11 coisas a saber sobre a violência doméstica durante o COVID-19 e posteriores


0

Você não pode tomar decisões pelos outros, mas pode garantir que eles tenham o seu apoio.

Iuliia Versta / Stocksy United

A violência praticada pelo parceiro íntimo, um termo mais abrangente do que violência doméstica, é uma forma de abuso que visa obter poder ou controle sobre outra pessoa. Pode incluir abuso físico, sexual, emocional ou financeiro, ou uma combinação de todos os itens acima.

De acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), aproximadamente 1 em cada 4 mulheres nos Estados Unidos sofreram violência física entre parceiros íntimos.

A ONU Mulheres se referiu à violência contra as mulheres durante a COVID-19 como a “pandemia sombra” que se esconde nos bastidores enquanto os sistemas de saúde são drenados e os abrigos estão lotados.

Durante um período em que todos estão lutando para se ajustar às rápidas mudanças devido ao COVID-19, é fundamental que aprendamos mais sobre a violência praticada pelo parceiro íntimo, seus sinais de alerta e como apoiar os sobreviventes.

SINAIS DE AVISO DE ABUSO

Se você está preocupado com um ente querido, preste atenção a vários sinais importantes que podem indicar que ele está em um relacionamento abusivo e precisa de ajuda. Esses incluem:

  • afastar-se dos outros e dar desculpas para não ver amigos ou família ou fazer atividades que antes gostavam (pode ser algo que o agressor está controlando)
  • parecendo ansioso perto de seu parceiro ou com medo de seu parceiro
  • ter hematomas ou ferimentos frequentes sobre os quais mentem ou não conseguem explicar
  • ter acesso limitado a dinheiro, cartões de crédito ou um carro
  • mostrando uma mudança extrema na personalidade
  • receber ligações frequentes de uma pessoa importante, especialmente ligações que exijam que eles façam check-in ou que pareçam ansiosos
  • ter um parceiro temperamental, facilmente ciumento ou muito possessivo
  • roupas que podem estar escondendo hematomas, como camisas de mangas compridas no verão

Para obter mais informações, consulte nosso Guia de Recursos sobre Violência Doméstica ou entre em contato com a National Domestic Violence Hotline.

1. Não é apenas físico

O abuso físico é a forma mais facilmente compreendida de violência contra o parceiro íntimo e costuma ocorrer entre pessoas em relacionamentos amorosos ou sexuais.

A violência praticada pelo parceiro íntimo pode assumir muitas outras formas. Pode envolver crianças e adultos mais velhos. Pode ser verbal, sexual, emocional ou financeiro.

2. A violência do parceiro íntimo é exacerbada pela crise

Violência desproporcionalmente afeta pessoas marginalizadas.

Embora as circunstâncias difíceis não sejam a causa da violência do parceiro íntimo, as adversidades podem aumentar a tensão e reduzir o acesso aos recursos.

COVID-19 resultou em um aumento na violência entre parceiros íntimos devido a bloqueios e toques de recolher. Isso se soma ao estresse da piora das condições socioeconômicas.

Devido às restrições de movimento, é mais difícil para as pessoas escaparem e mais fácil para os entes queridos perderem os sinais de que algo está errado.

As táticas de isolamento podem passar despercebidas devido ao distanciamento físico se tornar uma norma, embora temporária.

É fundamental que as pessoas sejam capazes de identificar sinais de alerta em seus relacionamentos e que outras pessoas conheçam os sinais de violência praticada pelo parceiro íntimo.

3. Os abusadores querem controle

Uma bandeira vermelha freqüentemente perdida é uma série de tentativas crescentes de uma pessoa de controlar outra.

Em muitos casos, parece ser gentileza ou preocupação. Uma tentativa inicial pode ser encontrar o parceiro no trabalho para pegar o transporte público para casa juntos ou aparecer inesperadamente em um evento para o qual não foram convidados.

Esses atos podem ser lidos como positivos. Eles parecem indicar que o parceiro deseja passar mais tempo com seu outro significativo, mas estabelecem uma norma dentro do relacionamento em que os limites são repetidamente ultrapassados ​​e a liberdade de escolha é restringida.

Essas ações comunicam indiretamente que o parceiro pode aparecer a qualquer momento, dando a sensação de que ele é onipresente.

Isso pode ter o efeito de fazer com que a pessoa submetida ao abuso se autopolicie, comportando-se como se seu parceiro estivesse lá o tempo todo. Eles podem limitar sua comunicação e comportamento como resultado.

4. A vigilância é frequentemente central

Interesse não é o mesmo que vigilância. Parceiros abusivos podem começar a monitorar atividades e interações sob o pretexto de interesse ou proteção.

É fácil aceitar que uma pessoa queira conferir novos aplicativos, ler a piada no chat em grupo ou acompanhar o parceiro a uma festa, mas a inserção excessiva em espaços sociais não é saudável.

Verificar e-mails, atender ligações no celular e ouvir conversas privadas são sinais de controle e desconfiança. Essas ações podem levar a pessoa que está sendo abusada a escolher o isolamento para evitar constrangimento ou atenção negativa do parceiro.

Recursos de tecnologia e vigilância

  • Plano de segurança tecnológica: um guia para sobreviventes e defensores
  • Spyware e Stalkerware: Vigilância telefônica e segurança para sobreviventes
  • Relatório nacional gratuito sobre as necessidades dos sobreviventes durante o COVID-19
  • Apoiando trabalhadores que sofrem violência durante a pandemia
Healthline

5. O isolamento é perigoso

Pessoas abusivas fazem o que podem para isolar quem está sendo abusado. Eles tentam separá-los de seus entes queridos, tanto para tornar mais difícil para as pessoas perceberem que algo está errado, quanto para fazer a pessoa relutante em pedir ajuda.

Se o parceiro de uma pessoa insiste que parentes, amigos e colegas de trabalho são ameaças ao relacionamento, não são bons o suficiente para receber atenção ou precisam ser mantidos à distância por qualquer outro motivo, é sinal de alerta.

Ao desfazer-se de outros relacionamentos, o parceiro abusivo torna a pessoa dependente deles, deixando-os sem um sistema de apoio.

6. A manipulação emocional é furtiva

Nem todos os abusadores se apresentam como dominantes ou exigentes. Enquanto alguns são agressivos e culpam o parceiro por seus erros, outros manipulam de maneiras diferentes.

Alguns podem se comportar como se estivessem tristes e inseguros, precisando de muita atenção. Eles culpam seus parceiros por cuidar deles com a exclusão de todos os outros.

Alguns podem ver essa pessoa como patética ou lamentável e perder a manipulação que está ocorrendo.

7. A manipulação financeira pode prender as pessoas

Os abusadores freqüentemente tentam controlar o dinheiro, dificultando a saída de seus parceiros. Eles podem insistir em uma conta bancária compartilhada, monitorando todas as transações.

O agressor também pode desencorajar o parceiro de trabalhar, tornando-o totalmente dependente da renda do agressor e da vontade de sustentá-lo.

Essas situações limitam a liberdade do parceiro e garantem que o agressor esteja ciente da maioria de suas atividades.

8. Amigos e familiares muitas vezes perdem bandeiras vermelhas

Geralmente, há sinais de que uma pessoa está sofrendo violência pelo parceiro íntimo. Eles nem sempre têm uma correlação óbvia com os relacionamentos, por isso pode ser difícil reconhecê-los sem conhecer os sinais.

Devido ao comportamento controlador, as pessoas que vivenciam a violência do parceiro íntimo geralmente param de participar das atividades de que gostavam. Eles podem mostrar menos interesse em hobbies e parar de frequentar eventos que costumavam amar. Eles podem checar o telefone com mais frequência enquanto estão longe do parceiro.

Não é incomum que pessoas sujeitas à violência pelo parceiro íntimo dêem uma desculpa para deixar um evento após receber uma ligação ou mensagem.

Mudanças marcadas no comportamento são avisos. Se você os vir, preste atenção, faça perguntas e certifique-se de que seu ente querido saiba que você está disposto a ouvir.

9. Sair é complicado

Algumas pessoas passam por anos de abuso e colapso emocional. Isso significa que não é apenas uma questão de colocar as coisas físicas em ordem.

O que mantém as pessoas nessa situação é o controle mental quase total.

“Apenas saia” não é um conselho útil. Para sair, uma pessoa precisa de uma janela de oportunidade, um lugar seguro para ir, dinheiro para se sustentar e todos os dependentes e protocolo de segurança em vigor.

Às vezes, eles também precisam de suporte de saúde mental. Há uma série de recursos disponíveis, desde encontrar o terapeuta certo até grupos de apoio e atendimento hospitalar.

No caso de manipulação financeira, pode ser difícil e demorar muito para economizar dinheiro suficiente para sair por conta própria.

Em muitos casos, as pessoas sujeitas à violência do parceiro íntimo precisam fingir que tudo está normal na casa. Isso requer muita determinação e foco, porque eles temem a retribuição da violência.

Suporte de saúde mental

Se você ou alguém que você conhece está em crise e pensando em suicídio ou automutilação, procure apoio:

  • Ligue para o 911 ou o número do serviço de emergência local.
  • Ligue para a National Suicide Prevention Lifeline em 800-273-8255.
  • Envie uma mensagem de texto para HOME para a Crisis Text Line em 741741.
  • Não está nos Estados Unidos? Encontre uma linha de apoio em seu país com a Befrienders Worldwide.

Recursos para encontrar um terapeuta

  • American Psychiatric Association: Encontre um Psiquiatra
  • American Psychological Association: Psychologist Locator
  • Anxiety and Depression Association of America: Encontre um terapeuta
  • Depression and Bipolar Support Alliance: Encontre um Profissional
  • International OCD Foundation: Encontre ajuda
  • SAMHSA: Localizador de Serviços de Tratamento de Saúde Comportamental
Healthline

10. Preparando-se para sair

Antes de partir, um sobrevivente da violência do parceiro íntimo precisa de um lugar seguro para ir.

Verifique instalações operadas pelo estado e opções administradas por ONGs. Seja claro sobre idade e sexo, bem como sobre quaisquer dependentes. Alguns abrigos e casas seguras aceitam apenas faixas etárias e sexos específicos.

Se você está ajudando um ente querido a ir embora, elimine as suposições do processo, dizendo-lhe exatamente quando e onde pode ir para um lugar seguro. Se você cuidar da logística para eles, eles podem estar prontos para agir quando chegar o momento.

Peça ajuda de pessoas em quem você confia. Eles podem ser familiares, amigos, empregadores, membros do clube ou mentores. Deixe-os saber o que está acontecendo e que você e seu ente querido precisam de apoio. Memorize seus números de telefone.

Ofereça um lugar seguro para seu ente querido guardar algum dinheiro e uma bolsa de mão. Eles podem precisar adicionar pouco a pouco para evitar a detecção.

11. Apoiar entes queridos

A experiência de violência por parceiro íntimo pode ser traumatizante, desmoralizante e exaustiva. Para apoiar um ente querido, é importante compreender que ele pode mudar de ideia algumas vezes.

Deixe-os saber que você está sempre disposto a ouvir e ajudar.

Faça o que puder para manter contato com seu ente querido. Às vezes, isso significa resistir ao impulso de pressioná-los a sair.

O desenvolvimento de um plano de segurança exige tempo e pesquisa. Estabeleça as bases com antecedência:

  • encontrando opções de moradia e abrigo
  • procurando oportunidades de emprego
  • protegendo um novo celular e cartão SIM
  • fazendo uma lista de itens para a mala de noite
  • aprender o processo de denúncia de violência praticada pelo parceiro íntimo e solicitar uma ordem de proteção
  • mantendo qualquer economia segura e escondida
  • estabelecendo um cronograma para verificações de segurança e palavras-código
  • conectando seu ente querido ao suporte de saúde mental

Onde buscar ajuda

  • Linha Direta Nacional de Violência Doméstica: Recursos para todos os sobreviventes; Hotline 24/7 em 800-799-7233 e 800-787-3224 (TTY)

  • Linha direta nacional de agressão sexual: Recursos para todos os sobreviventes de agressão sexual; chat ao vivo online e linha de apoio 24 horas por dia, 7 dias por semana, pelo telefone 800-656-4673

  • Escritório de Saúde da Mulher: Recursos por estado; ligue para a linha de apoio em 800-994-9662 das 9h às 18h, horário do leste, de segunda a sexta-feira

  • Rede Nacional de Estupro, Abuso e Incesto (RAINN): Recursos para sobreviventes de abuso e violência sexual; Linha direta 24 horas por dia, 7 dias por semana: 800-656-HOPE

  • Projeto Anti-Violência: Recursos especializados para sobreviventes LGBTQIA + e HIV-positivos; Linha direta 24/7 em 212-714-1141

  • Crisis Text Line: linha de chat de texto 24 horas por dia, 7 dias por semana para pessoas em crise nos Estados Unidos e Canadá; envie HOME para 741741

Healthline

Leve embora

A violência praticada pelo parceiro íntimo é um problema generalizado que precisa de mais atenção. É difícil para os sobreviventes falarem sobre isso, por isso é importante que os entes queridos percebam os pequenos sinais.

Embora você não possa tomar decisões por ninguém, você pode garantir que eles saibam que têm o seu apoio.

É mais fácil para as pessoas abandonarem o abuso quando há uma comunidade pronta para cuidar delas.


Alicia A. Wallace é uma feminista negra queer, defensora dos direitos humanos das mulheres e escritora. Ela é apaixonada por justiça social e construção de comunidade. Ela gosta de cozinhar, assar, cuidar do jardim, viajar e conversar com todos e com ninguém ao mesmo tempo no Twitter.


Like it? Share with your friends!

0

What's Your Reaction?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win

0 Comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Countdown
The Classic Internet Countdowns
Open List
Submit your own item and vote up for the best submission
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format