A cadeia de comando para um possível ataque nuclear russo


0

Aqui está como a cadeia de comando da Rússia funcionaria no caso de um lançamento de arma nuclear.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que um novo sistema de mísseis balísticos deve fazer os inimigos de Moscou parar e pensar [Sputnik/Mikhail Tereshchenko/Pool via Reuters]

O presidente Vladimir Putin mais uma vez promoveu o poderio nuclear da Rússia no contexto do conflito na Ucrânia, dizendo na quarta-feira que um novo sistema de mísseis balísticos deve fazer os inimigos de Moscou parar e pensar.

Ao anunciar a invasão da Ucrânia pela Rússia há oito semanas, Putin alertou o Ocidente que qualquer tentativa de entrar em seu caminho “o levará a consequências que você nunca encontrou em sua história”. Dias depois, ele ordenou que as forças nucleares da Rússia fossem colocadas em alerta máximo.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse no mês passado que “a perspectiva de um conflito nuclear, antes impensável, agora está de volta ao reino das possibilidades”.

Aqui está como a cadeia de comando da Rússia funcionaria no caso de um lançamento de arma nuclear.

Quem decide lançar armas nucleares russas?

Um documento de 2020 chamado “Princípios Básicos da Política Estatal da Federação Russa sobre Dissuasão Nuclear” diz que o presidente russo toma a decisão de usar armas nucleares.

Uma pequena pasta, conhecida como Cheget, é mantida sempre perto do presidente, ligando-o à rede de comando e controle das forças nucleares estratégicas da Rússia.

O Cheget não contém um botão de lançamento nuclear, mas transmite ordens de lançamento ao comando militar central – o Estado-Maior.

Se Putin der a ordem nuclear, o que acontece?

O Estado-Maior russo tem acesso aos códigos de lançamento e tem dois métodos de lançamento de ogivas nucleares.

Ele pode enviar códigos de autorização para comandantes de armas individuais, que então executam os procedimentos de lançamento.

Há também um sistema de back-up, conhecido como Perimetr, que permite ao Estado-Maior iniciar o lançamento de mísseis terrestres diretamente, contornando todos os postos de comando imediatos.

A ordem de “alerta máximo” de Putin tornou um lançamento mais provável?

Depois que Putin disse em 27 de fevereiro que as forças de dissuasão da Rússia – que incluem armas nucleares – deveriam ser colocadas em alerta máximo, o Ministério da Defesa disse que as Forças de Mísseis Estratégicos, as Frotas do Norte e do Pacífico e o Comando de Aviação de Longo Alcance foram colocados em “ dever de combate reforçado, com pessoal reforçado.

O termo dever de combate aprimorado, ou especial, não aparece na doutrina nuclear da Rússia, deixando os especialistas militares confusos sobre o que isso pode significar.

Pavel Podvig, pesquisador sênior do Instituto das Nações Unidas para Pesquisa de Desarmamento em Genebra, disse no Twitter que a ordem pode ter ativado o sistema de comando e controle nuclear da Rússia, essencialmente abrindo canais de comunicação para qualquer eventual ordem de lançamento.

Alternativamente, disse ele, isso pode significar apenas que os russos expandiram o pessoal em suas instalações nucleares.

A Rússia tem regras sobre o uso de armas nucleares?

A doutrina de 2020 apresenta quatro cenários que podem justificar o uso de armas nucleares russas:

– o uso de armas nucleares ou armas de destruição em massa contra a Rússia ou seus aliados;

– dados que mostram o lançamento de mísseis balísticos direcionados à Rússia ou seus aliados;

– um ataque a instalações governamentais ou militares críticas que prejudicariam a capacidade das forças nucleares russas de responder a ameaças;

– o uso de armas convencionais contra a Rússia “quando a própria existência do Estado está em perigo”.

Que capacidades nucleares a Rússia tem?

A Federação de Cientistas Americanos estima que a Rússia tenha 5.977 ogivas nucleares, mais do que qualquer outro país. Destes, 1.588 estão implantados e prontos para uso. Seus mísseis podem ser disparados de terra, por submarinos e por aviões.

Putin supervisionou um teste coordenado das forças nucleares da Rússia em 19 de fevereiro. Em 20 de abril, ele foi mostrado na TV sendo informado pelos militares que o míssil balístico intercontinental Sarmat, que está em desenvolvimento há anos, havia sido testado com sucesso para o primeira vez. As forças nucleares da Rússia começarão a receber o novo míssil “no outono deste ano”, disse um alto funcionário da agência de notícias Tass, segundo a agência de notícias Tass, nesta quarta-feira.

Os Estados Unidos, por sua vez, adiaram no mês passado um teste de lançamento de rotina de seu míssil balístico Minuteman em um aparente esforço para diminuir as tensões com a Rússia.

A Rússia já usou uma arma nuclear na guerra?

Não. Até hoje, o único uso de armas nucleares durante o conflito foi em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos lançaram bombas atômicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *