymyr Zelenskyy.

Sob Zelenskyy, o Ukroboronprom, o consórcio estatal de mais de 100 produtores de armas, passou por uma reforma radical.

Começou a produzir mísseis antitanque portáteis que se mostraram letais para o avanço das forças russas e mísseis Netuno, que afundaram a nau capitânia da Rússia, o Moskva, em abril.

Depois que a guerra começou há quase um ano, as “transferências de armas” viram uma tendência inversa.

Soldados russos em fuga abandonaram centenas de tanques, veículos armados e unidades de artilharia, e militares ucranianos consertaram, repintaram e começaram a usá-los.

Eles chamam essas aquisições de “empréstimo-arrendamento” em homenagem a um programa dos EUA que forneceu armas e outros suprimentos militares à União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial.

“Estamos recolhendo o que for útil no campo e vamos levar tudo de volta para o [Russian] lado na forma de projéteis”, disse a porta-voz do Ministério da Defesa da Ucrânia, Natalia Humeniuk, em comentários televisionados em novembro.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *